Escolha uma palavra e deixe o Umikizu falar sobre isso...

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Pra sempre!

Não gosto de me descuidar. Nem de descuidar.
Se magoa não presta.
Se destrói, não deveria existir.
Ou oblitera, ou deixa viver.
Pra sempre!


terça-feira, 26 de novembro de 2013

Instrução vs Educação...

Em uma discussão por esses dias fui desafiado a entender sobre instrução e educação, a relação entre as duas e suas implicações.
Bem, é simples distinguir e muito fácil confundir!
Não é porque o sujeito é bem educado que ele é instruído.
Não é porque é instruído que necessariamente teve boa educação.
Na verdade para entender isso melhor, acredito que outros fatores deveriam ser aplicados, mas como não quero complicar ainda mais as coisas aqui, vou deixar o dicionário confundir vocês:

Educação - e.du.ca.ção
sf (lat educatione)
1 Ato ou efeito de educar.
2 Aperfeiçoamento das faculdades físicas intelectuais e morais do ser humano; disciplinamento, instrução, ensino.
3 Processo pelo qual uma função se desenvolve e se aperfeiçoa pelo próprio exercício: Educação musical, profissional etc.
4 Formação consciente das novas gerações segundo os ideais de cultura de cada povo.
5 Civilidade.
6 Delicadeza.
7 Cortesia.
8 Arte de ensinar e adestrar os animais domésticos para os serviços que deles se exigem.
9 Arte de cultivar as plantas para se auferirem delas bons resultados.
E. física: a que consiste em formar hábitos e atitudes que promovam o desenvolvimento harmonioso do corpo humano, mediante instrução sobre higiene corporal e mental e mediante vários e sistemáticos exercícios, esportes e jogos.

Instrução - ins.tru.ção
sf (lat instructione)
1 Ação de instruir.
2 Ensino, lição, preceito instrutivo.
3 Explicação ou esclarecimentos dados para uso especial.
4 Educação intelectual.
5 Conhecimentos adquiridos; saber.
6 Dir Conjunto das formalidades e informações necessárias para elucidar uma causa e pô-la em estado de ser julgada.
sf pl 1 Informações fornecidas com determinada finalidade.
I. primária: conjunto de noções rudimentares do saber humano. 
I. pública: a que se dá nas escolas públicas a expensas do Estado. 
I. secundária: conjunto das disciplinas que se ensinam depois da instrução primária, e que habilitam o estudante para a instrução superior. 
I. superior: a ministrada nas universidades e escolas científicas.

Como podemos ver pelas definições, uma engloba a outra, em vários momentos, então como diferenciar, não é?
Posso até estar errado, mas eu simplificaria isso dessa forma:

Educação: Ato ou efeito de educar através do aperfeiçoamento das faculdades físicas intelectuais e morais do ser humano; processo pelo qual uma função se desenvolve e se aperfeiçoa pelo próprio exercício consciente das novas gerações segundo os ideais de cultura de cada povo.

Instrução: Ação de instruir através da explicação ou esclarecimentos dados para uso especial.
Informações fornecidas com determinada finalidade ou conjunto das formalidades e informações necessárias para elucidar uma causa e pô-la em estado de ser julgada.
Conhecimentos adquiridos; saber.

Para educar, ensinamos conhecimentos necessários para que as pessoas possam ser autossuficientes e produtivas, por isso vamos à escola e aprendemos português, matemática, história, geografia, filosofia, ciências, etc.
E também educamos nossos filhos, nossos amigos, para uma boa conduta. Mas essa educação não seria completa sem a instrução de como usar esses conhecimentos.
A instrução é modus operandi dos conhecimentos adquiridos em toda nossa vida, inclusive na educação, necessário para a educação acontecer, mas algumas vezes incompleto durante a educação.
Posso ter conhecimentos sobre as estrelas e sobre o céu, porém se não tiver instrução sobre o que fazer com esse conhecimento, ele é simplesmente uma teoria, não coloco em prática, é inútil a não ser pelo saber, e muita gente está simplesmente contente com o saber.

Ninguém conhece o modus operandi do ser humano, pois nossa máquina foi criada por alguém, algo, uma divindade, que não deixou manual de instruções acompanhando. Por isso não temos as instruções de uso, de educação, de funcionamento, de soluções de problemas, nem um SAC para reclamar! Como temos com máquinas, com coisas, com tudo que não é biológico e criado pelo homem.
Mas essa é exatamente a forma pura de educação, podemos fazer tudo que quisermos e temos todo o infinito de possibilidades, tanto para ensinar como também para aprender, portanto conhecer.

