Escolha uma palavra e deixe o Umikizu falar sobre isso...

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Diminuindo o ritmo...

Sem medo do que vão pensar.
Eu estive pensando muito ultimamente e então, eu resolvi parar.
Diminuir o ritmo e a adrenalina, deixar a mente descansar um pouco.
E assim, pensar claramente, agir democraticamente, andar livremente e amar verdadeiramente.
Desacelera, vai? Faz bom...

umikizu - dominuindo o ritmo


Não posso pensar como se só eu estivesse certo.
Por exemplo, tudo que conseguimos até hoje, é porque existe alguém que precisa ou que gosta ou que quer. Pode ser algo que "faz mal", como biscoito recheado, mas não mata e, se alguém gosta, é porque faz parte da terapia dessa pessoa, da fase dela. Pra quê obrigar todo mundo a se alimentar de forma saudável sendo que cada um tem o seu tempo? Obrigar uma pessoa a entrar na "sua" linha de raciocínio, por mais que seja de boa vontade e pautada em pesquisas científicas, é um desrespeito e pode ter circunstâncias muito piores para aquela pessoa que simplesmente comer um doce cheio de gordura hidrogenada.
Algumas vezes, precisamos aprender as lições sozinhos. Algumas vezes, já sabemos as lições, mas nossa etapa é de ir contra o que sabemos, ir contra porque é o que vai nos fazer bem no final das contas.

Vivemos num mundo democrático e livre, com suas ressalvas já que somos influenciados por inúmeras fontes político-sociais, mas somos livres para fazer, comer, ser quem e o que queremos. E claro, o que podemos de acordo com nossas capacidades financeiras e psicológicas. Imagine que à partir de hoje somos obrigados a seguir uma filosofia de vida totalmente saudável, com alimentação natural e orgânica, sem doces, sem gorduras e frituras, somente legumes, verduras e cereais. Além de ser um desrespeito com a liberdade, o choque da mudança de rotina e alimentação deixaria muita gente perdida, fora isso, as empresas alimentícias, a grande maioria, fechariam suas portas. Seria uma grande reforma para o planeta e com o tempo a população teria melhorado sua saúde e diminuiria a obesidade e blá blá blá. Por outro lado, milhões perderiam seus empregos, acabaria a liberdade das pessoas de escolher seu estilo de vida e isso afetaria o mundo muito mais que simplesmente a sua alimentação.

O que quero te mostrar com uma história absurda dessa é que o mundo hoje é um sistema vivo e que depende de todas as realidades para continuar vivo. Uma mudança drástica de comportamento e uma mudança radical baseada na necessidade e realidade de uma pessoa ou um grupo pode influenciar negativamente grande parte da população, desfazendo o equilíbrio sem considerar o tempo de cada um e a liberdade que temos de escolher e de viver nosso próprio momento. Usei o exemplo da alimentação porque sempre vemos os noticiários e temos essa campanha universal por uma alimentação saudável que transforma algumas pessoas em ativistas fanáticos. Algumas pessoas querem mudar o mundo sozinhas, baseadas na sua experiência e, sem se importar com os outros e a fase que passam em seu aprendizado, acabam fazendo mal tentando ajudar. Uma mudança radical na vida de uma só pessoa vai fazer a diferença somente na vida daquela pessoa porém, a mudança tem que partir da pessoa. Obrigar que as pessoas sigam sua visão e adotem seu estilo de vida por você acha melhor, é acabar com o equilíbrio e com a liberdade que cada um tem de experimentar e de viver. Se você quer saber um exemplo clássico sobre isso: Nazismo. Não parece ser uma boa coisa de se repetir, certo?

Por isso, desacelere. Você não é a pessoa mais correta do mundo, nem será a que fará sozinha a diferença pela evolução e melhoria de toda a população. O papel de cada um de nós é muito mais importante na nossa comunidade e com as pessoas que vivem ao nosso redor que com o mundo todo. Podemos informar e mostrar caminhos diferentes, mas a escolha é de cada um. Você pode ser contra que uma criança coma biscoito recheado, mas para a criança, aquilo é uma delícia! E proibir que o mundo coma biscoito recheado porquê "faz mal" é ser bastante egoísta. Por isso, pense melhor antes de proibir que alguém faça, coma, use sua liberdade para algo que você não concorda. E antes de ir contra, leve em consideração sua caminhada e as coisas que você aprendeu em comparação com a caminhada da outra pessoa. Diminui o ritmo de seus julgamentos. Isso se chama: Empatia.

domingo, 11 de dezembro de 2016

Cantando...

A gente vai levando, já dizia o Chico.
Se cantar fosse proibido, eu estaria morto,
ou nem teria nascido. Me proíbem.
É verdade.
Só que lá dentro, o coração bate em canção.
Ritmo de pop, rock, new age. Pra calmar.

Só que coração de quem canta não acalma.
Nem quando pára. Com acento sim. Não pára.
Só descansa por aqui, mas a música continua.
Música é o que nos dá vida, os sonhos, o ritmo,
Cada nota, do Dó ao Si, do grave ao agudo.
Às vezes desafina, não é? Sei bem... agora.

Desafina, sai do ritmo, ou pior, semitona.
Passa raspando e não acerta nenhuma.
Tipo 2016. Você deve saber do que falo...
Ta acabando, reverberando uma nova era!
E mesmo que o show não tenha sido bom,
é hora de aplaudir e respeitar o artista.

Cantando, dançando, fazendo a festa,
eu vou começar um novo ano mais cedo,
antes desse aqui acabar. Antes recomeçar!
Antes ser eu o responsável pela mudança.
Só que a música tem que continuar.
Sem calar, sem parar, sem desanimar.
Para fazer da vida um show, e cada dia
vai ser a faixa de um gigantesco Sucesso!

domingo, 23 de outubro de 2016

Pegunte-se...

Procurei por muitos lugares, respostas para perguntas que nem mesmo eu sabia porque perguntava. Encontrei respostas para perguntas que nem sabia que perguntaria. No meio, nos cantos e nas encruzilhadas, acabei conhecendo até mesmo diferentes interrogações, com exclamações ou reticencias. Nas respostas, também.

Ainda não encontrei o que eu queria. A vida é de buscas, de caminhos e de caminhar, continuar a se perguntar e receber respostas o tempo todo. Uma respiração profunda, uma interrogação que incomoda e uma resposta, certa ou errada. Os dias se intercalam entre físico e mental. Comemos arroz e feijão, pensamos algo aleatório depois de assistir televisão, trabalhamos, estudamos, fazemos os devidos afazeres, momento de limpeza, descontração e dormimos. Tudo isso sempre com uma questão surgindo atrás da outra. - Será que chove? - Levo casaco? - O que vou comer? - O que vai cair na prova? - Por que o sal faz mal? - E se eu ficasse em casa hoje? - Como pode uma pessoa matar a outra? - Etc? - etc? - Sim etc...

Mais um café? - Por favor!
Essa é a resposta mais simples, para a melhor pergunta do mundo.
E o mundo para, o tempo espera você deixar a mente mais agitada.
Mais um café. Mais perguntas e mais energia! Agora com pontos de exclamação.
Mais forte. O café, as perguntas e as respostas com certezas de cafeína.

O que pode dar errado?
Pergunte-se sempre. Mesmo que não goste de café.
Mesmo que não goste de fazer perguntas e ainda mais se não gosta de encontrar as respostas.
Questione, para que você não pare no tempo, não perca a cabeça, não deixe de viver.


sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Vingança...

Palavra doada pelo meu amigo Cadu!

Vingança é forte, eu sei, mas ela acontece.
E ela apareceu na cabeça do Cadu quando eu estava com dificuldade pra escrever, ela veio me salvar.
Para quem pensa que isso é negativo, taí um exemplo que muda essa perspectiva.
Espero que gostem da minha Vingança...

Pintura da atriz Morena Baccarin, feita pelo HeliX4 no DeviantArt

Fria, crua, seja ela venenosa ou não
Que importa? O que muda?
Nada.
Cria-se no vingativo a maior esperança...

Planejamento, maquiavelismo, luz nas trevas
Parte-se a cabeça perseguindo o intento.
Quebra-se tudo, silencioso, magoado
Preso dentro de si e do desejo.

Espera. A calma é importante.
Surpresa é a chave para o sucesso.
Presa fácil é aquela que nunca espera.

Continua a maquinação, repassa o plano
Uma, duas, mil vezes, até a perfeição
Morre a vingança e nasce a decepção...

terça-feira, 2 de agosto de 2016

Resetar...

Reconfigurar o momento
É escolher diferente
Sem esperar novo vento
Apontar pra outra frente

Resetar o seu tempo
Reorganizar os espaços
Reciclar o que ficou guardado
Liberar memórias do HD

Datas, fotos, lembretes,
Compromissos cumpridos
Entre os que foram cancelados

Respirar ar puro e limpo
Recomeçar sem pesos nem pena
Ressignificar uma vida simples; e torna-la plena.


sábado, 25 de junho de 2016

As idades...

