Escolha uma palavra e deixe o Umikizu falar sobre isso...

sexta-feira, 28 de setembro de 2018

Recortes de uma vida...

Recortes de uma vida
É o que eu vejo na TV
E parece que cada parte
É distante demais pra viver

Por que eu escrevo assim?
Por que me sinto recortado?
É tão difícil me juntar
Se me sinto tão separado

Acontecem dentro da gente
Os desentendimentos
Confusos pensamentos
Que estão somente desencaixados

Eu queria poder ver de longe
Todo o meu próprio cenário
Ajustar a luz e as sombras
Desfazer o desnecessário

Com calma ver cada detalhe
Que aos poucos vão ficando claros
Era ali que moravam os sentimentos
Que eu não tinha reparado

Essas peças fora dos lugares
Recortes de uma lembrança
Quando conecta num retrato
Espalha de novo a esperança

Eu queria poder ver de longe
Todas as peças do meu formato
Para conseguir decidir fácil
Qual delas eu desencaixo

Algumas temos que tirar
Jogar fora para limpar espaço
Aquelas que não agregam
Feitas sob medida
Mas que só nos deixam em descompasso

Todos os recortes de uma vida
Que no fundo não faz sentido
Queria poder ver ao longe
Tudo que está confundindo
Meus sentimentos mais feridos

Para as feridas mais graves
Eu tiraria as carnes e dores
Para as menos profundas
Bastaria curar com amores

Ah, os amores retratados
Em cada peça e pessoa
Essas seriam as promessas
Que eu faria a noite às flores

Prometo, primavera inteira
Para quem comigo quebrar a cabeça
Montando num só mosaico
O resto de nossas vidas
O Amor preferido
Nos recortes mais bonitos

segunda-feira, 24 de setembro de 2018

Dance até desaparecer...

A vida é movimento. Tudo no universo está em eterno movimento.
Não é fácil perceber, mas é necessário, entender que cada um de nós, mesmo imóveis, mesmo aquela pedra enorme e pesada está eternamente em movimento.
Um movimento tão rápido que parece imóvel.
Um movimento tão lento que nossa visão consegue captar.
Duas medidas para duas diferentes percepções da realidade.

A vida é movimento e eu pude reconhecer meu próprio ritmo.
Quando me ver dançando, ensaiando e tentando, esse é meu ritmo atual.
É a minha busca pelo ritmo e o movimento únicos para mim.
Único para mim. Como há um único para ti.
E nenhum deles será nunca igual, apesar de serem feitos da mesma essência.

Essencial mover-se, movimentar, cada vez mais rápido, cada vez mais tempo.
Até que todas as movimentações estejam em plena harmonia.
Perfeita sintonia com o nosso próprio momento no universo.

Pode ser que eu desapareça, pode ser que eu enfim torne-me um comigo mesmo.
E se eu desaparecer, qual será o efeito? Qual será a marca que deixarei?
Quem será que virá depois de mim? Movendo-se completamente são.

Mova-se, movimente-se, dance sua música e reconheça o seu ritmo. Único.
Encontre sua voz também e grite, ou sussurre, ou cale. Por si só.
Dance, movimente seu corpo até que o movimento flua e deixe de existir...

Foto Rita Viannae

terça-feira, 18 de setembro de 2018

Felicidade... Existe?

Muito, muito e muito mesmo repetem que Felicidade é um estado de espírito. Ainda bem que eu descobri a verdade! Sentei em silêncio e me permiti parar!

#Descobertas
#Felicidade
_______________________________________________________

Era um dia comum e havia acabado de tomar meu café da manhã, estava bem disposto, estava zen!
Isso ajuda muito, mas podemos entrar nesse estado como e quando quisermos. Você consegue? Não é sempre, não é? Não é exatamente fácil, afinal de contas exige uma coisa que aprendemos a abominar veladamente: esforço por si e para si. O desentendimento sobre a espiritualidade e a manipulação perpetrada pelos poderosos no nosso plano, que precisam que continuemos adormecidos em um estado de incapacidade funcional. Esforce-se um pouquinho para você mesmo hoje e essa apatia diminuirá pouco a pouco, mas esse não é o foco de hoje.

Hoje eu quero que você medite comigo e passe a acreditar que a Felicidade é o estado normal do nosso espírito. E espero que isso mude completamente sua vida, como mudou a minha.

Parei completamente. O tempo e o mundo continuava a passar ao meu redor e eu congelado, parado, repousando de tudo que existe e esse momento não é só iluminador, como também nos ajuda muito a relaxar. Ver tudo passando ao seu redor, o tempo correr e não te afetar te mostra como tudo acontece perfeitamente, como num grande relógio, um sistema tão automático e auto-suficiente que nos faz refletir sobre nossas ações de uma maneira única.

Penso que no tempo que temos, por exemplo, neste dia eu ainda tinha que escrever para o desafio de escrita que estava participando, publicar a capa de um filme para o convite da minha amiga, me preparar para o trabalho, almoçar, tomar banho. Tudo isso leva tempo e mesmo assim eu estava alheio ao tempo naquele momento e tinha todo o tempo do mundo ao meu dispor. Fora daquele estado, eu tinha apenas duas horas para fazer tudo isso. Neste dia, tudo correu tão bem e tão fluido, que terminei tudo com muito tempo de sobra. Curiosamente, no dia seguinte, tive muita dificuldade para completar tudo com a mesma tranquilidade e nem passei nenhum minuto em meditação.
O que mudou, além da minha percepção do tempo, foi o meu sentimento sobre o mundo ao meu redor, já que no dia seguinte já havia esquecido tudo o que senti durante a meditação. Meus sentimentos e minha mente não estavam em harmonia.