Por tanto, quando educar, ensinar ou criar, instrua!
A instrução é o que nos faz saber o que estamos fazendo, como fazemos, porque fazemos e onde podemos ou não chegar, e também os limites, de até onde podemos chegar, até onde e o que devemos ou não fazer.
E para instruir temos que saber, portanto ser educados nesse sentido. Os dois caminham juntos, é necessário que assim seja, para que funcione efetivamente e possamos acumular conhecimento e aprendizado para então ensinar e crescer intelectualmente e humanamente.

E se você desse uma chance para ser diferente?

Algumas vezes, inexplicavelmente, um amigo te manda um texto e no final, você só pode agradecer, primeiro ao seu amigo pelo belo texto, depois ao Universo, pela sincronicidade.
E então você começa a ver mais e mais sinais. É uma dádiva de vez em quando, quando o seu futuro te dá dicas sobre os caminhos que você não sabia por onde ir, por onde passar, para chegar ao seu objetivo sonhado.
E que sonho quando é assim, tão forte a ritualidade dos fatos do cotidiano, pura e simplesmente porque você decidiu mudar sua forma de pensar.

Dando uma chance a si mesmo, para aproveitar aquele momento, mesmo que ele seja um pouco massante, exaustivo e até mesmo cruel de vez em quando, mas que são passos para o seu sonho tornar-se realidade. Então você enfrenta aquilo como se fosse somente uma outra ocasião do dia-a-dia e passa a aproveitar mais os bons momentos que mesmo aquela chatice pode te proporcionar.
E meu caro, tudo muda!

Agora me diga, vai dar uma chance para surpreender-se com seu destino? Começando, por exemplo, com deixar que ele seja sutil e benfeitor ao ser mais importante do mundo para você?

O ano começa a se fazer mais dramático com o fim, mas nem tudo tem que ser assim.
Em alguns momentos a corda parecerá estar no nosso pescoço, mas é só para mostrar que você tem um pescoço, então aproveite e faça amizade com o laço, daí ele vai estourar, em uma revoada de borboletas coloridas, que ao invés de te matar, vão te fazer rir com cócegas quando partirem.
Entende?

Vamos rir e chorar o que a gente tiver que rir e chorar e deixar que as coisas aconteçam.
O importante será não se deixar abater, e seguir em frente.
Avante e adiante!

sábado, 23 de novembro de 2013

Essa simples existência...


As vezes não entendo como um livro, uma vidas descrita em palavras e capítulos, pode mexer tanto com a gente. Principalmente quando é ficção. Afinal de contas, são histórias que alguém inventou.
Acho que esse é o poder do que é inventado, surpreender as pessoas. E por isso é tão importante que a gente seja criativo e, portanto, criadores.

Bem, mas voltando ao assunto, mesmo que essas histórias sejam baseadas em acontecimentos reais, e eu acredito sempre que são de uma forma ou de outra, são tocantes e gostosas demais para mim.
Algumas vezes me identifico demais com os personagens, pessoas que são tão completamente diferentes de mim, estranhas, grosseiras, desleixadas, frescas, fortes, mas que me encantam e fazem com que eu torça por elas. É uma empatia quase momentânea, e a cada página que eu viro, gosto mais, passo a página e me encanto, viro a página e me derreto com aquele ser imaginário, que agora faz parte dos meus amigos íntimos.
Intimidade é pouco, eu sei tudo sobre suas vidas e eles nunca me cobram pela atenção que lhes dou, nem eu preciso pedir para que dividam seus momentos comigo. Muitos, risos, lágrimas, dificuldades, cada passo que dão! É bem rico.

No fim, fica aquele sentimento de completude, eu sei que poderei vê-lo de novo, sei que ele caminha comigo e todas as lições que eu aprendi com ele acompanham minhas decisões para sempre. Mesmo ele nem sabendo quem eu sou.
Acho que por isso na vida real não exijo nada dos meus amigos e companheiros de jornada.
Quem sabe também seja essa a razão da minha empatia imediata com as pessoas que não conheço, consigo me doar inteiramente sem necessariamente abrir nenhuma página do meu livro. Não sem que alguém me peça, não vou jogar meu livro da vida na cara de ninguém, não me faz jus.