Ah, meu caro amigo, como o tempo passa
Ontem eu me desesperava, hoje, tenho serenidade
A sabedoria me alcança na paz de um novo ciclo
Não sem antes me ensinar com sua autoridade

Dias de depressão, tanto minha como da nação
Esperando uma mensagem que trouxesse novidade
Que não vinha, que não acontecia, que desassossego!
Ainda não aconteceu, mas a esperança renasceu

Ainda há partes escuras em nossos tempos
O Tempo, mestre de todos nós, vai ensinando
Que especialmente nas trevas as luzes brilham

Prosperidade não é uma bondade dos merecidos
É uma luta constante dos que não desistem
E que volta com a humildade de ser convidada...

quinta-feira, 16 de junho de 2016

Verdade ou maldade?

Tem uma grande diferença entre neutralidade e maldade.
A humanidade é tão mimada pela fé criada pelo homem para o homem, que quando conhece a Lei, pensa que o Universo é malvado. Pior, pensa que a Vida é cruel.
Somos reflexo daquilo que acreditamos.
O Universo e a Vida, através do tempo, nos mostram a Verdade, que pode ser interpretada de diversas formas, como que vista através de um kaleidoscópio.
A Verdade é a Lei e a Lei é uma só para todos.
O kaleidoscópio é você.

Giant kaleidoscope de Masakazu Shirane e Saya Miyazaki

domingo, 12 de junho de 2016

Way down to happiness...

Sometimes there is a hole in our soul
but
That's not even close the way I feel

There is something missing about me
It seems I am not there
The ghost of someone
Emptyness seems so unique
The heart beats out of tune
Mind is full of something else

But me, well I am here
Somewhere between the tears
Way down the rabbit hole
But I, well, I am near
Somewhere where the rainbow ends
Close to the time of happiness

When you know you are aware
Of the world you have inside
All the tears are already dry
The dreams come to life
And the heart beating tunes
To the music of your mind

May the world come to an end
Will the love forever lasting
Be the gift of your conquest
Or the light that you shine
Glow across your crazy eyes
The answer is on the inside

But me, well I am here
Somewhere between the tears
Way down the rabbit hole
But I, well, I am near
Somewhere where the rainbow ends
Close to the time of happiness

Colours of Happiness - Camdiluv ♥ Concepción, CHILE

domingo, 5 de junho de 2016

Os delatores da vida real...



A internet não perdoa e não esquece.
Nesses casos tentamos não errar porque a internet e seus seguidores fiéis erram muito mais, estão sempre prontos para apontar o dedo, com um print da tela onde você disse algo impensado, como tudo está registrado, perdemos a espontaneidade.

A vida não é feita de acertos, muito menos do medo de errar.
Errar nos ensina muito mais do que acertar de primeira.
Errar nos prepara para surpresas, nos ensina humildade e a reparação.

Hoje temos a obrigação de acertar, seja por pressão de não errar, seja pelo medo de que alguém nos coloque em cheque. Ora ora, estamos medrosos e aflitos porque essa atitude transforma o erro de um delator em acerto. E o erro não está em alertar o outro, mas em alardear o erro em detrimento do outro.
Não caia nessa armadilha.
Viva. Independente de erros e acertos.

Viva!

quinta-feira, 2 de junho de 2016

Fim de semana...

Na calmaria da manhã no momento que se abrem os olhos
o despertador ainda tocando, o corpo descoberto congelado
o primeiro movimento te pedindo para ficar mais 10 minutos

É impossível desacreditar em um mundo bom.
Tudo caótico, mas todo dia é assim. Tudo bem.
Tudo bem. Tudo bem. Tudo, bem. Tudo... bem...
Tudo de manhã, tudo é muita coisa de manhã.
Bem. É manhã, um novo dia e você está pronto.

Cada segundo na cama, na tentativa de adiar o inevitável
pode parecer deliciosamente bom, mas o despertador...
Você tem que levantar, para desligar o despertador gritando
Fora da cama, o mundo mudou, nada mais é bom. Tudo é nada.

Voltar pra cama não é mais a mesma coisa.
Pode voltar, ainda está quentinha, aconchegante.
Ela ainda é só sua, toda sua, e com cobertores...
Só que só de ver a frestinha da luz na janela, só isso,
te faz pensar nas tarefas do dia, além do mais,
você já viu a hora, quando desligou o despertador, né?

Você está atrasado!
Corre!
Escova os dentes!
Põe a água do café pra esquentar!
Toma banho! Toma café!
Se veste! Sai!

Rua vazia... Já são 8:30, todo mundo devia...
O sol tá bonito e ninguém tá vendo.
Passa um menino com uma bola de basquete.
Nem repara no sol, também deve estar atrasado.
Bem... já percebi que eu não estou atrasado pra nada.
Sigo o menino e vou ver o jogo.
O dia está lindo e eu não ligo de ter acordado.

fim de semana umikizu

Projeto #Sou todo Ouvidos...

O Umikizu é um blog que conversa com seus leitores e num momento de desespero surgiu este projeto: #SoutodoOuvidos, para que os leitores do blog, amigos e conhecidos possam ter um momento livre e pessoal para falar sobre o que nunca teve ou tem coragem de falar com ninguém.
Anônimo, sem necessidade de identificação, sem necessidade de ter medo, vergonha ou receio.

Seja livre e corajoso libertando-se do que te incomoda.
E se quiser conversar mais, deixe seu contato para que nós possamos marcar um momento só para você.




quarta-feira, 1 de junho de 2016

Ranieri Dib - Ilustrador e Designer

Conheçam Ranieri, um cara tranquilo, inteligente e um ilustrador com excelentes ideias!
Me encontrei com ele no facelivro em 2013, exatamente porque me interessei pela sua arte, papeamos longo tempo e sobre diversos assuntos, assim como eu, Ranieri é curioso e não se contenta com pouco. Em sua biografia, você entende que ele é obstinado e tem diversas aventuras para contar e estudando diversas áreas correlacionadas, assim ampliando suas possibilidades. Além de tudo, um rapaz educado e sempre aberto para um papo tranquilo. Apresento:

Ranieri Dib é um designer gráfico formado em 2014, com passagens pela Oficina Tipográfica São Paulo, pelo setor de comunicação do Arquivo Público do Estado de São Paulo e também foi assistente do cartunista Luiz Gê, além de ter feito freelas para os escritórios de design Dona Juca Design e RG Imagem Photodesign. Participou do jornal da Arquitetura/UNICAMP e escreveu um artigo científico sobre Branding com base em estudos da marca 1DASUL de Capão Redondo,  artigo publicado pelo Mackenzie.
Seus principais interesses são o design, mais precisamente a parte de ilustração para capas de livros, revistas, cartazes e etc. Além da pesquisa e criação de histórias em quadrinhos.

Acompanhe seu trabalho no portfólio aqui: https://www.behance.net/srdib
E entrar em contato pelo e-mail: custer49@hotmail.com

Conheça alguns trabalhos e ilustrações do Ranieri:



domingo, 29 de maio de 2016

Prisão...

Estou preso.
Foi o que eu contei pra muita gente.
Estou preso porque não tenho grana.
Foi a razão que eu inventei. E todo mundo entende...
Estou preso.
Eu não sei qual é a razão.
Só que estou preso. Só isso. E isso eu sei.
Prisões.. Delas eu também conheço.
Me prenderam a vida toda em várias.
A maioria sem nenhuma grade, chave, cadeado ou guarda.
A maioria sem dizer uma só palavra de ordem de prisão.
Bastava não dizer nada. E eu me sentia mais preso.
Cada vez mais preso em mim.
Cada vez que eu era ignorado.
Cada vez que me olhavam, sem sequer prestar atenção.
Cada vez que eu não era ser humano suficiente pra ninguém.
Cada vez que eu me dedicava e me doava, mas ninguém ligava..
É nessa prisão que eu estou.
É numa prisão que eu não faço ideia de como sair.
Porque ninguém me prendeu, nem eu prendi ninguém.
Mesmo assim, não consigo sair.
Nem gritar por ajuda.
Ninguém me vê. Ninguém me escuta.
Minha garganta já dói.
Meus olhos embaçados, doem.
Minha força se esvai.
Minhas mãos não podem mais segurar.
Se isso não é estar preso.
Então, nem isso mais eu tenho...

quarta-feira, 25 de maio de 2016

O sonho de criança...

Já quis ser muita coisa, uma das coisas que queria ser era arqueólogo. Não deu certo, mas seria incrível! Imaginava-me em expedições por pirâmides egípcias e por matas na Romênia, explorando o deserto do Saara e as geleiras da Groenlândia. E não foi um sonho influenciado por Indiana Jones ou outra ficção relacionada ao tema, mas porque desde criança tenho uma curiosidade impossível e vontade de descobrir os mistérios que ninguém mais consegue ver.
Por essa razão, eu exploraria lugares onde ninguém mais foi, claro, mas minha principal vontade era entrar nas tumbas e nos sítios já explorados e encontrar tudo que os antigos arqueólogos e cientistas descuidados deixaram passar. E por sentir sempre que eles deixavam algo pra trás, eu pensava qual era a razão pra isso. Os adultos, para mim, sempre foram muito descuidados. Ainda somos, agora que sou adulto sei ainda melhor.

