Escolha uma palavra e deixe o Umikizu falar sobre isso...

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

As batalhas virtuais começaram...


Estamos passando por mudanças extraordinárias, onde o povo está começando a reconhecer o poder que entrega ao governo e este, ameaçado, coloca as garras pra fora para intimidar a ameaça popular crescente.
À beira de uma guerra tecnológica/virtual onde a liberdade de expressão e o livre acesso à informação estão em jogo, nossas armas são as redes sociais, os protestos virtuais e os poucos que tem coragem de levar suas reivindicações para fora do computador.

Porém temos ao nosso lado grupos como Anonymous que estão batalhando no submundo da Internet, mostrando sua força, cada dia mais eficiente e assustadora.
Este momento histórico não deve ser ignorado pelo nosso povo, um momento em que cada um de nós faz a diferença e é necessário para derrubar as hierarquia que corrompe nossos estados e nos trata como meros degraus para sua escalada.

Façamos nossa parte divulgando o trabalho de quem está fazendo frente aos nossos governantes opressores, continuando a batalhar pelos nossos direitos não somente na Internet, mas também na prestação de serviços, saúde, educação, segurança, empregos dignos, necessidades básicas que são tratadas como secundárias e por isso deixadas de lado pela ganância de nossa sociedade capitalista.
Lembremo-nos do tempo em que trabalhávamos pela qualidade e não somente pela quantidade.

Somos capazes de fazer tudo isso e lutar contra a vigilância disfarçada de boas atitudes que o governo está planejando.
Que a SOPA seja de letrinhas, que a PIPA rasgue os céus como brincadeira de criança e que ACTA seja significado de um ato bem sucedido para salvar vidas do desamparo e mentes da escuridão da ignorância.

Conheça o que é o ACTA! A Informação é sua maior arma!




"ACTA, SOPA e PIPA são todos filhos de George Orwell 1984, atrasados alguns aninhos! Mas a melhor parte é que Guy Fawkes dessa vez chegou primeiro!" 
Pandumiel Tunmarë `^^´

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Respeito torturante!

Nos divertimos muito naquela noite.
Para mim, tudo novo, desde os amigos aos lugares que visitamos.
Foi tão estranho, nos primeiros momentos queria enfiar minha cabeça em um buraco ou até mesmo sair correndo e fugir de lá. Depois fui me soltando, seus amigos me acolheram e fomos conversando mais e mais.
Também foi a primeira vez que nos vimos pessoalmente, não é?

Conversamos, bebemos, comemoramos, dançamos juntos, dançamos muito!
As músicas nos convidavam para uma dança mais próxima, primeiro você se aproximou de mim e minhas mãos foram involuntariamente te abraçar a cintura, te puxando mais pra perto, seu corpo rente ao meu faiscava e dançamos em frenética harmonia, como se não houvesse ninguém por perto.

Você estava um pouco "alegre", se lembra?
Dançava com todo mundo, mas se demorava comigo, colando seu corpo no meu, até que nossa respiração se encontrava.
Um beijo no pescoço e senti seu corpo tremer!
E fugir... Voltando logo depois.
Nossas pernas entrelaçadas, nos abraçamos, e a cada encontro, nossas bocas se desejavam proibidamente.
Que torturante!
Aqueles abraços apertados, sentidos, carregados com o desejo de estar um com o outro, sem interrupções!

Te puxei pra longe do pessoal e pedi:
- Vai pra casa comigo?
Você corou... e eu pude ver a dúvida em seus olhos.
"Eu não devo, mas desejo" é o que você pensou, podia ver no seu sorriso contorcido e torturado.

- Vou embora, já está tarde... - 2:13 da madrugada, eu disse triste.
- Me leva pra minha casa. - me pediu sem jeito.
Fomos juntos.
- Quer que te acompanhe até o seu ap? - Ofereci. Cuidado apenas.
- Se não estiver cansado, vamos lá.


Subimos e ficamos conversando, abraçados...
Não podíamos fazer nada além disso, eu te apertava contra meu peito, você deitava a cabeça em um de meus ombros e depois ia pro outro, provocando os lábios no caminho, afastados por respeito, sem nenhuma vontade de obedecer.
Então quando seu colega de quarto chegou, te coloquei na cama sabendo que ficaria bem, e fui embora.

O corpo doía do esforço de estar tão próximo de ti e não fazer nada, nem um beijo que fosse.
Coloquei o volume do rádio no máximo e dirigi de volta pra casa sem reviver a angústia que sentia cada célula do meu corpo!

Ter-te ali, tão próximo sem poder tê-lo só pra mim, foi uma das experiências mais torturantes!
Delirante!
Ver que os dois queriam a mesma coisa, os desejos se encontravam, mas eram proibidos pelo respeito.

Pareceu cena de filme, mas a realidade não parece tão bonita assim.
Esta noite vai estar pra sempre na memória, o dia que podíamos ter tido tudo, ter tido tudo mesmo!

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Pra você guardei o Amor...

Às vezes olho pra trás e vejo quantas pessoas são especiais para mim que não se permitem mais estar comigo...
Independente da razão, do que ficou e do que sobrou, eu sinto por isso... e sinto falta...

Ao contrário do que se possa pensar, por mais que tenha sido triste ou cruel a despedida, não guardo mágoas, mas ao contrário, guardo todos os bons momentos, os papos, as risadas e o carinho.