Pouca gente se interessa pelo meu livro, acho que muitas vezes é minha capa que não chama tanto a atenção. Isso é bem normal. Não sei dizer como me sinto por isso acontecer.
Só sei que tenho uma história bem interessante para contar.
Pois além da minha capa simples de couro com pequenas letras douradas, há muita luz e sombras e sentimentos sem fim!
Há um personagem de ficção real, vivendo nesse mundo que também é uma história, que é contada e recontada por todos os autores de cada vida e tantas vezes transformada em versos, contos, livros, seja de história ou seja de ficção, todos reais.

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Descalçar...

Descalçar é preciso!
Anda, da um tempo desse chinelo.
Sai de casa, vai pro mato,
Descansa desse sapato de salto alto.

É muito tempo no artifício do moderno
Desfaz esse muro de couro que prende teu sangue
Pisa na terra, deixa ela limpar a alma cansada.
Pisa no chão de barro, na grama, no asfalto.

Queima o que te deixa sem jeito, 
Expulsa os males e também os maus sujeitos
Que vivem fazendo de tu o que não é direito
E para de esbravejar por aí sem efeito nenhum.

Briga com o mundo não, solta o cadarço
Deixa a sola do pé pisar de verdade
Onde o calo não aperta mais,
E onde o coração é livre pra dançar.

Descansar...

Voltar a sonhar...

Sonhos não nascem da noite para o dia
É uma caminhada interna que não para
Perante uma bela estrada
Que a vida deixa limpinha e
Nas horas a gente repara
A difícil temporada que é sonhar

Começa com muitas flores
A esperança é sua melhor aliada
Ainda que seja uma bela piada
Dali descobrimos destinos
Buscamos jeitos, trejeitos
Para uma realização final

Parando para analisar
Não é nenhum mar de rosas.
A vida não passa rasteira,
Mas o sonho é uma mula arriada
Empaca na primeira lombada
E só levanta se a gente enfrenta.

É hora de fazer as malas
Ir pra longe aprender a viver
Fazer as escolhas, movendo moinhos
Perder a vergonha, dizer bobagem
Fazer novela e deixar o decreto:
Meu sonho é vivo e agora é hora!

Quando você entende de tudo, mas
Não encontrava nada pra reforçar
Voltava pra casa para reestruturar
Onde tudo começa, e onde vai terminar
É sua vida que chama, de volta ao lar
Fazendo festança, depois de tanto andar

Traz de volta o menino sem jeito
Faz ele voltar pro peito do pai
Festeja a saudade, manda ela sentar
E o sucesso presente daquele guri
Faz logo poeira no quintal de manhã
E é hora de ir, voltar a sonhar...

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Rei Artur sobre o Amor...

Rei Artur - Charles Ernest Butler
1902 - óleo sobre tela
"Talvez seja tão simples, tolo e natural que você nunca tenha parado para pensar: aprenda a fazer bonito o seu amor. Ou fazer o seu amor ser ou ficar bonito. Aprenda, apenas, a tão difícil arte de amar bonito. Gostar é tão fácil que ninguém aceita aprender.

Tenho visto muito amor por aí, Amores mesmo, bravios, gigantescos, descomunais, profundos, sinceros, cheios de entrega, doação e dádiva,mas esbarram na dificuldade de se tornar bonito. Apenas isso: bonitos,belos ou embelezados, tratados com carinho, cuidado e atenção. Amores levados com arte e ternura de mãos jardineiras.

Aí esses amores que são verdadeiros, eternos e descomunais de repente se percebeu ameaçados apenas e tão somente porque não sabem ser bonitos: cobram; exigem; rotinizam; descuidam; reclamam; deixam de compreender;necessitam mais do que oferecem; precisam mais do que atendem; enchem-se de razões. Sim, de razões. Ter razão é o maior perigo no amor.
Quem tem razão sempre se sente no direito (e o tem) de reinvindicar, de exigir justiça, equidade, equiparação, sem atinar que o que está sem razão talvez passe por um momento de sua vida no qual não possa ter razão. Nem queira. Ter razão é um perigo: em geral enfeia o amor, pois é invocado com justiça mas na hora errada. Amar bonito é saber a hora de ter razão.

