O Amor dos outros...


Ele se levanta rápido da cama com a cabeça mais pesada que uma pedra, o despertador gritava mais alto que o normal, e não conseguia ter certeza se estava sentado ou de ponta cabeça, sentia a cabeça abaixada e o coração acelerado, mas eram as únicas certezas.

Era cedo demais pra ele, que estava mesmo acostumado com a vida dos notívagos, aqueles seres humanos que o mundo chama de "corujas" por trocarem o dia pela noite.
Mas ele tinha todos os motivos para levantar bem, depois de ter dormido pouco. Ele tinha um encontro para  fazer bem à sua alma. Iria encontrar um amigo querido!

E o encontro ocorreu.
Correu tudo bem, foi muito bom.
Então terminou.

Enquanto isso, mais tarde, ele conversava com outros amigos, dividia suas experiências e também buscava músicas para montar um playlist legal para relaxar.
Aquele momento em casa, que você pega sua bebida preferida e quer ficar tranquilo, deixando a mente também ter seu momento de lazer nesses dias conturbados, merece uma trilha sonora à altura.
Minha mente me é importante, merece meus cuidados zelosos e carinhosos.

Entre o fim da tarde e o começo da noite, aproveitando-se das músicas que encontrou, lavou a louça, coisa que pouco gosta de fazer, mas cantarolando e brincando, terminou tudo. Fez o jantar e se deliciou com peru, espinafre, tomate e arroz integral. 

Então, voltou ao papo com os amigos, quando é chamado por outro de seus companheiros para dar uma volta. Cansado, mas animado, ele foi. Se divertiram, e assistiram um ótimo filme. (O Fabuloso Destino de Amélie Poulain).
E depois acabou.

Ele se viu mais uma vez sozinho.
E viu o amor dos outros, e os outros voltando para seus amores.
E ele voltou pra cama.
Ela o confortava, até o despertador chamar, e a vida voltar a lhe contar as histórias dos amores.

E os amores, o Amor, era dos outros...


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ensaios Umikizu - um sonho em forma de livro no Catarse!

O misterioso Escorpião!

Arte: Fine Art de Vladimir Kush...