Não quero reviver os mortos, só queria poder sentar com aquela pessoa em algum bar, em um café, conversar, rir, relembrar e agradecer, sem ter que dizer que acabou, sem ter que falar dos problemas, ficar feliz pelos novos rumos que os dois tomaram... Rir!

Ser feliz em saber que não foi por acaso, não foi tempo perdido, mas reconhecer que foi um grande aprendizado, muita experiência e um período maravilhoso.

Para vocês todos, há um espacinho da memória que não se apaga, não se desgasta e está sempre brilhando de nostalgia!

sábado, 14 de janeiro de 2012

Sanidade ou sanitário?


Já se perguntou como palavras tão parecidas tem a capacidade de definir bem as mentes de hoje em dia?

Uma mente sã é capaz de grandes feitos, você conversa com essa pessoa por horas e horas e não perde o interesse, o fio da meada ou a classe. Pelo contrário, desperta mais e mais suas qualidades. São pessoas que melhoram umas as outras e umas com as outras.

Enquanto uma mente sanitária só está cheia de merda mesmo, preenchida de futilidades e com grande capacidade de te afastar, entediar, irritar e te trazer pra baixo do solo, de vergonha ou simplesmente para que você esteja no mesmo nível que ela...

Não estou aqui colocando um limite, existem muitos níveis entre estes dois extremos (estou principalmente assumindo minha parte entre estes níveis), e também outros tipos de mente, formas de pensar e isso tudo muito ligado com o meio em que se vive, a criação e por vontade própria.

Reflita, ou simplesmente dê a descarga...


Você pode gostar também desse texto: Qual o Límite da Sanidade?

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Algo sobre dor...


Você sabe o que é dor?

Para ser sincero, mesmo tendo experimentado dor por muito tempo e por várias vezes, não sei expressar o que seja dor realmente. Há uma forma correta de descrever o que sentimos quando dói dentro do peito?
A dor que os sentimentos nos causam, essas do peito, é difícil dizer... Mas dói onde no peito? De onde ela vem? Para onde ela vai? Não sabemos dizer, não existem adjetivos... 
Tentamos nos enganar, dando motivos, razões, localidades, tempo, espaço, explicações mas, tudo que sabemos de verdade é que dói! E COMO DÓI! Dói na alma!

A dor é uma falta, uma saudade ou uma vontade grande demais de alguém;
Dor também pode ser perda, quando vamos embora, quando nos deixam...;
Pode disfarçar-se de raiva ou de amor, quando os prendemos;
Ainda quando estamos cansados de passar por uma situação incômoda...

E isso explica? Do fundo do seu coração, pergunte-se: Qualquer coisa explica a dor?
Facilmente confundida com seu grande companheiro, o sofrimento, a dor chega sempre como uma facada, rasgando tudo que vê pela frente com uma lâmina fria e afiada. E quando curamos a dor e costuramos as feridas, o sofrimento muitas vezes fica e aproveita-se da primeira oportunidade para cutucar nossas feridas recém cicatrizadas e trazer sua amiga dor de volta. Nós aliás o convidamos para fazer esse trabalho ingrato, quando nos forçamos a esquecer...

Muitos artistas expressam amor, felicidade, tristeza, raiva, entre outros sentimentos, e mesmo que não falem destes com plenitude, não há canção, texto, quadro ou qualquer outra obra ou expressão que demonstre o que é a dor. Chega-se perto? Talvez... Pode ser próximo do que você sente, mas exato, não é...
Assim como este texto, deixa muito a desejar, pois o que quero expressar é que com dor não se brinca!

Doa no coração, na alma, no âmago, na mente ou no peito, dor se sente, maltrata, mas passa! E temos que mandar o sofrimento junto!
Sofrimento nunca é bem vindo, não é mesmo?! ;-)
Dor é, infelizmente, inevitável na vida de todos. Mas é até melhor assim, aprendemos muito, tiramos inspiração e nos superamos quando estamos sentindo dor, basta não deixar que o sofrimento seja seu companheiro e buscar ajuda.
Pergunte-se como livrar-se dela, busque aqueles que você ama e haverá um caminho, só seu, siga-o!

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

E você vai gostar...

Um novo ano vem acompanhado de muitas esperanças, mas o que faz a diferença é a ação e a força que colocamos nela.

Quão forte é seu desejo?
Quão longe você está disposto a ir para consegui-lo?
Quanto está disposto a sacrificar por seu sonho?

Não adianta querer algo e ficar parado, ou apenas mover um dedinho quando precisa-se caminhar, pular, ou até mesmo lutar pelo que queremos.
Ir à luta exige coragem, força de vontade e iniciativa!
Mas não se desespere, todos temos essas três dádivas de sobra... só precisamos encontrar dentro de nós.
Alguns encontram uma razão para agir, outros seguem seus corações e ainda há aqueles que unem os dois para seguir um sonho ou um objetivo.

E o importante é só dar o primeiro passo.
Ele é quem vai te mostrar que não era tão difícil assim, e que continuar em frente vai ser INCRÍVEL!
Depois que começar, você vai gostar, gostar muito dos resultados. E não haverá força no mundo que te pare!

Ganbattekudasai!
頑張ってください!