Ponha a mão na consciência. Você tem certeza que está fazendo o seu amor bonito?
De que está tirando do gesto, da ação, da reação, do olhar, da saudade, da alegria do encontro, da dor do desencontro, a maior beleza possível? Talvez não. Cheio ou cheia de razões, você espera do amor apenas aquilo que é exigido por suas partes necessitadas, quando talvez dele devesse pouco esperar, para valorizar melhor tudo de bom que de vez em quando ele pode trazer.
Quem espera mais do que isso sofre, e sofrendo deixa de amar bonito. Sofrendo, deixa de ser alegre, igual criança.E sem soltar a criança, nenhum amor é bonito.

Não tema o romantismo. Derrube as cercas da opinião alheia. Faça coroas de margaridas e enfeite a cabeça de quem você ama. Saia cantando e olhe alegre.
Recomendam-se: encabulamentos; ser pego em flagrante gostando; não se cansar de olhar, e olhar; não atrapalhar a convivência com teorizações; adiar sempre, se possível com beijos, “aquela conversa importante que precisamos ter”, arquivar se possível, as reclamações pela pouca atenção recebida. Para quem ama toda atenção é sempre pouca. Quem ama feio não sabe que pouca atenção pode ser toda atenção possível.Quem ama bonito não gasta o tempo dessa atenção cobrando a que deixou de ter.

Não teorize sobre o amor (deixe isso para nós, pobres escritores que vemos a vida como criança de nariz encostado na vitrine, cheia de brinquedos dos nossos sonhos) não teorize sobre o amor, ame. Siga o destino dos sentimentos aqui e agora.

Não tenha mêdo exatamente de tudo o que você teme, como: a sinceridade;não dar certo; depois vir a sofrer (sofrerá de qualquer jeito); abrir o coração;contar a verdade do tamanho do amor que sente.
Jogue pro alto todas as jogadas, estratagemas, golpes, espertezas, atitudes sabidamente eficazes (não é sábio ser sabido): seja apenas você no auge de sua emoção e carência, exatamente aquele você que a vida impede de ser. Seja você cantando desafinado, mas todas as manhãs. Falando besteiras, mas criando sempre. Gaguejando flores. Sentindo o coração bater como no tempo
do Natal infantil. Revivendo os carinhos que instruiu em criança. Sem mêdo de dizer, eu quero, eu gosto, eu estou com vontade.

Talvez aí você consiga fazer o seu amor bonito, ou fazer bonito o seu amor,ou bonitar fazendo seu amor, ou amar fazendo o seu amor bonito(a ordem das frases não altera o produto), sempre que ele seja a mais verdadeira expressão de tudo o que você é e nunca, deixaram, conseguiu, soube, pôde, foi possível, ser.

Se o amor existe, seu conteúdo já é manifesto. Não se preocupe mais com ele e suas definições. Cuide agora da forma. Cuide da voz. Cuide da fala. Cuide do cuidado. Cuide do carinho. Cuide de você. Ame-se o suficiente para ser capaz de gostar do amor e só assim poder começar a tentar fazer o outro feliz."

Rei Artur da Távola Redonda

Voar...


Queria conhecer palavras rebuscadas, trazidas de todo canto do mundo por seus desbravadores que enfrentaram os efeitos do tempo e do espaço entre mares e matas para matar minha curiosidade.
Enfatizaria as que mais gostasse, usaria numa folha de seda branca, guardando na caligrafia o cuidado de fazer um trabalho bem feito, sem preceitos, porém com deferência ao papel, às palavras, aos sons que produzirão na mente e no coração de cada um que porventura viesse a dar-se de frente com meus toques suaves no papel delicado.

O tema, um dos muitos que me apaixono, não teria nada de divino, bastando que a Terra o recebesse com carinho, os homens o conheceriam por muitos nomes e sem confundirem-se com outros temas que por acaso viessem a existir no mesmo lugar, a força desse Amor seria maior que qualquer outra. Não porque é meu, mas porque me encanta e não levanta suspeitas, faz da sua passagem um caminho para vidas.

Furtando astros e estrelas para ofertar-lhes ao sentimento, dizendo aos quatro ventos que nada daquilo faria sentido sem alguma outra parte que não lhe caberia nem em cem anos, toma meu poder para si e entenda que sem ti, não existiria em qualquer lugar do universo este momento, acontecido ou não, de sonhos e planos de um futuro clarinho que se possa aproveitar. Deixe a porta fechada no escuro, e abra-se você ao que vem por aí.