Essa percepção sobre nós mesmos, a harmonia que temos com o mundo ao nosso redor e a liberdade sobre o tempo é um desses momentos de Felicidade que tanto nos disseram existir, apenas momentos de felicidade. Acredito neles, porém aprendi algo muito precioso durante meu tempo parado no tempo, esquecemos de ser felizes. Esquecemos que a Felicidade está sempre aqui, parada no tempo, fora do tempo e disponível em tudo e em todos, assim como todos os sentimentos e como todos nós, como tudo, na realidade. O que define um momento, o que está nele, como ele será, somos nós. Ao mesmo tempo somos afetados pelas energias ao nosso redor, claro, mas mesmo assim somos nós os únicos responsáveis pela realidade e por todos os acontecimentos em nossa vida. Para que isso aconteça, precisamos recondicionar a nossa mente e nossos sentimentos e assim direcionar nossa realidade para voltar a ser Feliz a todo momento.

Felicidade existe sim, é o real estado de todos nós e ouso dizer: o único estado possível. Nossa realidade transfigurada pelas manipulações que sofremos a torto e direito pelos detentores de informações poderosas no nosso mundo é apenas uma ilusão, à partir do momento que nos informamos também e compreendemos como tudo isso funciona podemos escolher sair desse mundo de ilusões e criar nossa própria realidade. É como saber como um ilusionista consegue executar seu espetáculo, apesar de continuar reconhecendo a capacidade do ilusionista, podemos ler em seus atos e nos jogos de luzes e movimentos que enganam o cérebro e passamos a ser capazes de entender como tudo aquilo acontece, sem mais nos surpreendermos ou enganarmos.

Bem vindo a um novo mundo!
Basta você querer.

Vamos juntos?

Foto de Lucas Katayama - Instagram: @bylucask

segunda-feira, 17 de setembro de 2018

Desafio de Escrita #16 - Um Desafio Empolgante!

Eu tenho um sonho: Voar.
Esse é o meu maior desafio.

_______________________________________________________

Não tenho nenhuma dúvida que um dia eu realizo esse meu sonho. Nenhuma dúvida, pois sei que nada é impossível.

Seria muito bonito se mais de um pudesse voar também.
Seria melhor ainda se todos nós pudéssemos voar!
Seria o paraíso.
Voar é um pouco.
Voar é pouco mesmo.
Voar é só o começo.

Quanto tempo vai demorar para isso acontecer?
Vou precisar de asas físicas? Ou bastam as asas da mente?
Bastaria acreditar ou precisaria de uma mão para segurar e assim me sentir seguro?
São muitas as perguntas e não há muitas respostas. Ou o contrário, só tenho as respostas, mas as perguntas não se fazem?

Voar é o que preciso fazer.
Assim eu volto a acreditar que essa vida vale a pena.
Tirar, um milimetro que seja, os pés do chão e deixar que o mundo todo desmorone ao meu redor, revelando a realidade que eu ainda não consigo ver.

Esse é meu desafio.
Esse é meu maior objetivo.
E meu único sonho real.
Voar.

sábado, 15 de setembro de 2018

Desafio de Escrita #15 - Um Medo Forte

Eu não tenho medos, logo depois de falar sobre o futuro, o desafio pede que pensemos sobre o medo. Tendencioso... Hahaha

_______________________________________________________

Medo é uma forma do nosso inconsciente nos defender do que não conhecemos. É, isso é muito bom. Pessoas sem medo como eu tendem a correr riscos desnecessários. E tragédias acontecem, na maioria delas, tragédias gregas, mais dramáticas que drásticas, ainda bem.

Mas medo pode tanto transformar-se como disfarçar-se. E quando você perceber, pode ser tarde demais.
Meu maior medo, o medo forte como pede o desafio, eu sinceramente não sei nomear.

Será que é um medo meu, ou o medo de nossa sociedade transmitido tão ferozmente e calorosamente que ele acaba por me influenciar?

Um medo forte pode ser de aranha, de escuro, de morte.
Mas de morte, o medo mais forte, eu não tenho não.
Sei bem o que me espera depois da morte e sei também que não vou morrer fácil, afinal tenho muito o que fazer.

Tenho um certo medo das pessoas que não se esforçam e não saem do desconforto de não evoluir. Credo, teria muito medo de ser assim, mas não sou, então não tenho esse medo.

Qual medo eu me permito ter?
Talvez seja essa a melhor pergunta. Talvez.
Porque nenhuma resposta com medo me vem.
Eu tenho muito receio de que algo me aconteça, mas não é medo, é que a surpresa me deixa apreensivo, não saber como agir, se farei certo ou errado. Isso não é medo, é?

Sei que se tivesse um medo que fosse mais forte que eu, teria com certeza dito. Mas não tem nada mais forte que eu que não seja Amor e por esse motivo, meus medos e receios são vencidos sem grandes sacrifícios.
É uma vida de voos livres...


sexta-feira, 14 de setembro de 2018

Desafio de escrita #14 - Uma Previsão de Futuro...