O olhar e a curiosidade das crianças são puras e livres de filtros que vamos construindo de acordo com as "podas" que recebemos quando estamos crescendo. Por mais que você fosse descobrir por experiência que dentro de uma pedra só tem mais pedra e que é muito difícil ficar abrindo pedra por pedra só para ter certeza de que só tem mesmo pedras dentro das pedras, a criança é teimosa além de curiosa e não tem nada a perder, nem mede seu tempo em cifras, então ela emprega seu tempo na descoberta dizendo: "E se testarmos todas menos uma e, exatamente nessa última, estiver um grande diamante?". Sempre pensei que os arqueólogos deveriam levar uma criança junto com eles em suas expedições e os cientistas deveriam checar o resultado de suas pesquisas com a experiência curiosa de uma criança, que faz perguntas tão absurdamente brilhantes, com suas teorias improváveis, que o resultado final poderia ser muito mais completo. Mas quando cresci, percebi com mais e mais pesar que os adultos não reconhecem o intelecto das crianças.

A desobediência das crianças, na maioria das vezes tem seus fundamentos. Os meus eram sempre porque havia algo muito urgente que eu deveria fazer, para salvar o mundo, ou salvar o jogo no vídeo game. As crianças salvam o dia, o mundo, o seu herói o tempo todo. Se não é no virtual é na imaginação. As crianças sempre estão pensando em tudo que ocorre a sua volta e isso é muito importante.
Quando uma criança diz: "Tenho uma ideia". Ouça sua ideia! Ela ficou muito tempo pensando sobre aquilo. Nenhuma criança fala nada da boca pra fora e você reconhece isso em seu olhar. Ela fala com a certeza da inocência. Isso nunca deve ser ignorado. Pode ser que a ideia dela seja colocar uma amoeba para fazer a forma da chave do cadeado e assim você consegue abrir e entrar em casa quando você esquece a sua chave. Bem, outras vezes pode ser simplesmente uma ideia carinhosa para tentar te ajudar, mesmo que não seja efetiva, mas ela vai até tentar usar magia para abrir o cadeado para te ajudar. A criança está se esforçando e pensando numa solução, enquanto você só consegue pensar que está cansado e quase chora. A criança não desiste, então você também não deveria, entende?

O que meu arqueólogo mirim, que ainda vive dentro de mim, me ensinou é que eu tenho que manter meu olhar atento para as coisas que os adultos ignoram porque é naquela última pedra que está minha sorte, é naquela porta que não conseguimos abrir que está o que viemos buscar nessa tumba úmida e cheia de teias de aranha. Ela grita pra mim: "Não Desista!!!" E eu não desisto. Então não desista nunca, nem deixe sua criança fugir do adulto que você se tornou.

O sonho de uma criança - Imagem da Internet sem autor reconhecido

sexta-feira, 20 de maio de 2016

Sozinho...

Estou na solidão.
Não é um lugar só.
Uma escolha ou sensação.
Estou na solidão.

Significa uma situação,
Um lugar em mim.
Espero alguém me salvar.
Entretanto, estou só.

E quem não está?
E quem vai me tirar daqui?
Qualquer um, alguém?
Qualquer um?

Não... desculpe, mas estou só.
Não é por opção, mas por falta!
Falta-me muito. Falta muito.
Falta quem não se deixe faltar.

Falta papo, falta coragem.
Falta estímulo, falta prioridade.
É tanta falta que já nem sinto...
É tanta falta, que tenho a mim.

Sozinho.

segunda-feira, 16 de maio de 2016

Sem desespero, faça um novo país...

Todo o povo está desesperado para estar certo.
Momento de parar e pensar. Entender o que se passa e perceber as intenções. Nada é tão preto no branco como se faz pensar e cada lado defende seus ideais como se fosse a mais pura das canções dos anjos mensageiros.
Não é hora de ceder, mas de investigar e aproveitar que nada está definido para reivindicar a mudança necessária, sem deixar que outros decidam por nós.
Hora de dizer basta do que continua a ser feito errado e acertar finalmente.
Vamos mudar o mundo.


sábado, 14 de maio de 2016

Comunicação é a nossa salvação...

Faz bastante tempo que bato na mesma tecla por aqui no Umikizu e com todas as pessoas que eu encontro e com quem converso, de que temos que nos unir, independente das nossas diferentes, somos seres humanos e mais que isso, somos seres racionais, capazes de muito mais progresso se um ajudar e compreender o outro. Tive a felicidade de assistir a palestra do senhor Uri Hasson, neurocientista russo que estudou as reações do cérebro sobre os efeitos da nossa comunicação verbal e explica de forma bem simples esse processo. Assista (Em inglês).

 

Quando Uri fala sobre a influência das diferentes perspectivas que temos sobre determinada mensagem, por mais que o locutor fale a mesma língua, o receptor interpreta a mensagem com a sua perspectiva viciada e nesse caso, a comunicação é ineficaz ou muitas vezes não acontece como deveria. (como no caso da mulher se era fiel ou infiel ou sobre as diferentes informações que recebemos todos os dias da mídia).

Somos influenciados sempre, mas a racionalidade pode resolver esse problema, controlando as preconcepções para que ao menos haja possibilidade de diálogo e que o interlocutor tenha a oportunidade de expor sua mensagem e que ela seja recebida sem barreiras. Por mais que não concordemos com uma informação, não podemos simplesmente barrar a comunicação, mas buscar entender sua razão e então argumentar num debate sobre o assunto. Essa é a melhor forma de tornar nossa comunicação mais eficaz e de unir as pessoas, além de acabar com preconceitos.

Sei que muitas pessoas ainda tem um longo caminho a percorrer e que, dependendo da personalidade, as pessoas simplesmente não querem ouvir argumentações ou participar de debates, querem simplesmente estar certas. Na minha opinião, penso que essas pessoas não são racionais, agem com a emoção e impõem uma falsa autoridade. Porém no nosso mundo ainda hierárquico, em que sua posição social ou econômica definem quem tem razão, temos um longo caminho pela frente para enfim sermos mais receptivos.

Por isso eu estou sempre tentando articular essa mensagem e principalmente deixar claro que isso é sim possível, contanto que consigamos disseminar essa ideia para mais e mais pessoas, deixando que a razão seja usada no lugar da emoção. As pessoas tem de perder a preguiça de participar de debates e desenvolver o raciocínio e a humildade para que tenhamos mais e mais entendimento e que nossas mensagens não sejam mais interpretadas à partir de prerrogativas pessoais que nada tem a ver com a mensagem do interlocutor, mas sim do receptor. Tenho aversão às pessoas que querem interpretar mensagens somente à partir de seu ponto de vista e aqui deixo claro, eu também tenho um longo caminho a percorrer para que minha comunicação seja também eficiente e racional, mas eu pelo menos acredito que isso seja possível e faço minha parte para controlar o sentimento e expressar minhas razões.
Minha vantagem é que sou um bom ouvinte. E ouvir te deixa mais apto a compreender diferentes formas de pensar.

Vamos divulgar ideias que nos ajudem a unirmos uns aos outros. Chega de diferenças inúteis, brigas de ego e hierarquias que martirizam nossos iguais, vamos quebrar padrões e aceitar os outros como eles são. Somos todos seres humanos, racionais o suficiente para saber que enquanto um tem muito, outros passam necessidade e a comunicação é uma das chaves para acabar com essa desigualdade que persiste em nosso mundo. Vamos nos unir, não pelo bem de uns ou de nós mesmos, mas pelo bem de todos!

sexta-feira, 13 de maio de 2016

E por quê?

Depois do episódio detestável que passamos nos dias 11 e 12 de maio deste ano de 2016, fadado ao atraso, fico me perguntando, mais uma vez, por quê?

Por quê as pessoas tem tanta ganância?
Por quê os políticos não conseguem pensar no povo?
Por quê os políticos não ouvem o clamor do povo nas ruas?
Por quê o mercado é mais importante que a vida?
Por quê o errado é aclamado se houver dinheiro envolvido?
Por quê não há mais honra nas pessoas?
Por quê não há mais respeito entre pessoas?
Por quê é tão importante um cargo e o quanto de dinheiro alguém tem?
Por quê ter dinheiro é mais importante que ser humano?
Por quê as pessoas querem ter muito mais do que precisam?
Por quê não ouvimos as crianças?
Por quê não renovamos tudo?
Por quê falamos tanto em futuro, mas não saímos do passado?

São tantos porquês... São tantas palavras presas na garganta e tanta tristeza que não responde nada.
Já que vivemos de passado, poderíamos voltar no tempo em que para depor o líder bastava uma punhalada e se tirava o rei do poder. Para sempre. Até que outro viesse e conseguisse a mesma façanha, num segundo.
Não demoraria tanto para vermos os resultados e não seríamos tão humilhados vendo a olhos nus toda a sujeira que existe em nossa política.

Não veríamos, por exemplo, políticos comprovadamente corruptos sendo defendidos pela mídia e aprovados no poder como foi Temer e seus cavaleiros do Apocalipse. Num "julgamento" político ridículo, mostrando para quem tem olhos ver que os motivos não eram nada nobres, eram cargos, eram simplesmente a forma mais suja e deslavada de tirar do poder um líder que trabalhou pelo povo, pelos que não tem condições de sozinhos sair da miséria.