Jaz no peito um pequeno desenho, em todos nós, a capacidade de vê-lo é limitada, mas sua presença é sempre aguçada pelas pontadas que lhe atingem no coração. Move-se em silêncio, fazendo seu trabalho de colocar o corpo todo em movimento por um sentir único para cada ocorrência pessoal. Apaixone-se e sentirá uma explosão. Entristeça-se e saberá como se sente uma cesta de uvas passas ou talvez o que sentem as castanhas tiradas da casca.

Cada estrela, astro ou ser brilhante sente-se assim. Caído no peito do lado do coração em grande sintonia com o seu estado de ser, com seu espírito.
É que nas palavras retomadas da fonte de sua existência estão as chaves para decifrar o desenho deste peito que não cabe mais no mundo que vive, não encolhe, depois de ter crescido mais que o conveniente e, entre todas as esperanças de que se controle e caiba na caixa na qual pertence, também está bem destacada a vontade de que cresça e crie asas, espalhando pelo mundo que está gigante e envolta no sentimento mais puro de cada uma das rebuscadas expressões que usa para contar sua história de vitória e felicidade, enfim, renasce e toma o rumo que sentir gostar mais, e lá agora é seu lar...

domingo, 17 de novembro de 2013

Dualidade - Laell Rocha

      “O cosmos é uma totalidade composta de infinitos elementos distintos, intrinsecamente conectados entre si, formando um campo unificado de energia. Como a grande teia da vida, é desta realidade primordial indivisível que emergem todas as coisas, dela se nutrem e a ela retornam no eterno ciclo da vida.

      No próprio ato da criação está implicado o princípio da dualidade.
Sendo um dos princípios da vida, a dualidade nos possibilita discriminar entre luz e sombra e reconhecer as diferentes formas do nosso mundo”

~ Dualidade - Laell Rocha


Este texto é a sinopse do espetáculo da Cia. Corpo em Cena chamado Dualidade escrito e dirigido por Laell Rocha.

Eu achei fascinante e acredito que seja uma grande matéria para reflexão. Além de o espetáculo ser muito bonito.
Fiquem com uma amostra:

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Love of a Star...

You know when I said I knew little about Love?
Well it wasn't true.
I know a lot about love, I've seen it, centuries and centuries of it. And it was the only thing that made watching your world bearable.
To see the way mankind loves, I mean, you can search the further reaches of the universe and never find anything more beautiful.
So, yes, I know that love is unconditional, but I also know it can be unpredictable, unexpected, uncontrollable, unbearable and, well, strangely easy to mistake for loathing.
What I am trying to say is, I think I love you.
My heart, it feels like my chest can barely contain it.
Like it doesn't belong to me anymore. It belongs to you. And if you wanted it, I'd wish for nothing in exchange. No gifts, no goods, no demonstrations of devotion. Nothing but knowing you love me too.
Your heart in exchange for mine.
I love you.

--\\--//--\\--//--\\--//--\\--//--\\--//--\\--//--

Sabe quando eu disse que sei pouco sobre o Amor?
Bem não era verdade.
Eu sei bastante sobre amor, eu já o vi, séculos e séculos de amor. E foi a única coisa que me fez aguentar olhar para o seu mundo.
Ver o jeito que a humanidade ama, eu quero dizer, você pode procurar de um canto ao outro do universo e nunca encontrar nada mais bonito.
Então, sim, eu sei que amor é incondicional, mas também sei que ele pode ser imprevisível, inesperado, incontrolável, insuportável e, bem, estranhamente fácil de confundir com ódio.
O que estou tentando dizer é que, eu acho que Amo você.
Meu coração, parece que meu peito quase não consegue contê-lo.
Como se não me pertencesse mais. Ele pertence a você. E se você quisesse, eu não desejaria por nada em troca. Nenhum presente, ou posses, nenhuma demonstração de devoção. Nada mais que saber que você também me ama.
Seu coração em troca pelo meu.
Eu te amo.


Tirado e levemente editado do filme "Stardust"

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Eu estou...


...assistindo Adele no Royal Albert Hall, rindo, chorando, rindo e pensando.
Não ganhei nenhum abraço hoje, senão o de uma amiga, que eu sei que ganho todos os dias!
E pensei, depois de assistir um filme triste, que filmes tristes não são tão tristes assim. Eu sempre consigo tirar as melhores coisas desses filmes. Sempre as melhores. E lágrimas são boas, assim como o sorriso que as acompanha.

