Escolha uma palavra e deixe o Umikizu falar sobre isso...

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Eu sou mais EU!

Eu choro com sorrisos gostosos, com o sentimento dos outros, mesmo que na ficção...
Eu sou eu mesmo aqui, em casa, no escritório, no parquinho ou no "mictório"!
Eu canto e eu danço seja no quarto, seja no meio da rua!
Eu sou assim...
Eu sou livre...
Eu sou mais EU!

quarta-feira, 20 de abril de 2011

"To See a World..." William Blake


To see a World in a Grain of Sand
And a Heaven in a Wild Flower,
Hold Infinity in the palm of your hand
And Eternity in an hour.

A Robin Redbreast in a Cage
Puts all Heaven in a Rage.
A dove house fill’d with doves and pigeons
Shudders Hell thro’ all its regions.
A Dog starv’d at his Master’s Gate
Predicts the ruin of the State.
A Horse misus’d upon the Road
Calls to Heaven for Human blood.
Each outcry of the hunted Hare
A fiber from the Brain does tear.

He who shall train the Horse to War
Shall never pass the Polar Bar.
The Beggar’s Dog and Widow’s Cat,
Feed them and thou wilt grow fat.
The Gnat that sings his Summer song
Poison gets from Slander’s tongue.
The poison of the Snake and Newt
Is the sweat of Envy’s Foot.

A truth that’s told with bad intent
Beats all the Lies you can invent.
It is right it should be so;
Man was made for Joy and Woe;
And when this we rightly know
Thro’ the World we safely go.

Every Night and every Morn
Some to Misery are Born.
Every Morn and every Night
Some are Born to sweet delight.
Some are Born to sweet delight,
Some are Born to Endless Night.

"To See a World..."

(Fragments from "Auguries of Innocence") - William Blake

quarta-feira, 6 de abril de 2011

JAPÃO, por Monja Coen

Quando voltei ao Brasil, depois de residir doze anos no Japão, me incumbi da difícil missão de transmitir o que mais me impressionou do povo Japonês: "Kokoro".

"Kokoro" ou "Shin" significa coração-mente-essência.

Como educar pessoas a ter sensibilidade suficiente para sair de si mesmas, de suas necessidades pessoais e se colocar à serviço e disposição do grupo, das outras pessoas, da natureza ilimitada?

Outra palavra é "gaman": aguentar, suportar. Educação para ser capaz de suportar  dificuldades e superá-las.

Assim, os eventos de 11de março, no Nordeste japonês, surpreenderam o mundo  de duas maneiras.
A primeira pela violência do tsunami e dos vários terremotos, bem como dos perigos de radiação das usinas nucleares de Fukushima.
A segunda pela disciplina, ordem, dignidade, paciência, honra e respeito de todas as vítimas.
Filas de pessoas passando baldes cheios e vazios, de uma piscina para os banheiros.
Nos abrigos, a surpresa das repórteres norte americanas: ninguém queria tirar vantagem sobre  ninguém. Compartilhavam cobertas, alimentos, dores, saudades, preocupações, massagens. Cada qual se mantinha em sua área. As crianças não faziam algazarra, não corriam e gritavam, mas se mantinham no espaço que a família havia reservado.

Não furaram as filas para assistência médica – quantas pessoas necessitando de remédios! mas esperaram sua vez também para receber água, usar o telefone, receber atenção médica, alimentos, roupas e escalda pés singelos, com pouquíssima água.

Compartilharam também do resfriado, da falta de água para higiene pessoal e coletiva, da fome, da tristeza, da dor, das perdas de verduras, leite, da morte.

Nos supermercados lotados e esvaziados de alimentos, não houve saques. Houve a resignação da tragédia e o agradecimento pelo pouco que recebiam. Ensinamento de Buda, hoje enraizado na cultura e chamado de "kansha no kokoro": coração de gratidão.

"Sumimasen" é outra palavra chave. Desculpe, sinto muito, com licença. Por vezes me parecia que as pessoas pediam desculpas por viver. Desculpe causar preocupação, desculpe incomodar, desculpe precisar falar com você, ou tocar à sua porta. Desculpe pela minha dor, pelo minhas lágrimas, pela minha passagem, pela preocupação que estamos causando ao mundo. Sumimasen.

Quando temos humildade e respeito pensamos nos outros, nos seus sentimentos, necessidades. Quando cuidamos da vida como um todo, somos cuidadas e respeitadas. O inverso não é verdadeiro: se pensar primeiro em mim e só cuidar de mim, perderei.  Cada um de nós, cada uma de nós é o todo manifesto.

Acompanhando as transmissões na TV e na Internet pude pressentir a atenção e cuidado com quem estaria assistindo: mostrar a realidade, sem ofender, sem estarrecer, sem causar pânico. As vítimas encontradas, vivas ou mortas eram gentilmente cobertas pelos grupos de resgate e delicadamente transportadas – quer para as tendas do exército, que serviam de hospital, quer para as ambulâncias, helicópteros, barcos, que
os levariam a hospitais. Análise da situação por especialistas, informações incessantes a toda população pelos oficiais do governo e a noção bem estabelecida de que “somos um só povo e um só país”.

Telefonei várias vezes aos templos por onde passei e recebi telefonemas. Diziam-me do exagero das notícias internacionais, da confiança nas soluções que seriam encontradas e todos me pediram que não cancelasse nossa viagem em Julho próximo.

Aprendemos com essa tragédia o que Buda ensinou há dois mil e quinhentos anos: a vida é transitória, nada é seguro neste mundo, tudo pode ser destruído em um instante e reconstruído novamente.

