Escolha uma palavra e deixe o Umikizu falar sobre isso...

terça-feira, 30 de novembro de 2010

O que é Espiritualidade?

Espiritualidade significa saber viver sempre procurando a dinâmica profunda da vida, através do diálogo do eu e o mistério mais escondido dentro de nós: Qual a razão de viver?
A esperança da eternidade é a razão de viver dos que tem fé, embora de forma muito vaga, em geral induzida por suas próprias crenças e fantasias.

A alienação é a maneira que muitos preferem. Sendo incapazes de entender o significado da vida, vão caminhando sem perguntar a si próprios, sobre finalidades ou razões.
Para vivermos em paz, devemos nos interiorizar e buscar no próprio coração, a beleza da simplicidade e
distribuí-la a todos através da solidariedade e da compaixão.

O ser humano é um ser de mudanças, pois nunca está pronto. O agente destas mudanças deve ser a espiritualidade.

"Quem olha para fora, sonha. Quem olha para dentro, acorda"
C. Jung

Espiritualidade é, resumidamente, a busca de conhecimento com o objetivo de atingir níveis superiores de consciência sobre nós mesmos, sobre o universo em que vivemos e desvendar seus "mistérios".

Texto e imagem tirados do Bbel Blog. (infelizmente não está mais no ar)

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

A Busca do “Eu” - Alan Moore

Texto poderoso do Alan Moore, traduzido pelo Acid em 2009. Postado no Teoria da Conspiração

A Busca do "Eu"

“Quando cumprimos a vontade de nosso verdadeiro Eu, nós estamos inevitavelmente cumprindo com a vontade do universo. Na magia ambas as coisas são indistinguíveis. Cada alma humana não é, de fato, UMA alma humana: é a alma do universo inteiro. E, enquanto você cumprir a vontade do universo, é impossível fazer qualquer coisa errada.

Muitos dos magos como eu entendem que a tradição mágica ocidental é uma busca do Eu com “E” maiúsculo. Esse conhecimento vem da Grande Obra, do ouro que os alquimistas buscavam, a busca da Vontade, da Alma, a coisa que temos dentro que está por trás do intelecto, do corpo e dos sonhos. Nosso dínamo interior, se preferir assim. Agora, esta é particularmente a coisa mais importante que podemos obter: o conhecimento do verdadeiro Eu.

Assim, parece haver uma quantidade assustadora de pessoas que não apenas têm urgência por ignorar seu Eu, mas que também parecem ter a urgência por obliterarem-se a si próprias. Isto é horrível, mas ao menos vocês podem entender o desejo de simplesmente desaparecer, com essa consciência, porque é muita responsabilidade realmente possuir tal coisa como uma alma, algo tão precioso. O que acontece se a quebra? O que acontece se a perde? Não seria melhor anestesiá-la, acalmá-la, destruí-la, para não viver com a dor de lutar por ela e tentar mantê-la pura. Creio que é por isso que as pessoas mergulham no álcool, nas drogas, na televisão, em qualquer dos vícios que a cultura nos faz engolir, e pode ser vista como uma tentativa deliberada de destruir qualquer conexão entre nós e a responsabilidade de aceitar e possuir um Eu superior, e então ter que mantê-lo.

Tenho estudado a escola da história do pensamento mágico e o ponto em que começou a dar errado. No meu entender, o ponto em que começa a dar errado é com o monoteísmo. Quero dizer, se olhar a história da magia, verá suas origens nas cavernas, verá suas origens no xamanismo, no animismo, na crença de que tudo o que te rodeia, cada árvore, cada rocha, cada animal foi habitado por algum tipo de essência, um tipo de espírito com o qual talvez possamos nos comunicar. E ao centro você tinha um xamã, um visionário, que seria o responsável por canalizar as idéias úteis para a sobrevivência. No momento em que você chega às civilizações clássicas, verá que tudo isto foi formalizado até certo grau. O xamã atuava puramente como um intermediário entre os espíritos e as pessoas. Sua posição na aldeia ou comunidade, imagino, era a de um “encanador espiritual”. Cada pessoa no grupo devia ter seu papel: A melhor pessoa durante uma caçada tornava-se o caçador, a pessoa que era melhor pra falar com os espíritos, talvez porque ele ou ela estivesse um pouco louco, um pouco separado do nosso mundo material normal, eles tornavam-se os xamãs. Eles não seriam mestres de uma arte secreta, mas sim os que simplesmente espalhariam sua informação pela comunidade, porque se acreditava que isto era últil para todo o grupo. Quando vemos o surgimento das culturas clássicas, tudo isso se formalizou para que houvesse panteões de deuses, e cada um destes deuses tinha uma casta de sacerdotes, que até certo ponto atuariam como intermediários, que te instruiriam na adoração a estes deuses. Então, a relação entre os homens e seus deuses, que pode ser vista como a relação entre os humanos e seus “Eus” superiores, não era todavia de um modo direto.