Bem, como pode uma criança ter 26 anos, e continuar sendo criança, mesmo não morando na Terra do Nunca? Neverland nunca esteve tão distante. Não pense que mudei de assunto, só uma criança pode ver algo bom num filme triste.
... Fiiiiilme triste, que me fez choraaaar.... Quem lembra?
Eu lembro. Um dia de reflexão, cheio de primeiras coisas e coisas da infância e também caca de nariz. Estou resfriado. E estou com febre. Mas não estou delirando, não de febre.

Uma criança que não quer crescer. Tem que crescer. Não quero e nunca quis, mesmo sendo o que todas as crianças querem, mas eu não queria. Não queria ter barba ou bigodes, não queria ser um adulto para ser livre, eu sempre lutei pela minha liberdade mesmo quando criança. E sempre respondi todas as perguntas, mesmo quando meus pais não queriam respostas. Era respondão, mas nunca achei que não tivéssemos esse direito.
Eu só não queria crescer, mesmo. Queria ser grande, mas o que eu queria que fosse grande não é. Fazer o que? Não se pode ter tudo, não ainda.

Eu só não queria crescer. Pedi isso pro Papai Noel, pra Deus, pro diabo, pro meu ursinho de pelúcia, algumas vezes pra Lua.
Mas não adiantava, minhas roupas continuavam a diminuir. Até que eu entendi que não eram mesmo as roupas que encolhiam, mas sim eu quem crescia. Era legal pensar que as roupas que encolhiam. E eu adorava me vestir com roupas de frio, e colocar o capacete da moto do meu pai e fazer que eu era um super herói. Mesmo sozinho, eu salvava o mundo do mal.

Eu salvava mesmo. E continuo salvando.
Eu estou salvando meu mundo agora.
Eu estou...

Calor e Vivas!!

É calor!
Bem.. Calor com calor, então que se faça fogo com isso!
E que esse fogo venha renovar essa alma cansada e maltratada!

Que a chama que me da vida cresça ainda mais e torne-se um grande incêndio!
Sem limites, sem pudores, sem barreiras que o possa deter!
É assim que nasce deste solo desnutrido uma labareda, que chega até o Sol e não se intimida, queima mais forte, mais veloz e mais longe!!

Uma força que não se reprime e exprime seu poder em todo lugar que se faz presente!
Aquecendo corações e punindo injustiças.
Que essa chama também possa mudar o seu destino, sendo moldável em sua concepção, porém firme e confiante de seus objetivos!

Que assim seja!
Renasça e enalteça o mundo todo!
Feliz Parabéns!

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Uma criança que assiste as almas...

Queridos Deuses,
eu que tenho poucos anos de vida, queria pensar contigo o que acontece para o mundo todo ser tão proibido.

Sabe, eu nunca vi tanta coisa sendo proibida no mundo como agora, mas isso não é o pior, pois acredito que de certa forma, estamos acostumados com coisas proibidas.
O que me tem incomodado é que as pessoas fazem exatamente as coisas proibidas e gostam de contar pra todo mundo como estão sendo transgressoras, e mesmo sendo proibido, mesmo sendo um ultraje, fica tudo bem.

É tanta coisa louca que estão fazendo. Tanto disparate que nem me cabe dizer tudo.
Mas para colocar algumas, roubo, uns enganando outros, mentiras, injustiça, exposição sem pudor simplesmente para ser ridiculamente chocante, raiva, destruição, inveja e negatividade para todos os lados.
E estamos deixando que tudo isso seja visto como "tudo bem, é uma fase" ou "liberdade de expressão".

Me ajuda?
Beijos!
Uma criança que assiste as almas.

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Alguém Especial!

Alguém especial, sabe, aquela pessoa que faz a diferença nos momentos mais sérios, e que te faz rir nos momentos tristes.
Uma pessoa especial assim nunca se vai, pois ela está conosco nos sorrisos sinceros, nas horas de tédio e principalmente quando estamos de bobeira, com preguiça, ou tomando uma gelada pra relaxar.

É aquela pessoa que a gente passa e repassa na cabeça as lembranças.
Lembra quando a gente estava na balada e rimos a noite toda?
E quando a gente foi viajar, erramos o caminho no meio da madrugada?
E depois quando fomos à praia e nos divertimos horrores? Você se queimou feio de sol! E eu fiquei com dor nas pernas de tanto que brincamos na água.