Temer já cortou o Ministério da Cultura, o Ministério da Comunicação e o Ministério que trata das Minorias. Porque para os capitalistas, isso só é gasto. Gasto! Não investimento. Gasto! Porque cultura ensina o povo sobre política, sobre valores e mostra os opressores, acendendo a chama do desejo de uma vida melhor no coração de todas as pessoas. Desde o rico até o pobre! Só que agora só o rico vai poder ir no teatro, ir a um show, ter acesso a cultura e informação. De novo. E a burguesia que tem voz e dinheiro, óbvio, está de acordo com isso. Os pobres vão voltar a ser pobres e as hierarquias vão voltar a valer, não que elas estivessem extintas, não é isso, mas agora vai haver de novo o lugar do pobre, do negro e das mulheres, abaixo dos homens, abaixo dos ricos, abaixo dos poderosos. É isso o que vai acontecer.

E por quê!?

Porque o dinheiro ainda é o Deus do mundo... 

Imagem da Internet - Autor desconhecido

terça-feira, 10 de maio de 2016

Anjos e santos...

La Inmaculada Concepción
Giovanni Battista Tiepolo
Não quero ser santo, sou anjo.
Anjos não precisam ser exemplos.
Agimos de acordo com a Lei.
E apesar de você não entender,
Assim que deve ser feito. Pro bem.

Claro que é melhor ser santo.
Todo mundo adora um santo.
O anjo é imponente. Respeitável.
Mas o anjo não é reconhecido.
Ele faz, e ninguém entende o que.

O santo salva, o santo é gente.
O anjo é arauto, é temível.
Chega até a ser cruel. Como Deus.
E ninguém entende, nem o santo.
Por isso que o anjo é necessário.

O anjo faz o que o santo não pode.
O santo alivia, o anjo resolve.
E o santo é necessário depois.
Antes e durante o trabalho do anjo.
Pra ajudar a curar o anjo ferido.

domingo, 1 de maio de 2016

A maior falha da Humanidade...

Desde o começo da humanidade, que é algo que nossa ciência e religião não tem fatos comprovados o suficiente para acreditar, somos desafiados com o impossível. É impossível pensar sobre o que está no futuro e é impossível não depender do passado. Ambos, futuro e passado, são as únicas coisas que a humanidade nunca teve acesso ou controle. Estudamos o passado para construir o futuro e pensamos no futuro com avidez todo o tempo. Mas só sabemos do passado o que podemos registrar e só sabemos do futuro o que seja possível construir no presente, estamos presos numa trama de impossibilidades e superstições. Nosso real passado não conhecemos de forma clara, afinal de contas não há registros pragmáticos, assertivos, somente histórias contadas através da visão de quem escreveu. Na sua maioria crendices, mitos, simbologias, que apesar de fazermos grande esforço para compreender e decodificar, são de toda forma incompletas no final das contas.

Enquanto isso, a humanidade se atém ao dia a dia, vencer suas batalhas pela sobrevivência. Vencer mais uma vez o impossível. Em desafios de força e resistência no começo de nossa história, quando o ser humano ainda não tinha tecnologia alguma, depois construindo suas ferramentas e aprendendo a cultivar a terra, construir abrigos, domesticando e utilizando animais como força de trabalho, até chegarmos nos dias de hoje, com todas as impossíveis tecnologias que possibilitam que você leia esse texto no seu computador, tablet, celular, smart tv ou onde quer que haja acesso à internet e uma tela que reproduza os diversos códigos binários que simulam as imagens e símbolos nela. No meio de tudo isso, sempre houve uma disputa animalesca pelo mais forte, pelo mais inteligente, pelo melhor. Essa disputa é a impossibilidade que temos que enfrentar hoje. As guerras são a causa de nossas maiores derrotas em todos os sentidos. Apesar de ser por causa das guerras também que descobrimos muito de nossa tecnologia, avanço em área como medicina, computação, comunicação, estratégia e tantas outras, é por causa delas que dizimamos nossos conterrâneos e junto deles animais, plantas, ecossistemas inteiros. E isso é sim impossível reconstituir.

Hoje as guerras diminuíram consideravelmente de tamanho, mas elas ainda acontecem e pelos motivos mais variados que podemos imaginar. Sabe-se que pode-se começar uma guerra por amor, por luxúria, por poder, por dinheiro, por um objeto sem valor comercial, mas de valor sentimental inestimável. E essa é a razão da nossa derrota como seres humanos mais uma vez. Nossa principal derrota é que falhamos em reconhecer o real valor das coisas materiais e o real valor de cada ser humano que habita nosso planeta. Falhamos em reconhecer a impossibilidade de refazer uma vida e como é simples destruí-la, falhamos em nos unir.
Insistimos em provar quem pode mais, quem é melhor, quem é mais forte. Esse instinto animal que não admitimos de forma alguma ainda existir, por nos considerarmos superiores, mas somos apenas animais domesticados e não temos o hábito de nos unir aos nossos semelhantes. Muito pelo contrário, deixamos que qualquer coisa seja motivo para distanciarmo-nos uns dos outros.

Ele torce pra outro time e ofendeu o meu! Nunca poderei perdoa-lo!
Ele votou no outro candidato, quando o meu definitivamente era melhor!
Ela gosta do meu namorado, como ela pode, essa vagabunda!
Ele gosta de homem, seu viado sem vergonha!
Ele é negro! Eu sou branco, como ele pensa em se misturar!?
Eu sou formado na Unicamp, você não tem nem ensino médio! Olha lá como fala comigo!

Pronomes. Eu! Ele! Eles!
O problema sempre está nos outros.
O errado sempre é o outro. Eu estou sempre certo.

Somos ainda animais. Somos ainda controlados por nossas emoções e não conseguimos controlar nossa razão frente aos instintos. Ainda é Impossível nas nossas cabeças, porque não tivemos exemplo de que viver sem se exaltar, e de forma pacífica entre as outras pessoas, é possível. Somos seres que aprendem com o exemplo, mas que fazemos com que o diferente seja exterminado. Chega de gratificar o erro e de humilhar os diferentes, que podem nos ensinar a ser melhores.

Nossa falha é afastar o diferente sem entendê-lo. Agora temos capacidade de administrar o diferente, estuda-lo, raciocinar e aprender um com o outro. Não é impossível. Debates e diálogos, mesmo que acalorados pela emoção e pelo instinto no começo, são o caminho para nossa união e evolução.
Com isso, muito mais conhecimento será dividido, nosso presente será registrado por todos e não somente pelos que contam a história no final e de forma partidária e poderemos cumprir nossa missão de unir nossa espécie pelo bem de todos.

A união é a chave para acabar com os problemas e resolver nossa mania de acreditar que tudo que é bom é impossível. Faça sua parte. E quando pensar que alguém nunca vai aceitar isso, desculpe o pensamento pragmático, mas essa é a real função para a morte: o prazo de validade de quem resiste às mudanças e pensa de forma retrógrada é normalmente de 80 a 100 anos. Trabalhe na sua vida e na mensagem que você vai passar para as novas gerações e não se preocupe tanto com as pessoas que não entendem que a paz é possível e nossa evolução necessária. A nova geração é o que vai restar e que vai passar a mensagem adiante, então confie em quem se conecta com você, passe a mensagem de paz e que é possível prosperar sem guerras, sem mais disputas e sem impossibilidades advindas do conservadorismo.
Acredite, é a única forma de tornar o impossível, possível.


quarta-feira, 27 de abril de 2016

Matilda piscou pra mim...

Duas vezes.
Se não tivesse visto com meus próprios olhos;
     olhos cansados de tanto ler...
Não teria acreditado, não mesmo. Mas eu vi!
     duas piscadelas iluminadas...

E ela meteu-se no silêncio depois disso. Nada!
Qualquer que fosse a mensagem, eu não saberia.
     como pode fazer isso com a gente?
Ela é caprichosa, mesmo nos créditos, é dessas,
     se faz calada, como se fosse coisa.

Coisa alguma, sua menina branquela! Tem nome,
Tem tudo que uma pessoa tem:
     casa, lugar certo, pai, cuidados, tarefas.
Agora sua tarefa é iluminar o cômodo que não acende.
E isso, é demais importante. Importa mais que eu.

Eu que fico aqui lendo até os olhos doerem;
     por muitas vezes, lemos juntos, lembra?
Fico aqui pacientemente esperando o tempo passar.
     E você tem missão, missão que não falha.
E me pisca duas vezes seguidas, sem dizer mais nada...

Matilda trabalhando 365 Project
Foto do "365 Project" da Matilda trabalhando

terça-feira, 19 de abril de 2016

Os dias difíceis da mudança...


Então finalmente as cartas estão na mesa.
Dilma com meio pé fora da presidência.
Os deputados mostrando as caras e as suas reais intenções nas votações que aconteceram no domingo dia 17 de abril, um dia terrível.
E o dólar subindo após o terrível dia em que, mais uma vez confirmamos, o Brasil é ainda comandado pelo crime e pelo capital estrangeiro.

