Escolha uma palavra e deixe o Umikizu falar sobre isso...

terça-feira, 25 de março de 2014

Ser amor sem ser amado...

De uma conversa, uma vivência, um problema e sem nenhuma solução... por enquanto!

"Eu me apaixonei muitas vezes, e todas as vezes, eu era quem me apaixonava.
Sozinho."

Não era novidade. Quem tem amor demais pra dar, não tem tempo para lembrar que também precisa receber. E só percebe isso quando o amor que tem pra dar começa a voltar pelo correio eletrônico. Mensagem errada, pois o destinatário mudou de amor, para outro que o cuida melhor, mais ativo que palavras bonitas, mais feliz que o carinho sozinho de um pobre coitado que entende só de amor.

Muitas vezes se sentia muito culpado, mas realmente era, por uma coisa ou por outra. Não sabia que o seu valor estava baixo no mercado, já que muito fazia para os outros e nada por si próprio, o que diminuía sua autoestima, seu ego, sua vida, sua felicidade, diminuía e comia-lhe as entranhas com tantas dúvidas, que não via o que realmente acontecia.

A felicidade e a esperança porém nunca o deixaram. Imagine só, passar por tudo isso de olhos fechados, é uma responsabilidade e tanto. Os olhares de fora, piedosos e caridosos nada faziam. Poderiam fazer alguma coisa? O normal é que quem está cego não encontre nenhuma verdade que não seja a sua, e os alertas dos passantes eram somente uma pontada de desesperança, logo dominada e jogada fora.

"Se aconteceu assim com os outros, comigo será diferente!"

Doce ilusão de quem ama, esperar, e a espera também é carente, não quer desapegar dos que no seu colo se guarnecem. Começa então uma relação destrutiva. Parece o céu, mas as aparências enganam mais que cobras. As víboras hipnotizam para se alimentar, acabam com a sina terrível numa só mordida venenosa. Porém a ilusão criada pelas aparências é um tecido delicado, colocado à frente da realidade. Tão bonito, tão macio, que proporciona tanta alegria, nada pode tocá-lo, um pequeno rasgo naquele cenário maravilhoso imediatamente transforma sua paz em raiva e ódio!
"Costure! Conserte minha ilusão e tudo estará bem, ou senão...! Agora, saia daqui! Vou voltar ao meu faz-de-conta tão perfeito, tão bonito que parece sonho!"

O sonho para se tornar realidade é a destruição do que não somos de verdade. A realidade pode doer bem mais que o sonho, onde a gente sangra e a gente se cura, no tempo que tiver que ser. No sonho a dor é de mentirinha, acaba rápido e sem deixar marcas, sem cicatrizar.
Quando o tecido cai, revela sua real situação, no corpo as feridas são vivas, carne e sangue lhe cobrem sem nenhum pudor, é feio de se ver, e você clama: "Cura-me ilusão!"

Ela vira as costas, mostra as garras e lhe diz sem piedade: "Você quem quis passar por esse sonho infeliz, solitário, para que não mais doesse, para que se deixasse inteiro, mesmo que em frangalhos". Vai embora e te deixa chorar, te deixa gritar por ajuda que não vem, senão quando você percebe que ainda está com os olhos fechados. Abra os olhos, e veja quem realmente está à sua volta.

"E foi assim que o encontrei. Tremendo de frio, chorando baixinho.
Escondido no quarto onde se fechou sem saber porque."

"Abra os olhos, menino." Pronto, está sendo bem cuidado, suas feridas não são tão graves, aguarde pois o tempo é seu bom amigo, agora que não está mais sozinho. Estamos junto de você.
Quem é seu anjo da guarda, meu menino? Ele ouviu seu lamento e te levou para fora desse sonho triste, onde nada era real, onde seu amor só alimentava os que vivem de migalhas. Pode levantar, chegou a hora de dar os primeiros passos para a luz de um novo dia. É verão, vamos ver as árvores altas no jardim, conversar sobre o mundo, sobre bobagens.. Sorria.

E ele saiu da cama, acordado do sonho ruim, ferido, porém cuidado pelos que realmente o amavam. Andou pelo jardim e encontrou ali uma alegria que não sabia mais poder sentir. Sentiu no raio de sol, acompanhado de seu cuidador, o calor de sua esperança verdadeira reacender a chama de sentir-se vivo, pela primeira vez, desde que saiu do transe que é ser amor sem ser amado.

Jacek Yerka - Krysia's Gardens

Um comentário :

  1. Oi, Allan!
    Quem é muito mimado está entretido com o excesso de zelo e acaba por perder a noção de que também precisa dar carinho. Somos educados errados quando nos dizem que é dando amor que se recebe? Precisamos encontrar o equilíbrio e parar antes de nos sentirmos explorados.
    Bela crônica! Para pensar...
    Beijus,

    ResponderExcluir

Comente. Há um mar de pensamentos e você pode pescar um peixe que ninguém mais conhece. Assim são as palavras no mar do Umikizu!