Quando chega o cristianismo, quando chega o monoteísmo, de repente tem uma casta sacerdotal movendo-se entre o adorador e o objeto de adoração. Tem uma casta sacerdotal convertendo-se em uma espécie de gerência intermediária entre a humanidade e a divindade que está se buscando. Já não se tem mais uma relação direta com os deuses. Os sacerdotes não têm necessariamente uma relação com Deus. Eles só têm um livro que fala sobre gente que viveu há muito tempo atrás que teve relação direta com a divindade. E assim está bom: Não é preciso ter visões milagrosas, não é preciso ter deuses falando contigo. Na verdade, se você tem algo disto, provavelmente está louco. No mundo moderno, essas coisas não acontecem; as únicas pessoas as quais se permite falar com os deuses, e de um modo unilateral, são os sacerdotes. E o monoteísmo é, pra mim, uma grande simplificação. Eu quero dizer, a Cabala tem uma grande variedade de deuses, mas acima da escala, da Árvore da Vida, há uma esfera que é o Deus Absoluto, a Mônada. Algo que é indivisível, você sabe. E todos os outros deuses, e, de fato, tudo mais no universo é um tipo de emanação daquele Deus. E isto está bem. Mas, quando você sugere que lá está somente esse único Deus, a uma altura inalcançável acima da humanidade, e que não há nada no meio, você está limitando e simplificando o assunto.

Eu tendo a pensar o paganismo como um tipo de alfabeto, de linguagem. É como se todos os deuses fossem letras dessa linguagem. Elas expressam nuances, sombras de uma espécie de significado ou certa sutileza de idéias, enquanto o monoteísmo é só uma vogal, onde tudo está reduzido a uma simples nota, que quem a emite nem sequer a entende”.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Aja como se fosse...

Quando estiver fazendo alguma coisa, não importa o que, aja como se fosse a coisa mais importante do mundo, que você vai ser muito beneficiado com aquela ação e, por isso, tem que ser feito com o maior nível de qualidade possível.
E quando tiver feito isso, aja como se ainda não fosse o bastante, pois você sempre pode melhorar o que você fez, por isso, melhore!

Já perceberam que depois de um longo trabalho, se perdermos tudo e tivermos que fazer de novo, quando refazemos o trabalho além de ficar diferente, fica melhor!
Porque já tínhamos feito antes, já tivemos experiências com falhas e problemas e por isso usamos esse tempo para melhorar ainda mais a cada vez que fazemos!

Quando isso não acontece, talvez estejamos cansados e não tenhamos mais pique para continuar... pare, descanse e volte com tudo!
Aja como se fosse um novo dia, num novo projeto e você é o dono desse projeto! Você é o responsável e vai receber todas os benefícios!
Tudo depende de você, e isso vai ser simples, contanto que faça como se fosse o seu negócio, a sua obra!

Você vai sempre continuar a melhorar e vai ser recompensado por isso, não pelos outros, mas por você mesmo! `^^´

A Luta é Intima

Virá o momento em que você reconhecerá no motivo principal de sua luta, que é a derrota de seus inimigos, algo mais íntimo e profundo esgueirando-se, uma voz tênue que já se fez presente em outros tempos, mas que você desconsiderou. No fundo do seu coração você deseja sua própria derrota, porque nesse mesmo fundo você ama seus inimigos; você gasta tempo pensando neles, você investe recursos para orientar seus passos em relação aos inimigos; se isso não é amor, então o que será? Você não detesta os outros porque eles têm qualidades que você não possui, você os detesta porque eles e elas lembram que você não agiu para despertar essas qualidades em você. Sua luta não é contra o mundo, é uma luta íntima contra os vícios que corroem sua alma.

Data estelar: Mercúrio e Júpiter em quadratura; Lua míngua transitando pelo signo de Câncer.

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Três Verdades Temporariamente Absolutas


Apesar de ser normal que os humanos aceitem o argumento de toda verdade ser relativa e que por isso talvez não se deva pensar em nada absoluto, tal convencimento tem contribuído de forma eficaz para nos afastar do contato religioso com a Vida. Certamente, com nossa visão limitada nós entendemos a realidade só temporariamente, até que uma nova visão a transforme.
Nos dias de hoje podem ser postuladas três verdades temporariamente absolutas. A primeira é a de que os pensamentos criam realidades. A segunda é a de que nós ainda não somos destros o suficiente para dominar a ciência da mente e pensar o que desejemos pensar. A terceira é a de que o mundo é fiel reflexo desse problema. Sobre estas três verdades muitas melhorias podem ser feitas.

Data estelar: Sol em trígono com Urano; Lua que cresce será Vazia das 14h38 até 21h, horário de verão de Brasília.

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

"Dolce Far Niente"

AHHHHH
Que delícia!
Hoje eu me sinto um pouco mais EU!