O que podemos esperar de um Brasil depois do impeachment é uma grande incógnita. Eu lhes digo que a Câmara está criando um monstro, Temer é o pai, Cunha a mãe e toda a corja de criminosos são os paramédicos e obstetras que trarão o monstro ao mundo. O comércio exterior AMANDO a ideia de que o Brasil finalmente volte a vender suas empresas para a privatização. Afinal de contas o PMDB nunca almejaria o cargo de presidência e o Aécio nunca vai desistir do sonho. Com a vitória do PMDB, o partido mais bem cotado para ser eleito, depois da derrota forjada do PT, é o PSDB, seja quem for, sabemos que, como Lula governou Dilma, Aécio governará um possível candidato tucano. E o circo já estava armado muito antes de ser dado prosseguimento ao processo de impeachment.
Não gosto da Dilma, o PT realmente não vive mais sua ideologia, mas foi um partido que fez mais pelo povo, quando se trabalha pelo povo, que é a base, todo o resto da pirâmide sai beneficiado. Mas como esse conhecimento é muito básico e ultrapassado para a política de favores e politicagem a qual estamos acostumados a ver no mundo todo, com os mais sábios cientistas políticos ganhando dinheiro, e fama, para falar sobre as tramas da política nos jornais, o fator mais simples e mais eficaz nunca será uma opção. E quem se fode continua sendo a base da pirâmide, então para todo o resto, está tudo bem.
A retórica venceu a diplomacia e as vantagens venceram a honra. Vergonha na cara não existe e valores só em dólares. Pouca vergonha que infelizmente a população continua a aceitar com os dizeres prontos: Não tem o que fazer!

Os deputados que votaram no SIM, com tanto orgulho, dedicam sua lealdade aos partidos, às famílias e ao cargo que virá com a saída de Dilma. Não há muitos deputados que saibam o que seus cargos lhe implicam em deveres com a população, mas até aí tudo bem, a maioria da população não sabe o que um deputado faz. Vejam essa reportagem da BBC sobre 5 coisas que os brasileiros descobriram com a votação.
O que incomoda é que os deputados não tem ao menos o cuidado de enganar mais ninguém. Roubo mesmo e não faço. Esse deve ser o lema de todos eles. Maluf deu entrevista, também à BBC falando exatamente isso, que é fácil ser deputado, você vai lá, finge que trabalha e pronto. E nós ficamos com que cara? É um dos deputados com maior número de votos. Sua família, as famílias de todos os deputados que votaram à favor do impeachment vão continuar muito bem, com seus empregos garantidos, viagens, luxo, benefícios e tudo com o dinheiro do povo que os elegeu. Mas a vilã é a presidente. Ela engana o povo, ela é má gestora.
Realmente o governo do PT no comando de Dilma foi desastroso. É que tem um detalhe que só ficou literalmente claro com a reeleição de Dilma. Ela não pôde governar. Impedida de continuar o governo que Lula lhe entregou, com a maioria da oposição pressionando pelo fim das investigações de corrupção e pelo fim do empoderamento das classes mais baixas. Pelo fim dos pobres, os governos do PT foram eficientes e isso incomoda quem não gosta de sair do status quo. Essa foi a verdadeira intenção do impeachment e por isso ele é uma vergonha, por isso o dia 17 de abril de 2016 ficará marcado como um dia vergonhoso. Toda a quadrilha de criminosos do Brasil que é investigada, lutou e venceu uma grande batalha para terminar o único governo que não era contra investigações, para finalmente por fim aos poucos momentos de esperança que a Lava Jato, investigações do Mensalão antes dela, nos trouxeram. Mas a Dilma é a mais corrupta do Brasil, sem nada provado contra ela.

Por essas e outras, que a verdade está finalmente sendo revelada, as verdadeiras intenções de enganar a população estão sendo desmascaradas, mas ainda não temos o que fazer com isso, afinal de contas, como acontece com Cunha, o investigado lidera a própria investigação. Eu não sei vocês, mas se eu pudesse escolher continuar mamando nas tetas do Brasil, que é um país rico e onde se fizer direito tudo acaba em pizza (com uma das melhores pizzas do mundo) ou ir pra cadeia, eu ia escolher uma pizza de peito de peru e muito tomate pra lembrar que o povo está vermelho de raiva, mas não podem tocar em mim.

Depois a Anatel permitindo e mostrando o caminho "legal" para acabar com a liberdade de acesso à internet sem pagar os 3 olhos do corpo. O de baixo é o que fode. Mas isso é só um detalhe. Afinal de contas são empresas privatizadas pelo FHC, um luxo que trouxe progresso para a telecomunicação. Só não chegou progresso de verdade no Brasil. Mas esse é só um detalhe, mais uma vez.

E o dólar sobe, porque as empresas querem privatizar tudo aqui, a Dilma não deixava, valorizando as empresas e as riquezas que o Brasil tem, agora com ela fora do caminho, pode acabar com a crise econômica e deixa o país se recuperar economicamente, para que o lucro seja mais uma vez retirado daqui. 500 anos de exploração deixaram o Brasil viciado e o mais comum é que, uma vez abertas as pernas, nunca se feche o caminho para o ouro da exploração dos que não sabem abrir a boca para fazer a diferença no próprio país.

Parabéns aos apoiadores do impeachment, que não sabem sequer prestar atenção e argumentar sobre os rumos que o país tomará, sem falar no enterro da democracia. Mas esse é apenas mais um detalhe. São tantos detalhes tão pequenos de nós dois.... Mas eu acredito que são coisas muito grandes pra esquecer. Tipo a Vale e Mariana... LEMBRA?


sexta-feira, 15 de abril de 2016

O poço...

Poço - Artista desconhecido
Algumas coisas podem te derrubar sem nenhum aviso, chegam e acabam com seu bom humor ou com seu dia. Outras acabam com sua força de vontade e com sua auto estima. Nada, porém, pode ser comparado a falta de vontade de viver e o processo, além de rápido é silencioso, o golpe é forte como um martelo e oculta-se facilmente como uma adaga. Você não sente na pele, na carne ou nos ossos, ele ataca o sistema nervoso e afeta todo o seu mundo todo de uma só vez. Desabilita suas sinapses e impossibilita os movimentos do corpo.
Tudo que resta é ficar onde está.

Você não tem vontade de levantar da cama, 
      de comer, de ir ao banheiro.
Você não quer tomar um sorvete no calor
      ou um chocolate quente no frio.
Não há nada. 
Não há mais nada que possa te fazer levantar.

Vale a pena? O que estou fazendo até agora, vale a pena?
E se eu parasse aqui, quanto tempo eu ainda existiria?
São os pensamentos que te aprisionam ainda mais. E eles insistem muito.
Você sabe que não é verdade, que não é real, mas não tem forças.
Nem mesmo consegue colocar a mão na cabeça para pensar.

Pensar sobre o que?
Me deixe aqui, sozinho, no escuro.
Estou tão cansado. Tão cansado de tudo isso.
Pode pedir silêncio por mim? Eu não consigo nem mesmo falar.

Agora é o momento final. E surge dentro de você uma esperança.
      Afinal, o fundo do poço é onde encontramos a oportunidade de sair dele.
Você sabe que não vai se afogar e a única coisa que consegue ver é a saída.
É o único caminho à partir daqui. É escalar e sair. Simples assim.

Com os pés no chão, o cansaço não parece mais tão grande.
Com o olhar no céu, há uma luz que te guia.
Com as mãos firmes, você pode conseguir.
Escale. Continue. Saia daí!

E depois de todo esse esforço, de todo o cansaço e de todos os desafios.
Finalmente você está livre.

Parece que foi desnecessário chegar ao fundo do poço.
Foi fácil sair, tão simples o que você fez, nem parece grande coisa.
As pessoas ao redor te reprovam, brincam com você.
      Não precisava de tudo isso cara! Ta carente?
E você não sabe porque, mas o poço parecia mais aconchegante...

Quando não havia julgamento, piadas e injustiças.
Quando ninguém tentava te empurrar lá pra baixo de novo
      Você apenas caiu, sozinho...
Quando sua esperança havia enfim retornado. Em silêncio.

Era bom lá embaixo e você sabia disso. Mas não é o seu lugar.
É melhor aqui em cima, mas as coisas tem de mudar.
As pessoas não sabem o que é o poço. Melhor assim. Não conte.
      Elas não vão acreditar em você...
Apenas espere que elas não descubram, nunca.

Espere que ao invés de te empurrar pra baixo, te joguem uma corda.
Que te ajudem a sair daquele poço solitário e então, eles entenderão.
Peça silêncio por um tempo. Nada de brincadeiras, nada de especulação.
E então o poço vai trazer prosperidade e amizade, nada mais.
      Para ninguém mais cair em depressão.

quinta-feira, 7 de abril de 2016

Sempre tão longe...

Veja, meu amigo, eu não quero incomodar demais, mas estamos nos incomodando muito pouco, por isso vou sim te cutucar. Sem machucar, já estamos muito feridos. Não só no dia a dia pelos nossos afazeres cada vez mais atribulados e acumulados, mas pelos companheiros de jornada que nos trazem sempre más notícias. São os destaques nos jornais e na mídia em geral. Os acidentes nas principais pistas do país, o falecimento de algum desconhecido da cidade, os desastres no mundo e os jovens fazendo algazarra pela educação, imagina!

Qual é o problema? Está faltando coisa boa pra gente falar, não é? Ou tá falando da vida dos outros pra esconder a sua? Bem, isso não é da minha conta, concorda? Pois se concorda, também não é da sua conta a vida dos outros. Vamos melhorar o clima, para melhorar a vida de quem anda perto da gente? Para melhorar o mundo.

