Escolha uma palavra e deixe o Umikizu falar sobre isso...

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Arte: Sumie (墨絵) Pintura japonesa monocromática


Choju Giga de Toba-sojo
Sumie (墨絵), também chamado “suiboku-ga”, refere-se à pintura japonesa de tinta monocromática, uma técnica que começou na China durante a Dinastia Sung (960-1274) e foi assimilada pelos japoneses no século XIV com a ajuda de monges Zen-Budistas. O sumie tem suas raízes na caligrafia chinesa; as pinceladas aprendidas na caligrafia são as mesmas utilizadas na pintura.

O mais importante é que o sumie representa não somente uma bela e singular forma de arte, mas também uma filosofia. Enquanto a maioria da pintura ocidental clássica teve como meta a descrição realista do mundo e seus objetos, o sumie sempre foi expressão de percepção do artista. Pintores tentando capturar a essência de um objeto, pessoa, ou paisagem: mais importância para a sugestão que para o realismo. A pintura ocidental usa a cor para criar sombras, tons e um sentido de espaço. O sumie tradicional, por outro lado, usa unicamente tinta preta. Na pintura oriental, a tinta preta é a mais alta simplificação de cor.


"Great perfection must appear insufficient
in order to become infinite in its impact.

Great abundance must appear empty
in order to become inexhaustible."

Tao-Te-King


O Sumie, conforme sua origem, possui como principal característica a rapidez em que é realizado, a inspiração artística é transmitida no prazo mais curto possível, onde não existe tempo para reflexão ou pensamento daquilo que está sendo realizado, o artista deve seguir sua inspiração espontânea. Não existe a possibilidade de nenhuma correção ou repetição, um traço deve ser encarado como único, se existir algum erro ele está “morto” e portando toda obra perdida.

Esse foi o espírito que levou muitos Samurais a praticarem o Zen e o Sumie. Um golpe de espada deve ser realizado espontaneamente sem chance para correções ou reflexões, caso contrário já se estaria morto devido à velocidade que ocorriam os confrontos.

Veja alguns exemplos dessa arte magnífica e simplesmente linda:






Fonte: Sociedade Brasileira de Bugei

sábado, 15 de outubro de 2011

Feliz dia dos Professores!

Aquele que se dedica e decide-se tornar um Professor é um ser iluminado.
Não é respeitado, não é bem remunerado, não recebe o reconhecimento por fazer com que milhares de pessoas formem-se cidadãos!

Todos temos que agradecer aos nossos professores, os vários anos que passamos aprendendo e desenvolvendo nossas habilidades em tantos campos de conhecimento e cultura diferentes.
Por eles dedicarem suas vidas para nos explicar sobre matemática, línguas, ciências, cultura, história, etc, etc, abrindo caminhos para nosso desenvolvimento e crescimento.

Temos que agradecer os conselhos que eles nos deram, os puxões de orelha, as cobranças, que fizeram que conseguíssemos terminar o ano com notas boas e curtir as férias sem preocupações.

Aos nossos guias do conhecimento, iluminados e sábios:
FELIZ DIA DOS PROFESSORES!

E uma pequena homenagem à um famoso professores da minha infância: Professor Tibúrcio! Aqui representando os professores.

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Reflita: prefere acreditar ou aprender?

Antes de assistir ao vídeo e ler meus comentários, eu não sou religioso, não sou ateísta, não sou cientista ou cético. Sou um Estudante Espiritualista, e como todos os estudantes devem fazer, confronto as idéias, discuto sobre as várias verdades que me são apresentadas todos os dias e humildemente nego todas elas.




Espiritualidade é, resumidamente, a busca de conhecimento com o objetivo de atingir níveis superiores de consciência sobre nós mesmos, sobre o universo em que vivemos e desvendar seus "mistérios".

Fé, Ciência e História são 3 fontes de conhecimento para os estudioso em qualquer área de pesquisa. Porém são confiáveis proporcionalmente ao quanto você acredita nelas. Cada uma conta sua teoria ou versão da verdade: religiosos acreditam mais na Fé que na Ciência e cientistas acreditam mais em Ciência que em Fé e por aí vai...

