Escolha uma palavra e deixe o Umikizu falar sobre isso...

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Dalí - Autorretrato e Autobiografia...

Foto e Dalí da minha amiga Angie Lucena
Tive a oportunidade de visitar a exposição no Instituto Tomie Ohtake das obras do fabuloso artista catalão Salvador Dalí! Infelizmente foi uma exposição muito pequenina, apesar do espaço para exposição ser enorme, acredito que eles não puderam trazer muitas das obras de Dalí para cá, mesmo assim algumas me impressionaram bastante. A genialidade do artista aliada a sua habilidade e precisão nos desenhos traz vida às obras, além das cores e formas completarem perfeitamente para esse fim. A beleza plástica das obras ao vivo é impressionante. As cores brilham, e mesmo você tendo completa certeza de que o quadro é plano, chapado, aos olhos os detalhes saltam e parecem sair da moldura.

Literalmente impressionantes, o trabalho plástico de Dalí é único e brilhante, cores, formas e, claro, a surrealidade tão singular, não consigo dizer em palavras as mensagens que passam, mas o que as obras dele me trazem além de uma visão crítica fortíssima é também um apelo à liberdade. Afinal de contas, o que pode ser mais livre que uma mente que visualiza diversas formas e possibilidades que não passam pela cabeça de milhões de pessoas? Dalí te leva para outra realidade, onde você está livre para brincar com suas estranhezas e experimentar novos moldes de si mesmo. Libertar a mente e visualizar outro tipo de matéria, outras possibilidades, onde nada é estranho ou errado.

E uma das coisas que muito me surpreendeu foi que muitos dos seus quadros são pequenos, como "El espectro del sex-appeal" que foi pintado em 1934, um quadro de 17,9 x 13,9cm. Menor que uma folha A4, mas que mesmo assim possui traços e detalhes incríveis, que possibilitam a ampliação digital como se fosse uma película de fotografia. Essa obra me impressionou bastante e foi pintada à óleo sobre madeira! Não existe paralelo para as habilidades e genialidade de Salvador Dalí.
E tenho que ressaltar, não há nenhuma foto ou representação capaz de ser fiel ao retratar os trabalhos dele. Podem pegar o geral, as cores certas ou até mesmo as sombras, mas nada se compara a ver uma dessa obras pessoalmente. Como no caso de "Idilio atómico y uránico melancólico", eu não pude encontrar uma só imagem em toda internet que pudesse retratar o que este quadro me passou. Foi minha obra preferida.

Outra coisa que me chamou muita atenção foram suas fotografias e performances, que provam mais uma vez que Dalí foi um artista de muita visão, que por ter uma elaboração completa e profunda de suas obras, vai além das meras expectativas da arte. E para tal, temos vários exemplos que deixo para que vocês mesmos vejam:



Uma parte da exposição foi focada somente em seus trabalhos de fotografia, ele era realmente excêntrico e inteligente, mostrava isso com seus bigodes e com as infinitas possibilidades que eles tinham em suas obras. Outra parte foi dedicada às ilustrações que ele fez para algumas das mais clássicas obras da literatura como Dom Quixote de la Mancha, Fausto e Alice no País das Maravilhas.

Foi uma exposição linda, apesar de curta, que me abriu os olhos para o fascínio das obras de Salvador Dalí e me mostrou que não há nada melhor que apreciar as obras originais e pessoalmente dos artistas, ou sempre estaremos perdendo os melhores e menores detalhes e curiosidades.

E falando em curiosidades, havia uma instalação do trabalho da própria Tomie Ohtake que me chamou bastante atenção e também dos outros visitantes. Fui pesquisar e essa foi a primeira instalação da artista.
Eram 3 aros que balançavam em equilíbrio e desequilíbrio, mas a instalação original tinha 12 aros de ferro pintados de branco e que segundo a artista, trazem leveza: "As pessoas movimentam os aros, entende? São pequenas sensações". Fica um vídeo de como o povo estava se divertindo com a obra.

E por hoje é só sobre arte. Aguarde os próximos posts! `^^´

2 comentários :

  1. Bem legal, a exposição e a cara nova do Blog. Parabéns, Allan.

    ResponderExcluir
  2. Ahhhh...Fiquei morrendo de invejinha aqui. Adoro exposições! A última que fui foi a do Escher: http://www.mcescher.com/
    Alguns trabalhos foram trazidos por uma curta temporada aqui no ES.

    ResponderExcluir

Comente. Há um mar de pensamentos e você pode pescar um peixe que ninguém mais conhece. Assim são as palavras no mar do Umikizu!