Não adianta espernear, falar que é clichê e que não é assim.
O único futuro possível no planeta Terra é Amor.

_______________________________________________________

Amor.
Pronto, é só isso.
É importante fazer uma pergunta apenas para prever o futuro de alguém. É infalível.

O que é Amor para você?

Fiz a besteira de perguntar isso no meu livro. Não anda, não vende ninguém consegue responder isso do jeito que eu perguntei. E isso me diz muito sobre o futuro. O nosso pelo menos.
Estamos ferrados!
Simples, direto, na veia e no coração.

O que é o Amor para você?
Sim, você que está lendo esse escrito. O que você pode falar sobre o Amor?
Já amou? É amado?
Seu amor tem condições para existir? Sua vida tem jeitos de amar e jeitos de não amar?
Nosso jeitinho brasileiro conquistou até o Amor, transformando em variáveis o que é certo. Amor e ponto.
Não Amor se...

Se eu gostar do que ele fala...
Se ele for bonito...
Se ela for recatada e do lar...

!!! Spoiler Alert !!!
Isso não é Amor.

O que é Amor para você?

O que é ser feliz para você?

O que é o futuro sem Amor?

Cadê o seu Amor por si?

Responda e eu te direi o seu futuro. Detalhado!

Amor.
É o único futuro possível.
Se você não concordar, não tem problema, porque tempo futuro é infinito. E também é Amor.
Amor.
E ponto.


quarta-feira, 12 de setembro de 2018

Desafio de Escrita #12 - Uma Vista de Janela...

Numa viagem muito esperada ao Espírito Santo, quando encontrei amigos de longa data pessoalmente, foi nessa viagem que tive a melhor vista de uma janela...

_______________________________________________________

Nesta viagem programada, mas sem nenhuma programação, meus amigos se esforçaram ao máximo para me apresentar pontos turísticos do ES, me levaram para vários lugares em que eles se sentiam bem e fizemos um tour pelas igrejas, afinal de contas lá há muitas! A maioria mortuária e eu quase morro, um osso de uma freira exposto com a coitada do lado pedindo socorro e descanso, energia de morte dentro das igrejas, terrível a capacidade dos homens religiosos de prender seus amigos com seus conceitos limitados de espiritualidade. Ooops o foco não é esse.

Uma das visitas, também religiosa, porém com um ar muito mais leve, foi ao convento da Penha. Um lugar lindo de bonito e que fica no topo de um morro, o prédio é todo branco, muito bem cuidado e que tem um retiro para os religiosos que se dedicam ao lugar ( uma câmara fechada abaixo da igreja ).

Quando chegamos ao topo, pude ver uma das paisagens mais belas que me lembro até hoje. De um lado o Atlântico banhava a costa a perder de vista, cortado pela ponte que nos trouxe de Vitória até Vila Velha.
Abaixo do convento tinha uma instalação militar e muito verde. Uma beleza num fim de tarde com o sol baixo que eu não esqueço nunca. Uma janela do convento, um mundo todo para se ver!

Legal, paisagem bonita, os militares jogavam futebol no campo atrás do quartel, mas o mais legal foi ao observar a água e haver uma aura como se fosse um helicóptero sobrevoando a água, mas não havia helicóptero algum.
Apruma a visão, elfo, é uma visita diferente.
Bem quisto que me dito, era mesmo um disco, complementando a paisagem! E mesmo depois de descoberto, não ficou tímido e continuou por lá. E na verdade estava ficando tarde, não me lembro se ele ou nós saímos de lá primeiro. Não importava para mim.
Foi a melhor vista de uma janela que já vi na vida. Em ambos os mundos...

terça-feira, 11 de setembro de 2018

Desafio de Escrita #11 - Uma Nuvem no Céu...

Minha nuvem é passarinha, não porque tem formato de pássaro, porque eu a chamo assim.

_______________________________________________________

Nuvem passarinha que branquinha vai no céu
Cada hora de um jeito
De todo jeito é um véu
Nuvem branca contrastando tudo que tenho feito

Nuvem branca agora é um lenço
De quanto em quanto tempo
Ela vira um animal
E eu penso em um urso
Então vem na mente o mel
Tão gostoso e doce como algodão doce é!
E da cana nasce seu açúcar
Que tantos se lambuzam...

Vai ser sempre doce pensar no azul pintado de passarinhos
E de nuvens branquinhas que passam devagarinho!

E num vento de repente
Nasce mesmo é um dragão!
Enorme e feroz, numa lufada deixa de existir
Pois agora dá lugar a um campeão
Vencendo de vez o monstro grandalhão!

Essas nuvens, que passam devagarinho
Lembram do tempo que eu tinha tempo de ver o céu
Sonhar com elas, sonhar com o azul
E sem medo nenhum
Viver sonhos acordado
Mais ou tão reais que os que sonho
Nas noites que as nuvens escondem o luar...

segunda-feira, 10 de setembro de 2018

Desafio de Escrita #10 - Uma Descoberta Infantil...

Essa foi bem recente e eu não vou romantizar.
Inocência tem limites?

