Imbranato... Atrapalhado...

Quando falamos de amor, somos todos atrapalhados, não é?

Pois é...
Percebo que não é embaraço, nem também falta de experiência.
É só que amar é muito natural, mas nos entregamos as incertezas, aos porquês e aos serás...
E se... ferrou!

Mas aprendemos logo, assim que começamos a pensar a cada ação "como seria se estivesse comigo", que estamos sentindo amor.
Não me entenda mal, tudo está apenas começando. Pode ser, assim como pode ser que não seja.

É o amor sentimento, não Amor. Amor é diferente.
Amor é uma força muito além da nossa compreensão.
Maior que o sentimento de amar, que o verbo amar, que o adjetivo amor.

Mas passamos por tudo isso, e ultimamente tenho percebido o quanto isso é importante para mim.
Cada passo dessa caminhada é que me importa. Chegar até a reta final é consequência, é natural.
A força do Amor nos leva, é o que nos move no fim das contas, e me percebo livre nessa condição.

Sei que posso desistir de tudo, se não desistir dessa força motriz, não vou ter desistido de nada.

E aí entendo que o que me atrapalha nisso tudo é ficar na dúvida se confio ou não, se me entrego, se vai dar certo ou não.

A a única certeza que tenho é que do Amor, não desisto nunca!



Imbranato

È iniziato tutto per un tuo capriccio
Io non mi fidavo, era solo sesso.
Ma il sesso è un'attitudine
Come il'arte in genere
E forse l'ho capito e sono qui

Scusa sai se provo a insistere
Divento insopportabile, io sono
Ma ti amo, ti amo, ti amo
Ci risiamo. va bene, è antico, ma ti amo

Scusa se ti amo e se ci conosciamo
Da due mesi o poco più
Scusa se non parlo piano
Ma se non urlo muoio
Non so se sai che ti amo.
Scusami se rido, dall'imbarazzo cedo
Ti guardo fisso e tremo
All'idea di averti accanto
E sentirmi tuo soltanto
E sono qui che parlo emozionato
E sono un imbranato!

Ciao..come stai? Domanda inutile!
Ma a me l'amore mi rende prevedibile
Parlo poco, lo so, è strano, guido piano
Sarà il vento, sarà il tempo, sarà fuoco

Scusa se ti amo e se ci conosciamo
Da due mesi o poco più
Scusa se non parlo piano
Ma se non urlo muoio
Non so se sai che ti amo..
Scusami se rido, dall'imbarazzo cedo
Ti guardo fisso e tremo
All'idea di averti accanto
E sentirmi tuo soltanto
E sono qui che parlo emozionato
E sono un imbranato!
E sono un imbranato!
Io, si.
Ah! ma ti amo.

--\\--//--\\--//--\\--//--\\--//--\\--//--\\--//--

Atrapalhado

Tudo começou por um capricho teu,
Eu não ligava... era só sexo.
Mas o sexo é uma atitude,
Como a arte em geral,
E talvez eu tenha entendido e estou aqui.

Desculpe, sabe, se tento insistir,
Me torno insuportável, eu sei...
Mas te amo, te amo, te amo
É engraçado, vá lá, é antiquado, mas te amo...

E desculpe se te amo e se nos conhecemos.
Uns dois meses ou pouco mais.
E desculpe se não falo baixo.
Mas se não grito, morro.
Não sei se sabe que te amo.
E desculpe se rio, me entrego ao embaraço.
Olho pra ti fixamente e tremo.
À ideia de te ter do meu lado.
E me sentir somente teu.
E estou aqui e falo emocionado.
E sou um atrapalhado!

Oi... como estás? Pergunta inútil!
Mas o amor me torna previsível.
Falo pouco, eu sei... e estranho, dirijo devagar,
Será o vento, será o tempo... será... fogo!

E desculpe se lhe amo e se nos conhecemos;
Uns dois meses ou pouco mais.
E desculpe se não falo baixo.
Mas se não grito, morro.
Não sei se sabe que te amo.
E desculpe se rio, me entrego ao embaraço.
Olho pra ti fixamente e tremo.
À ideia de te ter do meu lado.
E me sentir somente teu.
E estou aqui e falo emocionado.
E sou um atrapalhado!
E sou um atrapalhado!
Eu, sim.
Ah, mas te amo.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O misterioso Escorpião!

Arte: Fine Art de Vladimir Kush...

Não morrer jamais...