Também tem os momentos ruins, quando a gente chorou junto, quando eu te fiz chorar mais, e quando eu chorava você me fazia rir no lugar.

Eu acredito que já estamos arraigados um no outro, por isso, qualquer distância que venha a nos separar, não vai ser suficiente, grande demais ou forte de verdade para nos separar!

Eu sei que não é muito... Mas essa é uma das formas que eu sei fazer uma homenagem.
Não vão ser lágrimas numa carta para você guardar. Não quero que guarde a despedida, mas sim tudo que passamos juntos e qur nos completa, doidos e felizes como somos.

Obrigado por tudo que você é pra mim.
E espero que seja só SUCESSO EM TUDO QUE FIZER!!!!

Beijos!
Viva a Vida!

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

All, as coisas não são tão simples assim...


Algumas vezes, All não queria acreditar no que via na tevê. Era um pequeno de 5 anos, tinha ficado 3 meses no jardim, mas seus pais não tinham condições de pagar a escolinha, então voltou a desenhar em casa mesmo, tinha seus amigos com quem brincava às tardes e também seus brinquedos e a tevê que o deixavam ocupado durante o restante do tempo. E mesmo assim, não entendia qual era o problema das pessoas grandes, por quê elas faziam as mesmas perguntas e, dentro das perguntas estavam as respostas, criavam um dilema impossível de se resolver.

All dizia aos seus pais a solução para aquele problema, a resposta para aquela pergunta irresolvível, e tudo que recebia como resposta era:
- All, as coisas não são tão simples assim.
- Por quê não pai? O que impede de ser?
- ... - nenhuma resposta.

E esse silêncio fazia com que All ficasse cada vez mais confuso. Não era complicado, era só dizer a verdade. Não é isso que os adultos nos ensinam, a não mentir e dizer a verdade mesmo que eu tenha quebrado o vaso da minha mãe, ou que eu tenha visto minha irmã roubando chocolates do meu pai na geladeira?
Ninguém acreditava que não tinha sido eu quem tinha pego o chocolate, ela era mais velha e eu era o comilão. Acho que era por isso que não era tão simples, eles nunca acreditam na verdade.

Por muitas vezes, falavam comigo de forma figurativa. Uma criança não entende o que é "forma figurativa", ela sabe que se alguém como seu pai ou sua professora te disser alguma coisa, aquilo é verdade. Quantas discussões eu tive com minha professora do pré e do 1º ano do ensino fundamental, porque elas queriam me ensinar coisas erradas. Para uma criança entender sobre certo e errado é muito fácil. Certo é certo e errado é errado, não existe nada no meio disto. Se você fala que uma criança está errada, ela fica triste; se fala que está certa, ela fica feliz. Simples assim, mas eu gostava de saber o "por quê?"! E isso rendia em uma discussão em que eu sabia que estava certo, mas estava errado porque para os adultos "as coisas não são tão simples assim" e eu não entendia o que podia ser mais complicado do que eles acharem algo errado certo.

Se eu fosse adulto, ouviria mais a opinião das crianças, elas sabem as respostas para as perguntas complicadas. Mas os adultos não gostam de resolver as coisas, é isso que eles mostram pelo menos.
Eu não sei tudo, não entendo a maioria das coisas que os adultos falam, mas na maioria das vezes deixo eles sem palavras, como meu pai não soube me explicar porquê "as coisas não são tão simples assim", e os adultos me olham diferente quando eu falo.
Mas eu sou só uma criança.
Ainda sou só uma criança, mesmo depois de adulto.
E ainda pendo diferente e tenho respostas para as perguntas irresolvíveis. Mas ainda sou uma criança.
E quando os adultos querem ser cabeça duras, eles fazem isso melhor que as crianças.
Só não conseguem resolver seus problemas, ou responder suas perguntas. Mesmo que seja simples.

Acredito, com a confiança de uma criança, que um dia eles aprendam.
Eu to aqui pra ensinar se precisar. Toda criança gostará de ajudar.
Basta pedir.


terça-feira, 5 de novembro de 2013

Arte: Noite...

Noite
Para quando for-te
Leva o que não é mais
E se voltar antes da hora
Traz contigo os cristais puros de mim
Que te fiz levar mesmo sem saber

Quem sabe
Quase cabe de novo
Nesse meu luar
Nessa minha mão
E dessa vez...
Pra sempre.

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Existe ou não existe?