#Desafio30DiasdeEscrita
#UmaDescobertaInfantil
_______________________________________________________

Já dei muito fora na vida, pagando micos do tamanho do King Kong por causa da minha inocência. Por não conseguir ver a malícia das pessoas nunca fui muito bom em discussões na escola, em rixas de ego ou nada desse tipo de coisa.

E recentemente, 30 anos nas costas, depois de ouvir essa "brincadeira" mais de um milhão de vezes, só agora eu entendi.

- Olá, como vai você, fulano?
- Oi ciclano, não como você, mas gostaria!

Sou muito tapado? Sou muito ingênuo?
Não sei dizer... talvez porque não passaria pela minha cabeça comer alguém com quem acabei de iniciar uma conversa, ou qualquer pessoa at all.
Carne de gente tem gosto doce, dizem por aí, e eu nunca quis experimentar, então essa história de comer pessoas nunca, mesmo, passou pela minha cabeça, porém só agora consegui entender o que essa brincadeirinha super inocente queria dizer.

Não é fácil, às vezes, manter viva sua criança interna.
Só que eu vou resistindo! `^^´


domingo, 9 de setembro de 2018

Desafio de Escrita #9 - Uma Experiência Triste...

Não existe um jeito fácil de falar sobre um momento triste. E no meu momento, não existe nada mais triste que a depressão. Não sentir nada.

#Desafio30DiasdeEscrita
#UmaExperiênciaTriste
_______________________________________________________

Estou com essa ciência depressiva desde o finzinho de 2011, quando no meu aniversário terminaram um relacionamento comigo que era meu último gancho me prendendo ao mundo dos vivos. Ao ser desconectado mergulhei num oceano de mim que nunca imaginei possível, obscuro, calado, de olhar distante e muito mais misterioso. Eu me perdi e me senti em paz naquele lugar úmido, ameno, onde me apequenei.
O primeiro mergulho é impactante, porém a descida é lenta, sutil, imperceptível.

Fiz terapia, pois solto como estava ainda havia esperanças de abrir as asas e conseguir enfim voar para qualquer direção que quisesse! Seria enfim livre! A terapia me resgatou, mesmo eu não percebendo que ao invés de voar, eu estava aprendendo a respirar embaixo d'água. Duas experiências parecidas e que agora percebo me complementam.

Afundando, respirando, experimentando outra realidade e de outros jeitos, completamente livre dentro desse oceano, preso sem muita luz. Afundando, afundando...
Penetrando em um local tão seguro e ao mesmo tempo inóspito, onde vivem os monstros, onde os monstros te convidam para dançar e daquela dança que te cansa constantemente, nada mais fora dalí faz sentido. Não há energia ou potência para movimentar o corpo e dessa forma o suor da dança infinita começa a molhar o travesseiro, escapando pelo cantinho dos olhos que ficam cada vez mais distantes.

Vaza, chora, alivia. Volta um pouco sua cor e seu corpo reage. Ao levantar-se e ver o sol, chora de novo e quer voltar para o seu mundo escuro que não te julga, que não te pune com uma luz que você sente falta, e ao mesmo tempo, não consegue mais suportar.

Chora. Deixa vazar.
É preciso chorar muito, muito mesmo, até que um oceano inteiro possa enxugar e dar espaço novamente ao seu coração pulsante, brilhante e que bombeava com toda força restante aquela água pesada para fora do peito.

Mais terapia, mais luz, mais paixão pela sua própria existência. E agora lucido, você entende que o mergulho dentro de si mesmo é o que você estava perdendo. Não era saudade da luz que o impedia de vê-la, era a negação do seu mais profundo estado de entrega e de toda sua tristeza que foi-se acumulando e aumentando e impedindo seu coração de brilhar, seus olhos de enxergar a beleza de tudo ao seu redor e te afogou de vez, sem uma onda para avisar que o tsunami ia te engolir e revirar até que encontrasse novamente seu equilibrio...

O momento mais triste da minha vida foi negar que a tristeza tinha o seu lugar e que lá eu posso habitar quando não me sentir bem, sem pesar. Sua luz não pode existir sem fazer sombras e nessas sombras você se encontra, e dança e destila tudo que carregou por tanto tempo sem perceber. E vaza, e chora e deixa que o mundo gire. E deixa que a alegria volte, porque na depressão ela não consegue te ver partir e na felicidade ela não pode existir. Incompleto. A nossa tristeza é isso... ser incompleto com medo de ser triste...


sábado, 8 de setembro de 2018

Desafio de Escrita #8 - Um Rito de Passagem...

Já contei muito sobre um rito de passagem traumático que me libertou para que eu voltasse a ser quem sou, meu acidente de carro que causou um trauma gerador de mudança, mas acredito nunca ter contato meu verdadeiro rito de passagem, aos 4 ou 5 anos de idade.

#Desafio30DiasdeEscrita
#UmRitodePassagem
_______________________________________________________


Desde que me entendo por gente, mais ou menos os 3 anos de idade, sempre estive ligado na televisão e isso durou até a vida adulta, por essa razão meu entendimento sobre a nossa realidade sempre foi muito confusa. Há certezas desde a infância sobre o mundo invísivel aos olhos humanos, mas a TV e os ensinamentos científicos o negam veementemente. Há certezas sobre os espíritos e as energias de cada um de nós, do nosso planeta e do universo como um Todo.

