Ponto final...

Estou vagando em mim mesmo.
Como sempre faço, não é segredo.
Mas ponto final que não se achegue.
Fazer sentido? Ah, não existe isso.

Qual é a boa capitão? O piloto; o mandão!
Aprendi a usar acento, ponto e virgula.
Até mesmo travessão. Mas ponto...
Ah, esse eu não gosto não, não, não.

Uso demais é verdade, sim.
Uso toda hora, toda hora fim.
Mas sem querer, sem sabimento.

Sai o ponto e fico eu; sozinho.
Neste conto poesia, eu sinto.
Só preciso de você comigo. Ponto.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ensaios Umikizu - um sonho em forma de livro no Catarse!

O misterioso Escorpião!

Arte: Fine Art de Vladimir Kush...