Mas é mais fácil reclamar… E a política? Que vergonha. Não dá mais pra viver no Brasil. É corrupção daqui, é político que se esconde de condenação de cá, e a divisão de partidos está mais confusa que a população, que se dividiu em dois grupos: os que tomam partido e protestam nas redes sociais e os que não apoiam coisa alguma! “Tudo farinha do mesmo saco!” eles dizem, sem saber que o povo, eu e você, também estamos dentro desse mesmo saco. Se a gente não peneirar de vez, nunca vai separar o joio do trigo e vamos manter esse estado de calamidade. Que tende a piorar.
E soluções todo mundo tem, o problema é que nunca nos escutam, não é? Basta você entrar num debate que várias soluções aparecem, fácil e prático! Já se perguntou por que nada tem dado resultado? Acredito que não é essa a pergunta que deve ser feita. Na verdade, você já parou para se perguntar se você mesmo leva sua solução para o dia a dia?

Se ao invés de reclamar e desabar os seus problemas, e os problemas que carrega consigo, dos outros, nos outros, você olhar para o céu e perceber que o dia está bonito hoje, que é sim um bom dia para sorrir e um dia melhor ainda para encontrar o seu colega de trabalho, sua família e seus amigos e compartilhar com eles um Bom Dia.
Vai perceber que, aos poucos, o peso que carrega vai aliviando nos ombros, com o tempo, os assuntos que chegam até você vão mudando e que as reclamações, que tanto incomodavam, hoje transformaram-se em boas notícias e elas preenchem o seu dia com mais e mais frequência. Seja o bom exemplo, e acredite, eu sei que não é fácil, mas aos poucos vai perceber a mudança acontecendo ao seu redor e influenciando as pessoas com quem se relaciona. A realidade que parecia estar sempre tão longe, vai se aproximando para que possa enfim relaxar. Permita-se ser o verão de suas andorinhas, já que uma andorinha só não faz o verão.

sempre longe

quarta-feira, 6 de abril de 2016

Aos homens...

Os homens que querem dizer eu te amo no primeiro encontro.
Aos que sentem carinho e querem demonstrar.
Que não querem perder o espírito de lutador e caçador,
Mas querem sair das trevas do preconceito machista.
Aos homens que não acreditam em segunda chance,
Especialmente pela primeira ter causa num coração partido,
Ou por uma estupidez imposta pela cultura do medo de parecer bicha.

Aos homens que curtem vinho e também cerveja,
Que dividem do seu prato com quem amam
Que abrem a porta do carro e ajudam a carregar a bolsa.
Independente do sexo, tanto o gênero quanto o ato!
Aos homens que não procuram sexo para o ego, como objetivo, como diversão,
Que sentem o sexo, com o prazer de estar com outro alguém.
Aos homens que deixaram de ser pedra a muito tempo, mas ainda não saíram das cavernas, com medo de mostrar que a pedra bruta foi lapidada e, independe de ser um quartzo rosa ou uma granada, querem como todas as pedras preciosas ser respeitadas e amadas.
Aos homens que brilham e que são as sementes da mudança: Coragem e Esperança!

Aos homens que não são gênero.
Minha alma…

domingo, 3 de abril de 2016

Aprender, sempre!

Roda da Fortuna (Tarô Mitológico)
Juliet Sharman-Burke e Liz Greene
Ilustração de Tricia Newell
Poucas vezes nos distanciamos de quem somos e do que sabemos com tanta facilidade do que nos momentos de dificuldade. Somos obrigados a despertar habilidades extras, apurar os sentidos e perceber qualquer oportunidade que possa nos tirar daquele desafio. É também o momento em que nossa fé é testada e somos obrigados a nos harmonizar com nosso espírito.

Esse aprendizado, facilmente esquecido em momentos de bonança, traz alternativas para nossa realidade, abre portas que não conhecíamos ou, ainda melhor, nos faz reencontrar antigas paixões, recordando hábitos que morreram, ou adormeceram, com o tempo.

Assim como a Roda da Fortuna, a Roda Viva, faz com que os ciclos tenham começo, meio e fim, ela traz de volta o que não foi bem aproveitado, o que foi negligenciado e especialmente o que ficou mal resolvido. Traz também o que te faz bem, desperta o desejo de fazer algo que não fazia a muito tempo e também acontece de reencontrar pessoas que não víamos a muito tempo.

Independentemente do que seja, o momento é de deixar a Roda da Fortuna trazer o que é melhor para você. Nesta semana começa um novo ciclo terreno, uma nova rodada no ano, o fim do primeiro trimestre e o começo do segundo. Passou uma estação e agora é hora de prepararmos a próxima. Um novo aprendizado e novas experiências para todos. Que as Moiras teçam um futuro agradável neste novo ciclo, com muita abundância e o Outono traga felicidade, bons frutos e prosperidade na colheita.

Paz e luz!

sexta-feira, 1 de abril de 2016

Me contradigo...

"Me encare enquanto assopro o discreto poente,
Seja sincero, ninguém está te ouvindo, só vou ficar mais um minuto.

Me contradigo?
Tudo bem, então . . . . me contradigo;
Sou vasto . . . . contenho multidões.

Me concentro nos que estão perto . . . . espero na porta."

Trecho do poema 'Canção de Mim Mesmo' do fantástico autor Walt Whitman, publicado no livro 'Folhas de Relva' (Leaves of Grass), 1855.

Essa reflexão do Whitman me pegou de jeito e me fez pensar que aqui mesmo no Umikizu devo ter-me contradito tantas vezes, talvez mais do que alguém possa se fazer entender. Analisar isso, me desculpo já, não é meu papel. Não me contradigo de forma mesquinha, para satisfazer meus desejos, encontrar desculpas e me desviar de meus erros. Quando não é de forma inocente, me contradigo da melhor maneira que há: me corrigindo.

Acredito que quando nos contradizemos nesse sentido temos que ser corajosos. Lutamos contra nós mesmos, de um passado nem sempre distante, e vencemos a luta com humildade. Difícil reconhecer isso nós mesmos, pois a vida é curta para uma analise profunda do nosso caminho de quando em vez, visto que de dentro, nos vemos em primeira pessoa e olhamos somente nossos passos acontecendo. Não somos capazes de analisar o todo, não sem andar com um espelho de corpo inteiro sempre diante de nós. Só que isso é impossível, nos cegaria do caminho, nos impediria de caminhar. A imagem de nós mesmos todo o tempo nos paralisaria, temos o mal hábito de só analisar e procurar nos reflexos os nossos defeitos. Morreríamos, se não de desespero de atropelamento por não ver o que está logo adiante.

O espelho nos foi dado pela vaidade. Nele nos arrumamos, nele nos refletimos sempre da melhor forma possível e só saímos de lá, daquela imagem de nós mesmos, quando não mais somos nós, quando estamos melhor apresentáveis que antes. Pura estética. Ninguém gosta da imagem que é refletida quando acordamos e nos encaminhamos para o espelho: cabelos desarrumados, cara amassada, olhos inchados, roupa amarrotada. Quando saímos, de rosto lavado e cabelo arrumado e dentes escovados, saímos melhores. Até sorrimos. Ninguém gosta da imagem que o espelho reflete, pois recorremos a ele muito mais para ver o que está errado do que para ver o que está certo: é um retoque na maquiagem, arrumar a roupa torta, tirar o verdinho do dente. Nada de ver como somos bonitos como somos, nada de ver o que temos de bom naturalmente, nada disso. Bem, aí está uma das maiores contradições que não atentamos em nos presentear.

Contradiga-se hoje.
Presenteie-se com um elogio. Pode ser um sorriso amarelo com uma mentira sincera. Sim. Só hoje minta em frente ao espelho, mas minta em voz alta. Diga: Como sou bonito quando acordo com esse cabelo desgrenhado e essa cara de sapo boi! Enchendo o peito e fazendo pose de rei.
Se você não der risada, não fez direito. Se você não der risada, não é mentira, você realmente acha que é bonito e que o sapo boi também é bonito. Agora, se você rir, sustente o riso. Gargalhe! Que ridículo! Mentir assim nas próprias fuças! Ria de você mesmo. Ria com você e com seu espelho que só mostra a verdade. Mostra você como você é e como está. Aprenda a contradizer o que te fazem aceitar por vaidade e veja a beleza de cada momento e de cada estado do seu dia a dia.

Você vai rir, vai começar a acreditar mais em quem que você é. E vai valer a pena.
Diga-se do contra quando te disserem, seja quem for, o que você não gosta.
Diga que não. Ria, então. Contradiga quem é do contra, contra você.
Inclusive seu reflexo no espelho.

quarta-feira, 30 de março de 2016

Vem amar... vem!

Hoje a campanha é o futuro!
Vamos estudar o passado,
Garantir o presente, de natal,
Fazer esse valer a pena
Para o próximo ano ser melhor.

Vamos trabalhar hoje e mais
Dedicar cada pedaço da gente
Pros outros
Assim quem sabe acaba
O que a gente nem começou.

Hoje é a campanha do amor!
Vamos, vamos amar?
Amando fundo, forte, quente!
Com café, com menta, com...
Destreza na mistura da pimenta!

Vamos amar mesmo. Vem!
Vem me dar um abraço apertado
Presente de coração pro meu
Presentes que estamos no outro
Vem me amar, eu já amo você.


terça-feira, 29 de março de 2016

A carência da humanidade é de caminho...