Essas certezas ainda persistem, cada vez mais baseadas em fatos reais e a origem delas vem de uma experiência que aconteceu ainda no início da infância.

Um dia sozinho na sala de casa, era uma tarde de verão, a televisão estava desligada, a luz da sala apagada e a claridade vinha de fora através dos três grandes vitros que eram minha paixão. Sentado no chão, desenhando na mesinha de vidro que eu também adorava eu tive minha primeira visão.

Quando fechei os olhos vi um menino azul sentado no chão em um lugar muito amplo e com pouca luz de cor azul também, que vinha de um foco invisível para mim. A criança brilhava e no momento que o vi entendi que aquela criança era eu, meu espírito no mundo invisível.
Ainda de olhos fechados, mexi meus braços e vi o menino mexendo os braços também. Abri os olhos e fiquei alguns minutos estarrecido.

- Que demais!

Fechei os olhos novamente e vi o menino ao mesmo tempo que o fiz. Eu ainda estava alí! Levantei e dei uma corridinha de criança pela sala, o menino correu também. Abri os olhos novamente e fui correndo buscar minha mãe para contar minha descoberta para ela. E fiquei estarrecido de novo, mesmo de olhos abertos, eu enchergava o menino azul!

- Que legal!

Chamando pela minha mãe, corri pela casa, precisava confirmar aquilo tudo que havia descoberto. Precisava dividir com ela aquela experiência incrível! E fiquei ainda mais estarrecido, porque quando abri os olhos e continuei a me ver percebi pessoas ao meu redor. Caminhantes, muito mais altos que eu, adultos, mas uma hora passou outra criança, que estava passando na rua.

- É de verdade!
- Mãe, mãe, manheeee!!!

Corri feliz e saltitante e quando encontrei minha mãe eu também a vi, minha mãe era rosa!

- UAU! MÃE EU VI A GENTE NO CÉU!

Cara de espanto, cara de sética, cara de meu filho tem uma imaginação incrível.

- O que você viu, filho?
- Eu vi que a gente se mexe aqui e tem uma cópia da gente lá no céu. Eu mexi meu braço e ele mexeu também. Aí eu vi pessoas passando por mim e eram as pessoas passando na rua. E agora eu to vendo eu e você!
- Que legal filho! Tem um de nós lá no céu?
- Tem mãe!

E eu voltei pra sala para continuar a desenhar, mas aquela descoberta nunca saiu da minha cabeça. E hoje eu entendo que esse foi o principal rito de passagem que me mostrou que eu posso ser tudo que eu quiser, pois estou conectado ao Todo e tenho consciência disso desde meus primeiros anos de vida...

sexta-feira, 7 de setembro de 2018

Desafio de Escrita #7 - Uma Música Favorita

Está começando a ficar cada vez mais seria essa brincadeira. Música sempre mexeu muito comigo e tenho várias músicas favoritas, colecionadas pelas emoções vividas por elas, mas uma, ainda me marca sempre.

#Desafio30DiasdeEscrita
#UmaMusicaFavorita
_______________________________________________________

Começou fazendo um baita sucesso e como sempre, eu ignoro os maiores sucessos, mesmo que dessa vez ele tenha tocado fundo desde a primeira vez que ouvi. Resisto, sou forte e teimoso! Ha ha! Uma música não vai me vender, vai ter que me convencer que é boa!

O coração apertado dentro do peito. A mente gritando querendo entender a letra, mas a razão irredutível, sem dar ao menos uma oportunidade para a música. Era uma briga!

Mente e coração: me permita, jovem racional, ouvir uma música hoje?
Racionalidade: Claro! Vamos ouvir Whitney Houston.
Mente e coração: uhul! Ótima escolha! Perfeita! ¬¬'
Quando essa acabar, coloca aquela nova, que acabou de sair...?
Racionalidade: Nova, daquela cantora pop?
Mente e coração: Sim, isso, vamos ver como é?
Racionalidade: Imagina, todo mundo tá hipnotizado nessa música ainda. Não quero ser pego de surpresa.
Mente e coração: Oookkkaaayyy.... (Não é como se a gente pudesse te obrigar, não é?) [Esfregando as mãozinhas, rindo]

Não demorou muito, o final de semana chegou e fomos para uma baladinha com meus amigos, naquela noite me encantei com um beijo, o beijo que nunca me esqueço não importa quanto tempo passe. O beijo que teve sabor de uva Thompson! Advinha que música estava tocando?

Espera, você não tem como advinhar, porque não falei nada sobre ela ainda.
"Remember those walls I built
Well, baby, they're tumbling down
And they didn't even put up a fight
They didn't even make a sound"
Beijo de um anjo!
E naquele momento eu vi e senti o poder de Halo da "cantora pop" Beyoncé eternizado na minha vida.

O beijo foi único, mas daquela noite só a música ficou. Ficou para sempre junto aquela memória de um beijo que nunca vou esquecer e de uma música que estava esperando o momento ideal para me conhecer. Digo que nada acontece por acaso e até mesmo a minha teimosia é recompensada nessas horas. Se já conhecesse a música antes daquele beijo, talvez ela fosse somente mais uma música. E u agradeço por ser para sempre especial para mim.

Halo... Halo-u-u!

quinta-feira, 6 de setembro de 2018

Desafio de Escrita #6 - Um Sonho Recorrente...

