Escolha uma palavra e deixe o Umikizu falar sobre isso...

sexta-feira, 17 de julho de 2015

A despedida sutil...

Essa é uma história de um sonho meu. Com dois personagens bem definidos.
Elle sou Eu.
Ella é Elle.
Há uma despedida, mas não é um adeus. Há uma grande quantidade de carinho.
Carinho, que fica pra sempre!

Ella me convidou para ir ao shopping, sem perder tempo aceitei. Ella era uma das pessoas mais cativantes que já conheci, inteligente, esperta, sempre em busca de algo para se desafiar e crescer, olhos vivos e a mente inquieta, as vezes se atrapalha com as próprias ideias, e há beleza nisso, tão bela quanto Ella. Nos conhecemos em um café no período de aulas, estudamos na mesma turma por uns dias. Cativara-me com o primeiro sorriso. Bonita e ao mesmo tempo inquieta, transpassava a calma de quem já passou por muita coisa na vida.

Quando nos encontramos no shopping, Ella pediu uma cerveja de cereja, uma garrafa bonita e fechada com uma rolha ao invés de uma tampa. Saborosa. Enquanto eu estava somente atrás de balinhas. O estranho dos sonhos é que nada do que a gente quer é fácil de conseguir. E mesmo em um shopping enorme, teria que sair dele para conseguir o que queria. Como a noite era nossa, saímos e enquanto conversávamos, caminhamos até a outra parte do prédio, onde eu encontraria minhas balinhas.
Ao sair, nos deparamos com a encosta rochosa de uma praia. Nada característica da região, no interior do estado. A lua estava escondida, pois havia acabado de chover e a passagem estava até boa parte alagada. Pedi que Ella tivesse cuidado ao passar, e assim fomos até o outro lado, para dentro de um pequeno bosque, onde Ella me chamou:
- Elle, já que vamos para o outro lado, quero passar pela universidade e falar com meu namorado, ok?
- Claro. É caminho. Vamos nessa.

É como se eu já tivesse passado por lá com Ella, mas era a primeira vez que veria seu namorado e também que passava naquele lugar. Chegando no portão, tocamos a campainha e o portão eletrônico se abriu; era de madeira e haviam duas tochas, uma de cada lado do portão e do caminho que se abriu através dele até chegar na república da universidade. Entrando na casa, era um grande coletivo de quartos lotados, os alunos estudavam, festejavam, preparavam comida caseira e outros churrasco. Muitos assistiam televisão, outros jogavam vídeo game e havia até uma gravação para tv.
Descobri tudo isso pois quando entramos eu me perdi d'Ella, que saiu na frente para se encontrar com o amado. Enquanto a procurava, conversei com muita gente e deixei meu celular para recarregar num dos quartos.

- Ella, onde está você?
- No meu quarto. Venha aqui, Elle.
- Estava seguindo você e me perdi, me ajuda a chegar, ou vem me buscar.
- Você deve ter entrado no primeiro quarto, o caminho para o meu é o segundo. Segue o cabo do meu celular.
Ao olhar para meu celular, havia um fio enrolado nele. Fui desenrolando e andando pelos quartos onde havia passado antes, sem perder aquele fio preto, desenrolando meu carregador dele, e no final me encontrei com Ella, que estava com seu namorado, apesar de não conseguir ver seu rosto da porta. Assim que cheguei, acenei para eles e acordei.

Acordei leve e contente, pois ela estava bem. Com um sorriso no rosto, aquele sorriso que me cativou. E entendi que naquele momento, o carinho que temos tornou-se imortal! Acordei tranquilo, e feliz também, pois o encontro não acabaria ali. Havia nossa cumplicidade que não se desfará, mas agora Ella era dele. Elle estava comigo de novo, acordado de um sonho que me fez tão bem e que fará parte da minha história, de como uma despedida pode ser tão sutil e guardar tanto carinho, para sempre.

"Cannon Beach 02" by Postdlf from w. Licensed under CC BY-SA 3.0 via Wikimedia Commons

2 comentários :

  1. Nossa. Muito show de bola sua história. O legal dos sonhos eh tudo ser possível. As vezes nem queremos o impossível, apenas que o possível aconteça. Parabéns

    ResponderExcluir
  2. verdade THYMONTHY BECKER, por exemplo eu,analfabeta digital ,consigo conversar com pessoas PHD em informática.
    Mas o que eu mais sonho é ver meu filho caçula trabalhando , por que quando eu partir ele vai precisar muito dele próprio. Hoje ele está fazendo treinamento para telemarketing da claro, então meu sonho e que ele consiga vender para ser admitido.Como para mim Tudo é Possível esse meu sonho vai se tornar realidade.Um abraço.

    ResponderExcluir

Comente. Há um mar de pensamentos e você pode pescar um peixe que ninguém mais conhece. Assim são as palavras no mar do Umikizu!