Imagem Pixabay - CreativeCommons
É mais fácil brigar que conciliar. Muito mais fácil matar que recuperar. Sacrificar que cuidar. Por esse motivo estamos frágeis e carentes. Cada um por si em um mundo de velocidade, ganância e impessoalidade. Não podia ser diferente: gritamos nas redes sociais nossos dramas e pesares, deixando claro que perdemos a esperança na humanidade, porém num vídeo de uma pessoa socorrendo um cachorro que caiu em um rio, a esperança é restaurada, por minutos, para perder-se novamente na próxima postagem ou notícia, que mostra um pouco mais da realidade que escolhem nos contar. Com o olhar voltado para as telas e jornais, nossa visão perdeu-se do cotidiano, do nosso bairro e cidade. Agora é global e se o que nos mostram vai mal, assumimos que nossa comunidade está igual, afinal o mundo agora é um grande bairro, só olhar no perfil do facelivro do "vizinho" ali na Itália que sabemos o que se passa por lá.

Ansiedade e carência causam a falta de esperança generalizada, aliada com a falta de espiritualidade verdadeira. As vidas são pautadas nas leis do comércio, supervisionadas pelas leis federais, mas no dia a dia vivemos numa terra sem leis. É a história que nos contam então é a história que é verdadeira, não é? É o que se fala aqui e acolá, lá na padaria, na academia, no parque, no café, nos jornais, até as crianças repetem as frases prontas. As preocupações gerais e as crises econômicas. Nunca se teve tanto dinheiro rodando no mundo, nunca faturamos tanto! Ainda assim, todos estamos em estado de alerta: não há dinheiro, tudo está caro demais, o planeta está em crise. Daqui pra frente sempre estará, não há esperança alguma, até que ! finalmente ! haja um vídeo de um super-homem salvando um animal de um rio, de um buraco, patinhos de um bueiro. Aí tudo fica bem e a esperança na humanidade é restaurada pelos poucos minutos que admiramos a coragem de alguns enquanto nos acovardamos em frente a uma tela luminosa.

Não há esperança se você não acreditar que ela existe. Nossa carência exige que cada ser humano seja cuidado integralmente por um outro, senão por mais pessoas. Com certeza é necessário mais que uma pessoa para cuidar de um ser. Os pais começam o trabalho e os professores terminam. São eles que formam e cuidam de cada ser humano, depois do período educacional, é cada um por si! Sim, não se engane, não fuja de seu destino. Somos aptos a cuidar de nossas próprias vidas, somos capazes e muito bem preparados, temos criação, temos educação, temos instrução e muitas fontes de informação e conhecimento. Temos quem nos guie por esse processo, mas... você se interessa por isso? Você se esforçou o suficiente para entender sua formação, dedicando-se a aprender o mínimo para se cuidar sozinho? Não? Dependente de cada um.

Quando pensamos num caminho espiritual que abdica de bens materiais (inconcebível nos moldes modernos, mas possível e muito recompensador) pensamos que este ser humano não lidará com dinheiro, não terá nada seu, não carregará mais que a roupa do corpo consigo. Engano bobo. Engano de entendimento. Nosso corpo é um bem material do qual não podemos abdicar até que a morte o leve de nós, a abdicação do material é o desapego do que é desnecessário, é o cuidado com o que é essencial. Nosso corpo é essencial e para que ele continue funcional e saudável é necessário cuidado, alimento, proteção e exercício para que não pare nem adoeça. O caminho espiritual e a espiritualidade não é tola, não pede o que você não pode dar, nem te coloca em riscos desnecessários. A única coisa que te pede é disciplina e que você seja sincero, honrado e respeitoso, antes de tudo, consigo mesmo.

Quando fizer algo, que seja algo bom, necessário e íntegro. Não quebrar o silêncio sem necessidade, não gastar demais, nem economizar demais, viver a vida completamente, sem que isso interfira em outras vidas. Entender o equilíbrio do mundo e seu papel para que ele continue. Pratique o bem. Honre sua palavra, com fé e com fervor. Não tenha medo de errar, assuma o erro e aprenda com ele. Ame.
Não é fácil. Não é difícil. Mais ainda: não é impossível. E não há necessidade de abdicação, caso não queira seguir uma vida completamente dedicada ao espírito, contanto que não se perca do seu espírito para viver por outros caminhos. A verdade não é uma só, o seu caminho não é como o do outro e não se deve impor caminhos por vontade, por luxo ou prazer e pelo simples fato de poder. Os caminhos escolhem quem caminha. Negar é sofrer. E não estamos aqui para sofrer, mas para aprender. Cultive a esperança, cuide da carência e aprenda a viver pela sua força. A recompensa é uma liberdade sincera que te levará onde precisa chegar. E quando equilibrada, nos leva para onde queremos ficar.

quinta-feira, 17 de março de 2016

Já basta...

É fácil manipular. É fácil para todos manipular. 
Aqui, manipulamos a felicidade, manipulamos a tristeza, manipulamos tudo. A cabeça no travesseiro, que tanto dizem por aí se chamar "consciência", também está manipulada, mancomunada com a inteligência para destruir o espírito. 
Sem alma não há mais nada, então pode-se tudo! Quando encontrar-se indignado, pense nas manipulações que você mesmo já se fez, fez contra sua própria família e amigos, daí pergunte-se: Onde está minha alma? 
Se encontrar a localização, talvez encontre a alma de tanta gente que manipula seu dia a dia, seu trabalho, seu divertimento, sua informação, sua sanidade, sua sociedade, sua economia, sua política, sua religião, sua vaidade, seu discernimento como um todo. Mas não se engane, as almas estão tranquilas, sabendo que longe da casca que manipula, ela não tem nenhuma responsabilidade pelas atrocidades e não vão voltar sem que o indivíduo perdoe-se por ter traído sua própria vida.
Quem vive com sua alma e em plena harmonia sofre sim, sofre pelas manipulações que lhe afetam, mas não sofrem demais, pois sabem que este passo é necessário para que todos aprendam alguma lição importante. Cada um a sua e no momento oportuno, por isso não me pergunte a sua lição, eu sei a minha.
Um bom passo é buscar entender seu momento, perguntando-se sobre onde está sua alma, seu espírito e sua consciência. Depois perdoando-se, independente se por manipular ou por ser manipulado, perdoar-se abre portas para redenção e ensina a viver melhor. 
Perdoe os outros também. Eles não sabem o que fazem. 
Siga seu próprio caminho. Só isso já basta...

ja basta
Imagem da Internet (Autor desconhecido)

sábado, 5 de março de 2016

Renovação, mudanças e união...

Enquanto não compreender que o mundo está mudando, não saberá diferenciar o básico da nossa existência: sobrevivência e suas necessidades. Existência agora é a nossa meta e por isso as disputas devem acabar, afinal, numa disputa sempre alguém deve ceder ou perder, seja de maneira física ou ideológica, quando há perda algo morre e a morte é o contrário da sobrevivência. Hoje nossa missão é união, união pela existência e sobrevivência. União que só virá quando a ganancia for dominada. Não extinta, sem gana não criamos, fazemos, não nos dedicamos. Ganância é descontrole.

Hoje vemos essa nova ideologia crescendo e aos poucos conheceremos mais e mais possibilidades de diminuir os pecados do exagero. Exagero de pompa, exagero de gastos, exagero de gostos e vontades, de sentimentos e de segredos. O fim do exagero é também o fim da escassez que ainda assola o mundo. E a união é o que nos mostrará que poucos com muito podem salvar muitos com pouco. Um pouco de cada vez.

União, não é tomar partido. Não é escolher um lado, mas estar ao lado de todo mundo. Difícil? Calma... nada é difícil pra sempre. E muito do que é difícil pra você hoje te foi ensinado. Você não pode ajudar o outro sem ter nada e não pode dar nada para os outros sem que eles mereçam muito. Fomos ensinados a ser gananciosos, ensinados a não compartilhar, pois compartilhar é perder. Essa é a mudança que é necessária, compartilhar é não ser ganancioso, não querer tudo para si, pois você não precisa de tanto. Você não precisa mais acumular nada. Nossa ganancia e nosso acumulo se mostra na mente cansada, no corpo obeso e na vida sedentária e entediante que vivemos, temos tudo, mas não temos mais ninguém com quem compartilhar... Compreende?

União. É o próximo passo!

Imagem Wallpaper da Web - Autor desconhecido

segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

O mundo mudou...

O mundo mudou. E o novo mundo não aceita mais sacrifícios em troca de benfeitorias, para atender pedidos, para mudar sua vida. O mundo e a nossa Natureza agora estão trabalhando para que você entre em sintonia com este novo mundo, com a forma mais pura de conseguir atingir seus objetivos e de prosperar para perpetuar sua existência. Agora todos tem a mesma oportunidade e basta que cada um de nós tenha consciência de que não há mais nada que não possamos fazer.

Falamos tanto hoje em dia sobre espiritualidade e tecnologia, porém ainda não conseguimos ligar uma coisa com a outra. Apesar dessa dificuldade de conexão teórica, na prática já utilizamos as duas em grande harmonia, especialmente com a popularização da Internet que proporciona o contato entre pessoas de diversas partes do mundo com as culturas que realmente se identificam, trazendo-lhe uma porção de documentos e informações que não eram acessíveis por causa da cultura do seu país ou de sua localização. Além de tomos e dados, também a possibilidade de conversar e debater sobre suas dúvidas e dificuldades com pessoas que já entendem aquela cultura e que podem guiar o seu caminho. Este é só um exemplo, porém que fique claro: Conhecemos as culturas antigas e perdidas na Terra como os Atlantes, os Lemurianos e até mesmo os Egípcios e tantas outras culturas de povos mais jovens, os elogiamos pela sua tecnologia e pelas belas obras que deixaram para nós, pirâmides, templos, escrituras, porém não conseguimos conceber a ideia de espiritualidade através da rede mundial que é a Internet ou o uso de dispositivos tecnológicos em rituais. Esse bloqueio está na mente humana que acha que tecnologia não faz parte da Natureza. Hoje, isso é intrincado na humanidade e nas sociedades, com as devidas ressalvas, o que não é natural é ser radical.