Caraca, essa é difícil.
Quando se vive nos sonhos em outra realidade é praticamente impossível ter sonhos recorrentes, e como faz muito, muito tempo que não os tenho, não consegui lembrar de nenhum especificamente.
Agora, sonhos para contar, tenho todos! Os meus que sonho acordado e os sonhos que se sonha dormindo. Vou contar um dos últimos que sonhei dormindo, a mensagem é boa para nosso momento.

#Desafio30DiasdeEscrita
#UmSonhoRecorrente
_______________________________________________________

Estava no trabalho, computadores para todos os lados, três grandes telas na nossa frente, mas os colegas que estavam comigo não eram os de sempre. Em uma sala pequena estávamos em quatro pessoas. Minha amiga estava trabalhando em um jogo de defesa da torre, desenvolvendo e testando ao mesmo tempo, em que os jogadores pelo mundo todo utilizavam suas estratégias de reconhecimento. Além dela e eu, um dos colegas era seu namorado, o outro não faço a menor ideia. Sonhos também tem coadjuvantes! Haha

No meio do trabalho, pegamos imagens virtuais de onde os jogadores de uma tela específica estavam e descobrimos que eram estudantes da escola onde eu me formei no ensino médio e técnico. Um deja vu! Claro que quando estudei lá não havia smartphones e por isso eu não poderia ser um daqueles alunos jogando, mas a sensação foi muito familiar de quando eu e meus amigos jogávamos RPG de mesa naquele mesmo pátio.

Então por um momento minha amiga ficou um pouco alheia a tudo que estávamos fazendo, ela estava vagando nas próprias memórias. Seu namorado a chamou e ela demorou um bom tempo para voltar de onde estava. Ficou mais alguns segundos em silêncio e nos perguntou:

- O que nós fazemos é legal, não é?
- É sim, divertimos as pessoas - respondeu o namorado.
Nessa hora o coadjuvante nos olhou um pouco assustado ou indignado, como se aquela pergunta fosse uma ofensa, mas ela prosseguiu:

- Criamos esses jogos, tantos programas de computador, aplicativos maravilhosos para divertir, facilitar o dia a dia e até mesmo melhorar algumas tarefas que são demoradas para nós humanos, mas para os computadores são moleza. Só que eu vejo as pessoas transformando tudo isso em programas em suas vidas. - Fez mais uma pausa reflexiva.
- Como assim? - perguntei para tira-la do transe.

- Usamos esses aplicativos e computadores e jogos 100% do tempo. Estamos vivendo no automático sem ao menos perceber. Como esses garotos, eles estão olhando para a tela dos celulares hipnotizados enquanto o jogo faz tudo sozinho. Não aproveitam esse tempo livre para conversar, nem mesmo sobre estratégias do próprio jogo, ou de coisas legais que fizeram no final de semana, nem de assuntos gerais, nada. São autômatos. Jogam e acham que ali estão vivos. Vivem e querem voltar ao jogo independente de qualquer outra coisa que façam.

Todos paramos e contemplamos a tela que mostrava os três garotos sentados no pátio do colégio enquanto tantos outros também estavam parados em seus cantos olhando para a tela de seus smartphones. Minha amiga disse:

- Estamos vivendo no modo automático...

E eu acordei.

quarta-feira, 5 de setembro de 2018

Desafio de Escrita #5 - Um Objeto Cotidiano

Escolhi um que nos prende e sufoca, controla. Parece malvado falando assim, mas ele sempre está no lugar, e algumas vezes conforta...
#Desafio30DiasdeEscrita
#UmObjetoCotidiano
_______________________________________________________

Não penso nele como um objeto, sinceramente, tamanho é o seu poder, além de nós fazer sempre companhia, onde quer que esteja ele também está. Afinal é impossível controlar de forma tão poderosa os humanos se não estivesse lá todo o tempo para não se fazer esquecer.

Somos pequenas máquinas de esquecimento, perdemos tempo, deixamos para depois, procrastinando nossa própria história e esse pequeno objeto está sempre ao lado, julgando nosso atraso.

É nele e por ele que o mundo gira, engraçado pensar nisso agora, porque falamos dos egoístas como se tivesse o Sol na barriga, deveríamos falar que seu objetivo principal é ser maior que o relógio.

Ele tica e taca o tempo todo e diz que nosso tempo esgotou-se! Que cruel ser de engrenagens mágicas, que não precisa seguir o sol para dizer as horas e que o aposentou. Se o calor do sol não fosse necessário, o homem já teria feito algo para o apagar, tudo por causa do relógio que tica e taca no ouvido impedindo a humanidade de esquecer e aproveitar seu tempo.

Vamos Alice! Estamos atrasados!

O único alívio que ele da é quando acordamos assustados no meio da madrugada, de um sonho que fez o coração acelerar e avançar mais rápido que o relógio, que quando consultado, tomado de uma empatia incomum nos diz que ainda podemos descansar mais uma hora.
Ufa, foi só um pesadelo.
Dorme bem e até já já. Quando eu despertar.
Boa noite....

Bom dia!


terça-feira, 4 de setembro de 2018

Desafio de Escrita #4 - Uma Pessoa Amado

Este desafio de escrita está para mim como um reencontro!
Fazer as pazes com a gente é muito importante e é uma boa maneira de reganhar o bom humor, a saúde o bem estar dentro da própria pele.