Sabe, fiquei o dia em casa, assisti jogo de voley (o Brasil perdeu pra Russia) assisti metade da corrida da F1 (isso porque, sei lá, tinha acabado o jogo e fiquei assistindo...) teve seus bons momentos quando tiveram problemas no microfone do Galvão Bueno, pensei na hora "HAHA Tiraram o Galvão do ar kkkkkkkk"

Daí enquanto eu esperava meus pais voltarem com o carro, preparei uma comidinha básica: Fatias de Peito de Peru Grelhadas com Omelete de Arroz! Ficou uma delícia! `^^´

Eles chegaram, conversei um pouco, falei com o meu tio que estava junto e saí...
EU SAÍ E FOI TUDO DE BOM!!!!

Fui pro teatro, assisti "TPM Katrina" um ótimo espetáculo, pena que curto, que falava de uma mulher (que só falava) e sua "tempestade" de TPM... e tem as coisas que aprendi com a peça:
- Foi ótimo constatar que gosto mesmo de homens...
- Foi horrível saber que eu tenho TPM de vez em (quando?)...

O mais importante, veio depois da peça!
Eu ia embora... mas daí no caminho para o carro (parei o carro do outro lado do shopping, tipo teatro de um lado, carro... ...do outro) me deparei com a praça de alimentação LOTADA e o cinema olhando pra mim... (detalhe, o cinema é no meio do shopping) e eu falei: "Vamos ver no que vai dar, né?"

Pois foi então que nem olhei o que tava passando, peguei a fila do atendimento eletrônico (que sempre é menor, particularmente hoje estava ainda menor) E fui... escolhi um filme, Comer, Rezar, Amar, pois é, escolhi esse....

Não preciso dizer que o filme é bom, não preciso dizer que as partes na Índia me dão calafrios, não preciso dizer que adorei (e vou praticar) "Dolce Far Niente!!!" em bom português "a doçura de não fazer nada!"

E agora, eu sei um pouco mais do que me incomoda, eu aprendi um pouco mais de mim... E agora eu tenho um ponto pra focar!
Sabe o que isso me ajuda? Nem eu sei, não se preocupe...

Eu sei que eu preciso chorar, o filme ajudou, mas só marejou os olhos e eu ri da outra palhaçada...
Eu aprendi que não procuro um amor, eu procuro mesmo é um cumplice! (o acento ficou tão feio, eu tirei de propósito! hunf)

Ahhh um cumplice que fique acordado comigo, que goste de fazer coisas loucas, que seja 3 da tarde ou da madrugada, esteja sempre disposto para MAIS!
Mais tudo, e absolutamente, mais "Dolce Far Niente!!!" KKKKKKKKKKKKKKK

Ainda sim, depois de hoje, eu dou ainda mais valor por estar sozinho...
Tenho a roupa suja pra lavar, a casa empoeirada pra limpar, um mundinho pra cuidar e muito amor pra dar!
Como disse a enlouquecida de TPM: "Deu é Amor!" (faltou alguma coisa aí? hihi)
E não adianta levar por trás! É seu, você dá se quiser!
Eu dou o que posso, o que não posso...


...mando entregar! ;-)

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Palavras

Eu queria poder dizer tudo o que penso e tudo o que vocês precisam saber, pois eu acredito que ao passo que a mudança gera caos, o caos também gera mudanças.
Mas não posso...
Não posso porque não quero que vocês, em sua natureza covarde, quando forem pagar pelos seus atos, pelas suas iniciativas bizarras influenciados por minhas palavras e tomados de falsa bravura, apontem para mim o dedo dizendo: Foi ele quem nos disse tudo aquilo!

Vocês, criaturas medíocres e desacostumadas a tomar a iniciativa, não tem a curiosidade de pisar para fora de suas casas e olhar para o seu vizinho. Simplesmente não conseguem, pois sabem que não vão gostar do que vão ver, isso vai te obrigar a pensar.
Mas você é muito ocupado para pensar no que está acontecendo a sua volta! Tem muito o que se preocupar dentro do seu umbigo, onde se couber uma rolha é porque você não tem nem feito exercícios ultimamente...

Portanto, antes de vir tirar satisfações comigo quando descobrirem que eu não lhes contei nada do que vocês não tinham "tempo" para saber, lembrem-se de sua minúscula capacidade de discernimento e aprendam a dar valor ao que o dinheiro não pode comprar!

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

O porão da alma...

Romanos 7;15 - Porque o que faço não o aprovo; pois o que quero isso não faço, mas o que aborreço isso faço.

O trecho acima foi retirado da carta Paulo aos Romanos. O contexto desse texto é referente a parte de cada ser humano ao qual nenhum mortal jamais conhecerá. No porão da alma a nossa imagem e semelhança.
Não tente pois sozinho não conseguirá controlar.

Como diriam o pessoal do fruto sagrado: "A hora que agente da bobeira o pitbull sai da coleira e começa a detonar"

Aprenda a controlar teus instintos a começar com a lingua, pois "Como maçãs de ouro em salvas de prata é a palavra dita ao tempo oportuno"