Eu gosto do Diferente!

Desde tempos imemoriais, o Diferente, ou tudo aquilo que foge aos padrões definidos pela fabulosa e insana sociedade em que vivemos, é tido como errado, sujo, ruim ou infame, na maioria das vezes, tudo isso junto. Mas o que há de tão medonho no Diferente que faz com que desperte essa reação tão repulsiva?

É bem verdade que hoje a sociedade está sendo obrigada a aceitar a diversidade, (sim obrigada, senão não aceitaria) pouco a pouco, tabus estão sendo quebrados, direitos conquistados e o PRÉ-conceito está sendo substituido por indiferença vigiada (quando você finge que não está ouvindo a conversa dos outros... só finge).

Diferente vem do latim DIFFERRE, “colocar de lado”, de DIS, “fora, afastado de”, mais FERRE, “levar, portar, carregar”, ou seja, o que é diferente nós simplesmente colocamos de lado, nem sempre não aceitamos, mas ignoramos para focar em algo que nos interesse.

Mas o que realmente nos preocupa no Diferente é sair do cotidiano, do corriqueiro, do que já conhecemos e sabemos o que esperar. O que é Diferente vem e nos desafia, ficamos inseguros e preocupados que isso nos tire da "zona de conforto".
Existem várias razões diferentes em quais o Diferente nos afeta em todos os sentidos e planos mental, físico, espiritual, etc.

Particularmente, o Diferente me excita!
É uma possibilidade de aprender, descobrir novos conhecimentos, novos lugares, novos meios de executar uma ação, entender uma nova face de fatos que nos passavam desapercebidos, e claro, um desafio.
O Diferente é a oportunidade perfeita para evolução, a chave que guarda uma nova experiência que pode ser boa ou não, mas que com certeza expande nossa visão, nossa capacidade e adiciona experiências ensinando-nos a lidar com o Novo.

Creditos da imagem: http://theumbrella.deviantart.com/
E sempre digo, é melhor enfrentar o novo e aprender com ele, antes que fique velho e tenhamos que aguentar... `^^´

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O misterioso Escorpião!

Arte: Fine Art de Vladimir Kush...

Não morrer jamais...