"Eu preciso dizer que me amo, amar sem perder, sem enganos...
Eu preciso dizer que me amo, tanto!"

#Desafio30DiasdeEscrita
#UmaPessoaAmada
_______________________________________________________

Poderia fazer como nos outros textos e falar sobre várias e várias pessoas que amo tanto. Só que dessa vez não vou não, por um motivo simples, na verdade dois motivos simples.

1 - Estou aprendendo a me amar também. E nesse momento minha pessoa mais amada, sou eu mesmo. Mesmo. Ponto!
2 - Não seria justo, nem sensato, falar sobre todas as pessoas que amo. Amo todo mundo! Não seria um texto, não seria curto e poderia deixar de lado algum detalhe que a mente se esquece, mas que na presença da pessoa, é a aquele olhar que encanta, uma característica só dela que me faz reconhecer na multidão aquela pessoa espetacular! Não dá.

Simplicidade no amar, várias qualidades e muitos desafios a ultrapassar, a pessoa que mais amo nesse mundo não está em condições de falar dela mesma. Agora que está se descobrindo e acreditando na sua própria felicidade. Possibilidade que depende dela e só dela.

A pessoa que mais Amo é aquela que sempre desafiou o mundo e tem vontade de gritar quando vê uma injustiça, de chorar quando vê tristeza e de lutar todos os dias. Pessoa que já quis ser o Presidente do Mundo, acima de nação, origem e escolaridade, aquele que não leva nada para o lado pessoal e que é justo tomando decisões que beneficiassem todo o mundo. E acreditava que tirar o dinheiro resolveria todos os problemas. De certa forma sim, mas o problema não é o dinheiro, mas o que as pessoas fazem com ele, que valor dão a ele e o quanto exploram quem não tem.

É uma pessoa calma, calada, observadora, pronta para qualquer parada. Uma pessoa que sofreu um pouco nos últimos tempos, mas que está dando a volta por cima. Ver o seu avanço tem me dado esperanças, parece até que é fácil, mas não é. Não foi. Para nos libertarmos de nossas próprias correntes precisamos de muita força de vontade e caminhar por essas veredas só se faz sozinho. Outras pessoas que me amam tanto não conseguem entender, pouca gente realmente pode compreender um caminhar solitário. Querer se libertar é uma solidão terrível, mas o objetivo compensa.

Queria poder dar um abraço apertado, longo e de coração na pessoa que mais Amo, seria um encontro de iguais, um só ser unindo-se com a eternidade. Duas forças infinitas colidindo em Amor.

Obrigado.
Agradeço muito por me inspirar e me aguentar o tempo todo.
Gratidão meu amigo!

segunda-feira, 3 de setembro de 2018

Desafio de Escrita #3 - Um Momento de Coragem...

Este é um tema interessante, chega de surpresa mas não tenho dúvida alguma.
O que a coragem me diz é que temos que assumir a responsabilidade por quem a gente é, simples assim. Sempre assumi quem sou e isso me deu oportunidades incríveis.

#Desafio30DiasdeEscrita
#UmMomentodeCoragem
_______________________________________________________

Segui meu sonho. Mais de uma vez.
Coragem foi pouco para conseguir dibrar uma vida como técnico em informática e cantar para mais de mil pessoas em um teatro. Mais coragem ainda foi necessária para pedir ajuda para conseguir publicar meu livro, sonho desde a infância finalmente realizado.

Desisti do trabalho "que da dinheiro" e fui direto para o teatro, sem medo, sem cursos, sem vivência senão aquela peça que fiz na segunda série, talvez terceira, mas eu tinha só três falas e aparecia no final.
Coragem? Não acho que essa seja a parte que exigia de mim coragem, essa foi a parte de mim que sempre gritou por liberdade, por expressar minhas vontades depois de anos e anos negando essa veia artística. Não. Coragem mesmo foi enfrentar esse mundo todo para que esse sonho se realizasse.

E tive que dançar, tive que atuar, tive que cantar e tudo isso junto, desafiando limites físicos e emocionais, na hora de dar vida a um personagem, que até era bastante parecido comigo, mas não era eu. Exige uma quantidade enorme de coragem! Deixar-se de lado e dar espaço para que aquela pessoa desconhecida tomasse conta dos controles. Dar vida, voz e movimento, deixar-se levar e seguir sendo você mesmo é uma experiência única.

Me pergunto quando é que nesse desafio eu vou deixar de falar de teatro. Talvez nunca.

Pedir ajuda também exige muita coragem. Sempre fui muito independente, mas publicar meu livro sozinho não seria inteligente. Na hora de gravar o vídeo do Catarse, na hora de pedir para que as pessoas acreditassem no meu livro, nas minhas ideias e especialmente no Amor que eu tinha para mostrar. É loucura!
Eu sei, tem loucura também. Falar de Amor em um livro de poesias, envolvendo o Amor na loucura para que as pessoas consigam finalmente libertar esse Amor de verdade. Quem ia me apoiar? Que desespero.

Minha amiga, prima, luz nesse mundo me deu um pouco da coragem que precisava para continuar, seguir em frente e eu consegui publicar o livro. UFA!
A editora Madrepérola, representada pelo Rafael também me ajudaram muito a continuar tendo a coragem para fazer esse sonho se realizar. Coragem não foi só minha, vocês estavam lá para me apoiar e isso não tem como não lembrar. Obrigado!

