Escolha uma palavra e deixe o Umikizu falar sobre isso...

domingo, 31 de agosto de 2014

Ca.fé não costuma faiá...

Café não costuma faiá!
Andá cá fé eu vou...
Café não costuma faiá!

Bom dia e ótima semana!
Com música boa, com fé e com objetivos!
E "objetivar" será o tema dos próximos dias.
Então olho vivo e bora planejar antes de bater a cabeça por aí.

Andá café eu vou...
que a Fé não costuma faiá!

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Crônicas do Guardião #6: Efêmeros...

Por muito tempo tive que pensar e refletir sobre a razão pela qual retomei uma vida mortal depois de tanto tempo vivendo entre os imortais. Pois que era para entender a urgência que acomete ambas as vidas, mortais e imortais. E a efemeridade de ser mortal, que se completa com o final daquela existência, exaltando seus feitos e suas vitórias, a remissão de todos os erros e defeitos. Já para os imortais, existe a eterna necessidade de ser, a responsabilidade pelo que se é e se faz, pois a morte não se permite para o perdão do que fazemos, portanto vitórias e defeitos assombram os imortais eternamente.

Contudo, a existência imortal não é do conhecimento mortal deste plano, pois tudo que se sabe sobre a imortalidade são contos de fadas, dos mais sangrentos, tática humana para doutrinar os jovens e acalentar os velhos. Futilidades, como tudo que costumam fazer com o pouquíssimo tempo que tem em vida. Cada um lutando bravamente contra o relógio e o calendário, imaginando que o Tempo é só isso. E acreditando que se sua existência é curta, deve ser memorável! Mas eles próprios não tem boa memória, esquecendo o que realmente importa, trocando por algo que passa ainda mais cedo que seu tempo de vida.

Tudo na vida humana é muito rápido, inclusive seus sentimentos e pensamentos, tudo tem de acontecer em velocidade máxima, para que possam aproveitar e aprender muitas coisas em sua existência, porém pouquíssimos aproveitam ao máximo a vida que tem, pois a velocidade os impede de observar a beleza de cada momento e cada pessoa. Em especial esquecem-se de dar valor às pessoas e preferem dar atenção ao que passa mais rápido que eles, as novidades e os projetos, pois as pessoas vivem tanto quanto podem e as novidades e oportunidades morrem bem mais cedo. Quanto mais curta a vida útil, mais e mais interessante para os mortais, mas perdem o intereresse em algo tão rápido quanto ganham. Talvez seja alguma compensação, que nas mentes mortais possa fazer algum sentido. Algo como: "eu vou morrer, mas aquele objeto vai antes de mim."

Isso também acontece com os animais de estimação, que eles querem como companheiros, mas não passam de objetos. É triste ver a realidade mortal, entende?
Mas há muitos pontos positivos, como a capacidade que tem, a força de vontade com que lutam pelo que querem e a felicidade e leveza com que são capazes de viver, sem o peso da imortalidade, eles são livres para experimentação e sabem que tanto as falhas quanto os acertos serão apagados pela senhora Morte, e que no final das contas abraçarão o destino em paz de espírito. Uma paz que não tarda e é certa de chegar.

domingo, 17 de agosto de 2014

A porta aberta...

Exatamente, eu estou pronto, desejoso e corajoso para enfrentar essa jornada fantástica que é amar.
Ainda mais depois de tudo que passei, é mais certo que estou preparado para encontrar-me com a felicidade de estar lado a lado de alguém.

Precisa ser real, nada de perfeição ou preferências. As extremidades ou o lado externo não vai fazer muita diferença, o que me importa é a presença ser intensa, completa e repleta de boas energias. Me interessa que o papo seja bom, que a falta seja sentida e que cada momento junto seja uma nova alegria, que tenha novidade e que a rotina seja apreciada, gostosa e preguiçosa numa rede de solteiro. E claro, nos momentos ainda mais apertadinhos, que haja calor, paixão, sabores e desejos, que aconteçam descobertas inesperadas e prazerosas. Aquele frio na barriga, uma emoção fluida de cumplicidade e simples de fidelidade.

Haverá também, com o passar do tempo e do sucesso, uma grande casa onde caibam todas as vontades, onde há uma base para realização dos sonhos e que seja um porto seguro para onde se possa voltar. Naquele lugar haverá de tudo, haverá também espaço para o respeito da individualidade e das características pessoais, da prática de si mesmo, para que o plural exista sem pesar. Para que esse lugar seja então chamado de lar.

O que eu sei é que haverá alegrias e prazeres de montão, muitos desafios também, mas tudo sempre é resolvido com paciência e empatia singulares, preliminares à felicidade. Esse momento é essencial, o abrir as portas e deixar a oportunidade certa entrar, sem limites mas com justiça e saúde de critérios. Muita saúde! E só um critério: ser feliz!

sábado, 16 de agosto de 2014

Gratidão em soneto...