Uma pergunta que não sai da cabeça de todo mundo, mas que é bem simples responder.
Se está na sua mente, se alguém conseguiu criar aquilo ou aquela coisa, até mesmo aquele ser ou criatura, então, sinto dizer que a resposta é: Sim, existe!

Pense em algo que não existe.
Um gratofinopitocóptero! Para dar um exemplo um pouco diferente.
Bem, se você conseguiu imaginar como seria o meu gratofinopitocóptero, então agora ele também existe aí, pois quando eu o criei aqui, ele já passou a existir.

Existir é tão sutil e descomplicado quanto assoviar! Mesmo assim tem gente que não consegue assoviar, e infelizmente algumas pessoas também não conseguem, ou não acreditam, em existir.
Porém quando criamos algo, ele existe, ele passa a ser real. Não quer dizer que vou desenhar em um papel o meu gratofinopitocóptero e ele vai passar a ter corpo, ou vida, mas ele já existe. E caso eu o desenhe, ele terá uma forma, e portanto poderá ser criado em corpo e matéria, e então se concretizará no modo de existir ao qual estamos acostumados. Mesmo ele já existindo nas nossas mentes.
E mesmo o Google não sabendo o que ele é. hahaha

Existir é simples, criamos e fazemos existir tantas coisas que não necessariamente tem um corpo físico, ou uma vida, mas que de maneira muito própria, existem. E quanto mais acreditarmos ou quanto mais pessoas conhecerem, mais ele passa a ser real. Acontece muito com os mitos, mesmo aqueles bem absurdos que acreditamos sabendo ser somente uma metáfora ou simbologia, mas que claramente existem.

"Tudo deveria se tornar o mais simples possível, mas não simplificado."
~ Albert Einstein

Concorda?

sábado, 2 de novembro de 2013

Não se prenda, aprenda...

A crítica é a única coisa que vai te fazer aprender, ir mais longe, buscar mais informações.
Enquanto abaixarmos nossa cabeça para toda descoberta, científica ou não, sem comprovação, não devemos dar o assunto como encerrado.
Somos capazes de pensar, de entender as entrelinhas, mesmo dos assuntos mais complicados, e um simples: "Eu quero mais informações" é suficiente para colocar uma teoria em cheque.
E abrir oportunidades para aprendizado e conhecimento.
Portanto, busque mais informações e não acredite em tudo que você vê por aí, só porque foi o Ilmo Sr. Fulado de Tal quem disse.

Se realmente é uma teoria verossímil e verdadeira, ele terá mais informações e compartilhará para o crescimento de todos.
Senão, ele será mais um desses acadêmicos que são donos de suas próprias verdades e de seus próprios egos também.
Chega desse orgulho bobo e de ter medo de estar errado.
Foco no conhecimento e não no seu título ou sua necessidade de estar correto.

Assim todos ganham, inclusive VOCÊ!

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

O meu mês de muita VIDA!

Começar Novembro vendo uma das minhas cantoras preferidas ao vivo, foi o começo do meu presente de aniversário.
Este é o MEU mês, minha vida está neste mês tão especial.
É um mês de renovação, realização, onde as mudanças realmente acontecem na minha vida. Mas não é exclusividade minha, é o mês onde o mundo começa a se preparar para algo Novo!

Novembro começam os preparativos para os feriados de Natal e Ano Novo, mas na verdade era o mês onde era comemorado como a transição do ano velho para um novo ano pelos Celtas e algumas outras culturas.
E hoje, começamos a preparação das nossas casas, os enfeites e fazemos planos para esses dias.
O nosso corpo e nosso subconsciente também já entram na dança e começam a arrumar a bagunça para comemorar e por isso acontecem tantas mudanças, e na maioria das vezes, boas com a gente.

Tenho muito que agradecer por esse mês todos os anos, pois nele eu tenho um balanço de como foi o meu progresso à cada ciclo e portanto, AGRADECER muito por tudo que aconteceu durante todo o ciclo.
Afinal de contas, somos um conjunto de pequenos momentos e acontecimentos, que juntos formam toda a nossa existência e por isso sou muito GRATO!

Festejemos!
Festejem, que a vida comece a ficar mais leve, mais gostosa e mais proveitosa e que isso continue até que melhore mais e possamos atingir nossos objetivos.
Festejemos comigo também este mês abençoado no reino do Sol em Escorpião.

FELIZ NOVEMBRO!

Loreena Mckennitt Credicard Hall 31/10/2013