Coragem, além de ser dar voz e ação a sua loucura, é estar bem amparado pelos seus amigos e por pessoas queridas. Coragem é não aceitar seu destino e reescrever sua história. Coragem é o que nos mantém vivos nesses dias escuros no Brasil.

Sou muito grato por ser louco de coragem pela vida, mais uma vez, por ter passado por tudo isso em meio à depressão e conseguir escrever esse texto para contar a história. Vivo, bem, feliz, realizado!

Pode parecer difícil, mas coragem é para todos nós e espero que essa coragem tome a mão de todos que me leem e dê forças para continuar.
E se necessário, que a Loucura segure a mão do outro lado, para não deixar vocês fugirem da sua jornada. Vamos?

Coragem rapaz!

domingo, 2 de setembro de 2018

Desafio 30 dias de Escrita #2 - Um Lugar Querido...

O que mais estou adorando escrever neste desafio é que eu não li os temas de cada dia antes de aceitar, então estou sendo surpreendido por cada dia e cada tema. O de hoje, um lugar querido, só de pensar já apareceram zilhões! E como minha regra número um é que não existem regras, vou falar de todos eles.

#desafio30diasdeescrita
#UmLugarQuerido
_______________________________________________________

O primeiro de todos os meus lugares preferidos não visito a bastante tempo. É uma casa de esquina, pequena mas super aconchegante, que de um lado tem uma ampla vista para a cidade de Águas de Lindoia e do outro parece uma montanha, um caminho para aventuras infinitas! Como amo este lugar, quando visitamos nossas tias Elza, Cida e Amélia, íamos de surpresa levando uma lasanha para assar, um pão do frango assado para tomar café da manhã e eu corria atrás da tia Elza para cima e para baixo para continuar a conversar.
A maritaca que eu nunca tive coragem de deixar me beliscar, que falava com a gente querendo nos pegar! Que lugar encantador e o carinho que temos para compartilhar é infinito!
Dali tirei vantagem de ser tranquilo, o carinho de sempre ter alguma estória pra contar e a certeza de um amor incondicional! Nem dava tempo de fazer mais nada e já dava hora de voltar para casa, mas lá é com certeza meu lugar mágico!

Depois que eu cresci, descobri outra casa quando me aventurei pelo teatro. A primeira vez que pisei num palco foi de tirar o fôlego! Soltei a voz, cresci e fiquei gigante naquele lindo palco do teatro de Paulínia, logo seguido de tantos outros palcos maravilhosos.
Encontrar-se nesse espaço sagrado de arte é um alívio para a alma. Lá é onde todas as suas verdades tornam-se possíveis, onde pode deixar de lado o seu ego e assumir outras personalidades. Experimentar outras sensações e possibilidades que no mundo "real" são proibidas, castigadas, retrógradas e acima de tudo incompreendidas. Assim sua mente e seu entendimento se expandem de tal maneira catártica que a plateia toda vai junto com você.
É um espaço apaixonante e contagiante, que transforma sua realidade sem precisar sair do corpo, trazendo sua atenção para um agora que pode acontecer no passado, no presente e no futuro em apenas algumas horas ou em alguns minutos de pura liberdade.

Esses lugares sagrados são meus lugares favoritos no mundo. Mais que um espaço, um recorte no tempo que nunca vai se desgastar de tanta energia e Amor que existem e emanam para toda a eternidade.

On Broadway

sábado, 1 de setembro de 2018

Desafio 30 dias de Escrita #1 - Uma memória Feliz

Olá!

Estamos participando do "Desafio 30 dias de Escrita" proposto pela página #ninhodeescritores.
Apesar do desafio ter acontecido em Maio, nós não sabíamos e, como nunca é tarde para começar, estamos fazendo! `^^´

#desafio30diasdeescrita
#1UmaMemóriaFeliz
_______________________________________________________

Este primeiro dia... Vai dar trabalho!
Pois com muita alegria, minhas memórias felizes ultrapassam em milhares as que não são.
Como escolher uma só dentro de um milhão?
É como dizer que o abraço do pai e da mãe não são tão importantes quanto uma premiação.
Ou que devo comparar o primeiro beijo com o último e dizer que um deles é campeão.
Na verdade houve um beijo, com sabor de uvas, que roubou meu coração.
Só não devo dizer que ele foi minha memória mais feliz, porque não foi não.
Como não havia regra, nem essa limitação, de escrever sobre a mais feliz, ignorei a contagem de uma só, para falar de todas as que quis.

Tem o dia que morri e nasci de novo, transformação de mente e alma numa só situação.
Ou quando ri no teatro com meus amigos que depois me levaram para uma ótima refeição.
O dia que aprendi que o mundo não era diferente do gigantesco emaranhado que vivia na imaginação? Esse foi muito bom!
Eu quero poder um dia transformar tanta alegria em inspiração, para que mais e mais pessoas possam desfrutar de tamanha animação.
Nesse mês inteiro tem muitos temas para lidar, quem sabe no final não aconteça do meu sonho realizar?

Mais uma vez!

Essa vai ser outra memória feliz para contar no próximo mês!
Não só na escrita, em tudo!