Você sabe qual é a verdadeira?
Você realmente se importa com isso?

Depois de assistir este vídeo, você descobre quão enorme o mundo é e quão pequeno você é, acredita que a Ciência é uma menina muito sabida e com a língua afiada.
Então, depois de uns dias, alguém compartilha uma mensagem maravilhosa dizendo que deus criou tudo e você acredita que em alguns passes de mágica, 7 dias depois o mundo estava pronto e nós somos os únicos seres inteligentes desse ilimitado universo, assim a Fé mostra como é fácil manipular alguns fatos e inventar algumas histórias que te fazem dormir tranquilo ou morrer de medo pelo resto da sua vida.

Nem vou mencionar a História, porque você sabe que ela foi escrita por quem ganhou a guerra, eles gostam de contar a história como lhes convém, e você vai acreditar, porque são "fatos".

E então você se pega num mar de teorias, histórias e fatos contados de maneira levemente diferente, mas que contam a mesma coisa: a Verdade.
Depende só de você experimentar cada uma delas e montar sua versão, esta será a Sua Verdade. Que vai ser diferente da verdade dos outros.
E continuamos todos na mesma, na maioria das vezes brigando sobre quem contou a história com mais detalhes, ou quem contou a versão mais bonitinha e, óbvio, quem contou a mais aceitável...

Esse vídeo foi um pouco diferente da maioria dos que vemos por aí, ao meu ver, pois mesmo que ele tenha uma forte mensagem ateísta, o diferencial é que defendeu a visão da ciência de forma verdadeira e sensível à humanidade, pois poucos conhecem a imensidão do universo, e é muito bom que conheçamos o que está lá fora, em volta no nosso pálido planetinha azul que chamamos de lar...

Indico que vocês assistam A Árvore da Vida, pois o filme é praticamente o contraponto do vídeo acima, mostrando a parte mais da Fé. Mas o filme é genial! (Se as pessoas te falaram mal, ou não entenderam, é a opinião delas. Assista e decida por si mesmo se gosta ou não!)


sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Eu gosto do Diferente!

Desde tempos imemoriais, o Diferente, ou tudo aquilo que foge aos padrões definidos pela fabulosa e insana sociedade em que vivemos, é tido como errado, sujo, ruim ou infame, na maioria das vezes, tudo isso junto. Mas o que há de tão medonho no Diferente que faz com que desperte essa reação tão repulsiva?

É bem verdade que hoje a sociedade está sendo obrigada a aceitar a diversidade, (sim obrigada, senão não aceitaria) pouco a pouco, tabus estão sendo quebrados, direitos conquistados e o PRÉ-conceito está sendo substituido por indiferença vigiada (quando você finge que não está ouvindo a conversa dos outros... só finge).

Diferente vem do latim DIFFERRE, “colocar de lado”, de DIS, “fora, afastado de”, mais FERRE, “levar, portar, carregar”, ou seja, o que é diferente nós simplesmente colocamos de lado, nem sempre não aceitamos, mas ignoramos para focar em algo que nos interesse.

Mas o que realmente nos preocupa no Diferente é sair do cotidiano, do corriqueiro, do que já conhecemos e sabemos o que esperar. O que é Diferente vem e nos desafia, ficamos inseguros e preocupados que isso nos tire da "zona de conforto".
Existem várias razões diferentes em quais o Diferente nos afeta em todos os sentidos e planos mental, físico, espiritual, etc.

Particularmente, o Diferente me excita!
É uma possibilidade de aprender, descobrir novos conhecimentos, novos lugares, novos meios de executar uma ação, entender uma nova face de fatos que nos passavam desapercebidos, e claro, um desafio.
O Diferente é a oportunidade perfeita para evolução, a chave que guarda uma nova experiência que pode ser boa ou não, mas que com certeza expande nossa visão, nossa capacidade e adiciona experiências ensinando-nos a lidar com o Novo.

Creditos da imagem: http://theumbrella.deviantart.com/
E sempre digo, é melhor enfrentar o novo e aprender com ele, antes que fique velho e tenhamos que aguentar... `^^´