Grato à Vida!
Mestra querida!
Agradeço de coração!
Por mais um dia de ação!

Rimas rápidas e pequeninas,
Pelo dia que me ilumina,
Pela tarde que me cativa
E pela noite que me anima!

É na hora mais ferina
Que as coisas acontecem
Em plenitude tudo se determina

É na adversidade que encontramos
Dentro de um baú sem fim
Tudo que realmente precisamos!

Boa noite!
Boa sorte!

domingo, 10 de agosto de 2014

Looks like a memorie...

I cannot love you by your looks. I will only love you for who you are.
I can desire you by your looks, but it will be just a little while...
Once your looks are done, my desire won't hold you near.
Once my love is found, you are nothing but a memorie...


Eu não posso te amar pela sua aparência. Eu só vou te amar por quem você é.
Eu posso te desejar pela sua aparência, mas isso será por pouco tempo...
Assim que sua beleza acabar, meu desejo não vai te manter por perto.
Assim que eu encontrar meu amor, você não será nada senão uma lembrança...

Indicação: Cheiro de Tinta, Wigvan...

Bom dia pessoal!
Hoje venho trazer um pouco de cultura, responsabilidade social e um trabalho maravilhoso do escritor Wigvan Pereira, que além de tocar nos assuntos mais polêmicos sem pesar, faz isso com sensibilidade e muito carinho. Esse é o resumo de tudo que ele escreve, uma conversa frente à frente e olhando nos olhos com cuidado ao dizer cada palavra.

Para maiores informações sobre o E-book acesse o site Cheiro de Tinta, que tem até uma trilha sonora de arrepiar para acompanhar a obra, além de comentários, detalhes sobre o autor, obra e fotos bem legais.
E para os que se interessaram, a renda do E-book vai ser revertida para o projeto social SalvaCão então entre aqui para COMPRAR O LIVRO!

Sinopse:
A população da Rua G se divide em três grupos: uma única família que tem um salão anexo à garagem, as outras casas todas habitadas por mulheres e os homens que visitam as casas das mulheres de madrugada ou o salão durante as tardes.

A geografia daquela rua é composta por calçadas onde as mulheres, quase todas jovens, conversam em seus momentos de folga, um terreno baldio onde vez ou outra aparece um bebê não querido e uma casa quase sempre inabitada.

A única criança que mora ali, um menino, transita por todos esses espaços - calçada, salão e terreno baldio - acompanhado de seu coelho.

Também passa a frequentar a casa de Célia quando ela volta do estrangeiro. Visita constante para ouvir música e ler revista de novela, o menino acaba por descobrir, entre as frestas, que Seu Gaspar, marido de Célia, esconde um segredo.

Um episódio envolvendo Dylan, o cachorro que para Célia e Seu Gaspar é um filho, e Algodão, o coelho do menino, traz à tona o racismo e a intolerância que até então todos extravasavam apenas em rabiscos na parede da frente da casa dos vizinhos indesejados.


Crônicas do Guardião #5: Sentidos...

Landscape at Fontainebleau Forest
Arte de Abbott Handerson Thayer
Depois de quase 3 anos sem ter notícias, contato ou mesmo de ter estado no onírico, hoje ele sentiu seu corpo arrepiar daquele jeito peculiar e gostoso quando abriu o chuveiro. A água trouxe sensações a muito esquecidas, vividas a muito mais tempo, mas que estavam de novo palpáveis e reais, abrindo um portal para suas sensações mais excitantes.
Treinado e preparado para aquele momento, ao sair do banho refrescante naquela manhã de primavera, caminhou até a janela ainda molhado e completamente nu, olhou para o mais longe que seus olhos poderiam alcançar e vibrou constatando que sua visão estava também relembrando como é que devem funcionar.
Secou-se devagar, examinando cada parte do corpo, sentindo seus braços mais volumosos e tonificados em resultado do trabalho duro de carregar caixas em seu novo trabalho, o peito também estava mais forte e sua cintura muito mais fina. As pernas que sempre foram torneadas devido a prática de caminhar muito, estavam mais tonificadas e resistentes.

Vestiu-se e saiu para caminhar, sentindo o cheiro da natureza abundante ao seu redor de uma nova maneira, como se estivesse revivendo, uma nostalgia alegre que fazia seus passos acelerarem, e ir aumentando a velocidade até que ele estivesse correndo pelo bosque, cheio de vida e energia, ao contrário do que sentia nos últimos meses. Percebeu que não estava só nessa corrida de reconhecimento, e percebeu que seus companheiros de outras vidas e de outros mundos estavam tão ansiosos quanto ele para esse dia, mesmo sabendo que essa alegria de voltar ao pleno usufruto de seus sentidos e habilidades significavam problemas porvir. Mas pelo dia de hoje aproveitaram todas as alegrias de reunir os amigos em volta de uma fogueira, conversar sobre as novidades e comemorar uma vitória que será certa!

