O quintal das rosas rosas...

Caminhei pelo quintal
Comprido até o portão
Lá na frente, longe de mim
A roseira das pétalas claras
Na distância lindo branco
De pertinho rosa clarinho
Parecendo feita à mão.

Afastadas eram pequenas,
Mas na verdade pareciam
Nem mesmo caber na mão
Rechonchudas de botão,
Quando eram abertas,
Preenchiam os olhares
Dos passantes no portão.

Perto delas eu era pequeno
Longe não havia emoção
Se me separar da roseira
Juro de mãos e pés juntos
Com ela ficará meu coração.
E neste dia deixo o mundo
De saudades daquele botão.

Comentários

Postar um comentário

Comente. Há um mar de pensamentos e você pode pescar um peixe que ninguém mais conhece. Assim são as palavras no mar do Umikizu!

Postagens mais visitadas deste blog

O misterioso Escorpião!

Arte: Fine Art de Vladimir Kush...

Não morrer jamais...