Escolha uma palavra e deixe o Umikizu falar sobre isso...

domingo, 8 de março de 2015

Nu não, livre...

Ele estava nu! Nu em pelo!
Era ele e ele, sozinho, inteiro.
Estava sem roupas, sem zelo.
Estava perdido dentro de si.

Não seria sábio fazê-lo.
Mas não havia problema
Não para quem o via.
Era só uma poesia viva.

Encorpado, num corpo sem cuidados
Havia tudo que em qualquer outro tinha
Corpo de homem. Corpo pelado.
Era um corpo, mas havia mais à vista.

Aliás, não havia, e tudo estava exposto.
Não havia vergonha, não havia falsidade.
Não estava pelado, estava nu, sem medos.
Estava nu e aberto aos olhos sem pudor.

Mas que vergonha! gritou um senhor indisposto.
É uma maravilha! suspirou uma estudante.
Será uma pegadinha? Indagou uma senhorita.
Era um corpo sem embalagem por inteiro.

Parado, observou os passantes e riu-se.
Sacudiu-se todo, como se dançasse.
E em passos longos, braços no ar, girava
Passeou pelo gramado, cantarolando baixo.

Ouviu um som agudo, e o giroflex ligado,
Foi levado algemado para o primeiro DP
Julgado e condenado pela liberdade de ser.
Foi preso e morreu vestido sem seu querer.

---

Um vídeo muito legal me chamou atenção quando pesquisava para o texto. Uma montagem do Musée d'Orsay que representa algumas obras de arte com o tema do homem nu.


Masculin / Masculin - Musée d'Orsay
Filme de Titi Gonzalez Garcia e David Kammenos
Direção artística e música de Lorenzo Papace

Obras representadas:

William Adolphe Bouguereau (1825-1905)
Egalité devant la mort, 1848

Jean Jules Antoine Lecompte du Noüy (1842-1923)
Mart pour la patrie, Salão de Arte em Paris de 1892

Jacquer Louis David (1748-1825)
Académie d'homme, dite Patrocle, 1780

Hippolyte Flandrin (1809-1864)
Jeune Homme nu assis au bord de la mer, 1836

Karl Sterrer (1885-1972)
Atlas, 1910

Eugène Fredrik Jansson (1862-1915)
Epaulé-jeté à deux bras II, 1913

Eadweard Muybridge (1830-1904)
Animal Locomotion. PI. 347, 1887

Paul Cadmus (1904-1999)
Le bain, 1951

Kehnide Wiley (1977)
Etude pour La Mort d'Abel, 2008

Henri Camille Danger (1857-1939)
Fléau!, 1901

Pierre et Gilles (1959 e 1953, respectivamente)
Mercure (enzo Junior), 2001

Jean-Baptiste Frédéric Desmarais (1756-1813)
Le Berger Pàris, 1787

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Comente. Há um mar de pensamentos e você pode pescar um peixe que ninguém mais conhece. Assim são as palavras no mar do Umikizu!