Reafirmando a Lei da Causalidade podemos perceber como tudo está interligado e que O  planeta tem seu próprio movimento e vida.
Estamos na superfície, na  casquinha mais fina. Os movimentos das placas tectônicas não tem a ver com sentimentos humanos, com divindades, vinganças ou castigos. O que podemos fazer é cuidar da pequena camada produtiva, da água, do solo e do ar que respiramos. E isso já é uma tarefa e tanto.

Aprendemos com o povo japonês que a solidariedade leva à ordem, que a paciência leva à tranquilidade e que o sofrimento compartilhado leva à reconstrução.

Esse exemplo de solidariedade, de bravura, dignidade, de humildade, de respeito aos vivos  e aos mortos ficará impresso em todos que acompanharam os eventos que se seguiram a 11 de março.

Minhas preces, meus respeitos, minha ternura e minha imensa tristeza em testemunhar tanto sofrimento e tanta dor de um povo que aprendi a amar e respeitar.

"Havia pessoas suas conhecidas na tragédia?" me perguntaram. E só posso dizer: todas. Todas eram e são pessoas de meu conhecimento. Com elas aprendi a orar, a ter fé, paciência, persistência. Aprendi a respeitar meus ancestrais e a linhagem de Budas.

Mãos em prece (gassho)
Monja Coen

domingo, 3 de abril de 2011

O Início da Civilização - Quiroga








O início de uma civilização é feito sem alarde, por isso passa longe das cerimônias oficiais dos governos e corporações tanto quanto da publicidade feita notícias plantadas por eficientes assessorias de comunicação. O início de uma civilização maior e melhor está nas mãos da maneira com que cada um de nós e todos os humanos nos esforcemos para criar soluções aos conflitos interiores, encontrando uma terceira via para as forças que se digladiam em nossos corações. Civilização é tudo o que deixamos de questionar, pois o damos por sabido e não o discutimos mais. Civilização é o que repetimos automaticamente a despeito de considerarmos que as coisas poderiam ser diferentes e melhores. Civilização é o que fazemos em nome das futuras gerações.


Diário de Bordo - Quiroga
Data estelar: Marte e Urano em conjunção, Sol e Saturno em oposição; Lua é Nova em Áries.

sexta-feira, 1 de abril de 2011

O Tesouro de Todos Nós

Assistindo ao Making Of de Firework, música espetacular de Katy Perry, pensei em algo para escrever aqui e reforçar o exemplo que ela deu no clip.

Quando assisti o clip já vi muita coisa legal, e as principais foram:

- Força de vontade para vencer seus medos;
- Esperança de que tudo vai melhorar;
- Coragem para enfrentar situações fora de controle;
- Iniciativa e valentia de ir contra preconceitos e receios;
- Dignidade para aceitar seus defeitos e imperfeições;
- Inocência e alegria vencendo uma batalha contra a violência;
- Entre muitos outros...

Mas no Making Of ela conta sobre as pessoas que foram figurantes no clip, e sobre isso vocês verão no vídeo logo abaixo, portanto aguentem um pouquinho!

Especial é o mínimo que posso dizer sobre essa iniciativa da Katy de mostrar o que cada um passou, de encontrar pessoas que tiveram problemas sérios, e mesmo assim não deixaram aquela chama se apagar, de uma pequena fagulha eles explodiram como fogos de artifício e deram a volta por cima!

Essa mensagem é simples e cai bem para qualquer situação, qualquer pessoa, qualquer problema e dilema!
Lembrar-se daquela faísca que está fraquejando dentro de você e alimentar o seu potencial, a sua vontade e estourar para fora de qualquer poço sem fundo que você acredite estar dentro!

Como alimentar esse pequeno fogo, esse Tesouro precioso, que todos temos dentro da gente? É tão simples...
Você se lembra do seu primeiro beijo? Sabe aquele dia que você tirou 10 na prova mais difícil de matemática? Seu aniversário em que todos os seus amigos foram e vocês riram a noite inteira juntos?
Aquele dia que sua mãe cuidou de você quando estava com febre de 39,5º? E quando seu pai te levou para ver o jogo da final do campeonato? Acima de tudo, quando você estava feliz ao lado da sua família, seus amigos e o amor da sua vida!
São essas pessoas, esses acontecimentos, esses momentos especiais que mantém sua chama acesa e viva! Pronta para estourar em fogos de artifício luminosos e capazes de iluminar o seu caminho por mais escuro que ele seja e te impulsionar para fora de qualquer problema!

Participe de um grupo, viva intensamente, viaje sempre que puder, pare e observe o céu de vez em quando e preste atenção nas pequenas coisas simples, mas maravilhosas, que existem ao seu redor, e todos os dias você estará estourando e encantando todos os seus queridos amigos e familiares!

Fazendo uma pesquisa sobre a Katy, encontrei essa frase:
“Eu quero trazer tudo de volta à música. Popstars são difíceis de se relacionar, porque eles têm medo de serem vulneráveis ou verdadeiros e o medo que eles tem sobre as pessoas que poderão explorar suas fraquezas.
Eu, por outro lado, comemoraria os meus defeitos e na realidade daria as boas-vindas à eles também.”
Esqueça seus medos e viva feliz, em harmonia com seus defeitos e qualidades, pois só assim você está sendo 100% você! Você está sendo FIREWORK!

Assistam o Making Of e aproveitem essa experiência emocionante!!!!



Infelizmente, não consegui encontrar este vídeo legendado, se alguém encontrar, por favor deixe o link nos comentários!
Obrigado! `^^´