Ao final do dia, ele voltou para casa sozinho, enviou uma mensagem para quem quer que tivesse sentido sua falta durante a ausência e depois de uma ducha deitou-se na cama e dormiu rapidamente, pois em seus sonhos, ele iria continuar sua jornada, trilhando caminhos desafiadores e perigosos, fazendo jus à sua reputação de Guardião de Aeon, feliz em estar novamente em ação.

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Procura-te...

E que só passem os anos...
Busque-se no mar de memórias que passadas com o tempo, amareladas e rosas te mostrem quem você realmente é. Olhe com atenção, com auxilio de uma lupa para todos os detalhes desfocados das fotos antigas e desgastadas, que guardam como você foi feliz. Mostre pra todo mundo aquele álbum de fotografias da infância, onde só cabiam sorrisos, desejos e sonhos, coloridos com canetinha em papel sulfite ou em folhas de rascunho.

Lembre-se dos momentos que fogem da memória, como também as vitórias de todo dia nas brincadeiras na rua, com os amigos da vizinhança ou mesmo com o pessoal da escola. Esconde-esconde, pega-pega, "Stop" e tantas outras. Quem aqui nunca brincou de pera-uva-maçã-salada-mista, hein? Que delícia...

Então vai pra esses lugares onde você é feliz sem preço, onde você sorria de orelha à orelha sem nenhuma necessidade de tecnologia, fama, ego ou bens materiais, em que a bola era improvisada, mas a alegria era autêntica e todas as ocasiões eram de brincadeira e alegria.

Volte para a nostalgia...
Procure-te criança, encontra-te com quem ainda mora dentro de ti.
Quem sabe, no presente, ele te ensine a ser verdadeiramente feliz?

terça-feira, 5 de agosto de 2014

Das possibilidades de amar...

É possível?
Chegando em casa, deixo as chaves do carro na estante, tomo um copo de água e caio pesadamente no colchão. Mãos na cabeça e a luz do Sol ardendo nos olhos. Por todo o caminho eu ainda podia sentir sua presença no carro, que me fazia tanta falta, por quê eu não te levei pra qualquer outro lugar junto comigo? Sua falta é uma companhia muito desagradável, silenciosa e fria. Minha mente queima mais que meus olhos, então fico ali, estatelado sem nenhuma vontade de me mexer.

Eu sabia que era uma má ideia me envolver, nós dois estamos machucados, mas você bem mais. Pessoas machucadas não percebem o quanto podem machucar os outros, e eu não quero mais me machucar pelo sentimento que tenho. Muito menos, quero machucar ninguém. Ironicamente, se nos afastarmos agora, os dois já sairão muito machucados. É triste, que dilema lazarento, que me perturba já há algum tempo.

Se estivéssemos em condições menos críticas, ou se estivéssemos bem, poderíamos ter alguma coisa juntos? Somos tão diferentes e ao mesmo tempo tão compatíveis, o papo rola solto, e como sempre se eu pudesse me perderia no tempo de te ouvir infinitamente, pois o simples fato de estar próximo de ti já me deixa feliz. Essa é a ponta do iceberg, aquela que assusta quando vemos fora da água e que afunda os navios porque há muito mais lá dentro de um mar de emoções.

Sei bem que sou uma boa pessoa para você e estou disposto a tentar, mas não posso dizer o mesmo de você. Não me decepcionou em nenhum momento e pelo seu comportamento não acredito que isso possa acontecer com facilidade. Eu já pensei isso antes de alguém. Eu estava errado. Dizer que você é diferente é muito mais que cliché, é ridículo! Todos são diferentes, porém ninguém se mostrou disposto a deixar isso mais claro e real.

Talvez dessa vez, pela primeira vez, eu tenha sorte. Aquela sorte de um amor tranquilo, regado de bom papo, uma boa relação com respeito e carinho. Talvez dessa vez você fique do meu lado, para variar. Talvez dessa vez, pela sua própria vontade, haja um final feliz. Eu não sei, e mesmo acreditando sempre que sim, pode ser que dessa vez torne-se um bom começo...

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Ensolarando-se...

Damião Martins - Colheita de Girassóis
Recuperar-se, purificar, reencontrar-se, recomeçar.
E assim começa um novo dia a clarear.
Atentos ao leste, vem o Sol à brilhar.
Crescendo e pintando o céu devagar.

As flores vem para colorir e ajudar.
Vermelho, amarelo, rosa e lilás,
na água o azul e o branco a prestigiar.
Pureza e beleza complementando o lar.

Tudo isso na casa, ao som de poesia.
E surge devagar nova melodia.
Que nos leva de volta, que nostalgia!

Primavera que vem alegrar novo dia.
Numa linda dança de amor e magia.
Novo ciclo começa, em plena alegria.