Outra amostra de que o mundo mudou e que nós ainda não conseguimos nos adaptar é que não somos mais cobrados por sacrifícios, na realidade o real significado dos sacrifícios não existe mais. Antigamente fazia-se rituais de sacrifício para os deuses e para os espíritos da Natureza afim de conseguir suas bençãos e abrandar sua ira. Fazia-se o sacrifício de escolher um caminho mais duro, o caminho dos guerreiros por exemplo, doando sua vida para uma causa, uma batalha para proteger seu povo, seguir como eremita para encontrar-se e ter com os espíritos mais elevados e sacrificando-se com o afastamento de todos que mais ama, família, amigos e amores. Tantos eram esses sacrifícios e tão pesados eram seus fardos, que hoje não podemos mais usar essa palavra. Temos possibilidades infinitas de atingir nossos objetivos sem deixar o lar, sem ficar longe da família e dos amigos, sem ter que correr risco de vida para obtê-los. Sem também sacrifícios de outras vidas para que consigamos bençãos. Chamar um tempo dedicado aos estudos, ao trabalho, ao culto religioso ou oração e rituais de sacrifício é uma forma de torná-los mais nobres quando contados, mas hoje ele faz o serviço contrário, deixa que você sinta um peso muito maior que essas tarefas realmente tem, deixando tudo mais difícil para tornar-se um mártir no ponto de vista do seu irmão. Reflita. Torne suas tarefas abençoadas e plenas, tenha foco na sua realização com a mente no seu objetivo e deixarão de ser um sacrifício, pois são possíveis de ser realizadas, não te colocam em risco e farão muito bem ao seu espírito e ao seu futuro.

Claro que ainda existem sacrifícios no nosso mundo, ainda estamos em transição. Ainda há pessoas passando fome, sede, em situação de grande pobreza e que precisam sacrificar seu alimento para que o filho não morra de fome. Sacrificam suas vidas, seus dias e seus prazeres para manter sua família viva. Enquanto não lutarmos contra a ganância, violência e a meritocracia, enquanto não abandonarmos estilos de vida luxuriosos que não fazem diferença alguma senão para o superego e para mostrar que o seu estilo de vida não condiz com sua evolução espiritual, então ainda viveremos nesse grande desequilíbrio onde muitos tem pouco e poucos tem muito mais do que precisam.

O mundo mudou, agora é a nossa vez de acompanhar as novidades.
Crie em você as oportunidades de melhorar de vida, elimine os termos negativos que só deixam suas tarefas mais difíceis pela vontade de parecer nobre e forte, para manter um status de mártir que não condiz mais com a nossa realidade. Abrace sua evolução e mantenha-se firme para que outras pessoas aprendam com seu exemplo de que o mundo mudou para melhor. E para nossa felicidade.


terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Ingratidão com a poesia...

Tentei, mas não descobri o autor da imagem
Quem souber, me dá um toque.
Como é ingrata a poesia
passa rápido e nem avisa
que vai fugir da memória.
Podia ficar mais tempo,
mas passa furtiva
não é como Vinícius,
Jobim e Caetano,
que alguém escolheu repetir,
revisitar e reafirmar,
sempre que se fala de poesia.

Passam tantos escritos
tantas partes bonitas de vidas
de desconhecidos ilustres
de amantes que foram amados,
mas o que fica mesmo é a dor
de quem repaginou o sofrimento.

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Enquanto Índigo...

Índigo...
Por enquanto, eu sou só mais um chato.
E é terrível o meu papel. Eu sou o chato que aponta pros seus erros.
Tá errado. Você está enganado. Está fazendo tudo ao contrário!
Pois é. Eu sou do Amor, mas meus caminhos não são da paz.

Não sou um Cristal, sou Índigo. Não estou aqui para aliviar a barra.
To aqui pra pesar a mão, te colocar na linha, apontar o dedo na sua cara feia.
Acorda, mermão! Tu tá vivendo de ilusão, a culpa não é minha.
Só to aqui pra te tirar da lama. À força se for preciso. Acorda!

Acorda, seu merda! Acorda seu preguiçoso de uma figa!
Acha que a vida é fácil? Vai comprar rapadura, vai comer feijão com farinha,
busca outro emprego, não se contente com pouco, não se contente com a matéria.
Não se contente com nada que seja comprável, aprenda a amar. OU SENÃO!!!!

Senão, você vai continuar sofrendo, meu caro. E eu serei seu carrasco.
Não, não é legal e eu não to curtindo, mas é necessário. Se ninguém te cutucar...
Você vai continuar um merdinha sentado no sofá sendo alienado por inanição.
Enquanto você acreditar na farsa que é sua vida, estaremos todos condenados.

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Sense8 e a vida real...

Aviso aos navegantes: não contém spoilers da série.

Sense8 ou Sensate, aborda a vida de 8 jovens que tem um contato extrassensorial um com o outro, sabem seus pensamentos e podem ajudar uns aos outros com suas habilidades únicas. Afinal de contas eles são sensitivos o suficiente para isso e podem conversar, se tocar e se relacionar através da mente. A série é escrita pelos irmãos Wachowski (criadores de Matrix e produtores de A Viagem) e por J. Michael Straczynski (Babylon 5 e Thor) só aí já dá pra saber que tem uma carga espiritual na trama que transborda, muito mais potente e cotidiana que Matrix. Muito mais contemporânea e presente que tudo que já vi até hoje.

Sensate é uma homenagem aos sensitivos e às pessoas que conseguem se comunicar com outras pessoas aqui no plano material e com espíritos no plano etéreo. E é uma honra e uma felicidade que finalmente sejamos representados de maneira simples, direta e bela. Eu como sensitivo, fico feliz e muito tranquilo em dizer, agora que terminei de assistir toda a primeira temporada, que é uma série que me representa e mostra na vida real o que é ser sensitivo, óbvio que com recursos palpáveis que só a ficção pode proporcionar. E não é nada extremamente absurdo. Não é nada paranormal, é simplesmente a conexão que você consegue estabelecer com o outro, com uma energia e com os planos da existência na prática.

Quando assisti o primeiro episódio não consegui me identificar de cara com a série, não entendi a proposta e achei tudo muito bagunçado, mas quando finalmente assistir o segundo episódio, que acontece em outro ritmo, sem correria para mostrar todos os 8 personagens e contando um pouco melhor a história, mergulhei num mundo conhecido, onde eu pude me reconhecer e me identificar prontamente com o que acontecia. Foi uma das melhores experiências espirituais proporcionada por uma série de TV. Honesta em dizer: nós estamos exagerando um pouco nas sensações, nas aparições, na prática nada é tão fácil assim, mas é o mais próximo que conseguimos chegar em uma série de televisão, que tem que deixar palpável para quem não sabe do que se trata, que tem que seguir algumas regras de trama, mistério e conflitos para poder vender, mas nós respeitamos o quanto pudemos o seu mundo e as suas reais sensações.
Agradeço todas as pessoas envolvidas com a série, desde os idealizadores aos realizadores, atores e toda equipe que faz o trabalho de ter esse cuidado e respeito.

Na vida real, ser sensitivo não é se ligar apenas ao seu grupo, não é ser ligado às pessoas que nasceram no mesmo dia e hora que você. Na vida real, os sensitivos se conectam com todo mundo ao seu redor. E isso quer dizer perto ou longe, acredite. Algumas vezes, a conexão acontece como na série, sem a gente querer, nos colocando em situações complicadas. Muitas vezes não é possível controlar e, mesmo que você não veja alguém aparecer nitidamente na sua frente do nada, a presença, a voz e as sensações são tão ou mais reais que a visão e isso é sublime e assustador ao mesmo tempo. Você é capaz de conectar-se com catástrofes acontecendo no mundo em tempo real, com pessoas sofrendo em um país em guerra ou com uma criança correndo feliz por estar brincando no parque com seu cachorro. Muitas vezes você não sabe explicar, mas você entende o que está acontecendo e porque está ali, faz o que deve ser feito, mesmo que isso signifique ter que fingir estar dormindo na sala de aula, fingir ser louco falando sozinho, precisar passar um tempo grande no banheiro no trabalho e também, especialmente, sentir a necessidade de ficar um tempo sozinho. Ter um tempo só seu e em silêncio, para conseguir se recuperar.

Então para quem assistiu Sense8 e não se identificou, não gostou ou achou uma grande viagem (mais viagem que Matrix que tem tiro, porrada e bomba) acredite que essa série é importante para muita gente, pessoas que estão próximas e você nunca saberá que são sensitivas ou que tem esse tipo de conexão com o resto do mundo. Por favor entenda que nem tudo é para todos, mas que sempre há alguém que precisa do diferente, tão diferente pra você, mas que finalmente é algo com o qual ela possa se identificar.

Paz, luz e amor para todos.